Correio de Carajás

Queimadas e negócios

Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Carlos Mendes

Foto: Departamento de Comunicação do Governo de Mato Grosso/AFP
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

As operações militares em várias regiões da Amazônia – como as que ocorrem em São Félix do Xingu, Altamira e Novo Progresso, onde se concentram focos de incêndio e desmatamento – desencadearam troca de acusações entre produtores que defendem a política de enfrentamento e os que condenam tais práticas. Para esses últimos, negócios como venda de gado e soja no mercado internacional sofrerão grandes prejuízos.

Burrice e maldade

Um desses produtores rurais, em conversa com a coluna, chamou de “grande burrice” a ideia de tocar fogo na floresta para mandar recados ao governo Bolsonaro, forçando-o a afrouxar a fiscalização do Ibama e a liberar as atividades garimpeiras, além do desmatamento. Segundo o pecuarista, o resultado disso é que as Forças Armadas estão na região, reprimindo os crimes ambientais. Uma prova, diz ele, de que “o feitiço virou contra o feiticeiro”

Leia mais:

Justo e pecador

O exemplo do que ocorre em Novo Progresso, onde um jornalista, Adécio Piran, está jurado de morte por criticar as queimadas, não conseguiu inibir denúncias de radialistas e jornalistas de outras partes da Amazônia. A imprensa não comprometida com os criminosos tem ajudado, com suas informações públicas, as forças militares a localizar focos de incêndios e áreas griladas utilizadas no desmatamento. É o fato positivo em meio a tantas verdades e muitas mentiras espalhadas pelo mundo sobre a região.

General sem redoma

Perguntado por um repórter do “Estadão” sobre a exploração de áreas indígenas na Amazônia, o general Eduardo Villas Bôas, assessor do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do Palácio do Planalto, foi taxativo: “o pressuposto de que colocar uma redoma nas comunidades indígenas vai proporcionar a preservação da cultura delas não é verdade, porque os índios sentem que lhes é negada a possibilidade de evoluir”.

Política errada

Quando atuou como comandante Militar da Amazônia, Villas Bôas diz nunca ter ido a uma aldeia indígena sem receber dos índios uma lista com pedidos de energia elétrica, internet, posto de saúde, escola e realização de atividades econômicas que lhes dê sustentação. “O problema é que a política indigenista que vinha sendo aplicada incentivava os índios a ingressar em atividades ilícitas para ter uma oportunidade de evolução”, sustenta o general.

Visão de resultado

Mais adiante, reforçando ser favorável à legalização de atividades econômicas em terras indígenas, o general explicou que falta “pragmatismo, uma visão de resultado”. E defendeu que se legalizem o manejo florestal e a atividade mineral e agrícola, proporcionando ao índio oportunidade de sustento e evolução. Falou ainda que há exemplos de aldeias que tiveram sucesso com atividades agrícolas. Sobre as ONGs, disse que os índios ficaram entre os discursos delas e o fato de não conseguirem trabalhar, evoluir e ter suas necessidades atendidas.

Chumbo em Roma

Os bispos ligados à CNBB, por sua vez, estão nos calcanhares do governo Bolsonaro e devem se reunir por estes dias em Roma. Sinal de que virá  chumbo grosso sobre a questão amazônica. O pessoal da Comissão Pastoral da Terra (CPT), por exemplo, talvez ressuscite a defesa da reforma agrária, questão que anda em baixa faz tempo.

__________________________BASTIDORES_________________________

* A situação da reserva Apterewa, há tempos um barril de pólvora no sul paraense, tem tudo para virar notícia na grande mídia nacional, mais uma vez.

* Os índios paracanãs andam cansados dos invasores que ocupam suas terras. A extração ilegal de madeira “já passou dos limites”, segundo um cacique.

* Pequenos produtores e agricultores que vivem há anos na área da reserva alegam ter seus direitos e avisam que reagirão à força a qualquer tentativa de retirá-los do local.

* Compradores de gado e soja da Europa decidiram fazer pressão sobre o Brasil, dizendo que não comprarão produtos oriundos de queimadas e desmatamento na Amazônia.

* Onde estavam esses compradores antes de a Amazônia perder 25% de suas florestas? Não compravam nada, nem madeira?

Comentários
Prejuízos em Ulianópolis

Prejuízos em Ulianópolis

Proprietários de imóveis localizados no município de Ulianópolis não conseguem entender a estranha decisão do Tribunal de Justiça do Pará.…
Tortura em presídio

Tortura em presídio

É possível controlar presos ligados ao crime organizado que implantam o terror dentro de penitenciárias? A resposta é: sim. Com…
Queimadas e negócios

Queimadas e negócios

As operações militares em várias regiões da Amazônia – como as que ocorrem em São Félix do Xingu, Altamira e…
Nero amazônico

Nero amazônico

Nero amazônico Há um tipo de incendiário na Amazônia que, como um Nero das antigas, adora ver o circo florestal…
Preço de terras

Preço de terras

Preço de terras (1) Uma fonte de recursos importante para as prefeituras, nesta época de vacas magras nas finanças, não…
Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda (1) O reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Emannuel Tourinho, conseguiu emplacar na superintendência da Empresa…