Correio de Carajás

Propina a juízes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Propina a juízes

É grave. Melhor dizendo, gravíssimo. Em 2014, o então prefeito de Santa Luzia do Pará, Adamor Aires, tem o mandato cassado por compra de votos pelo juiz da 41ª Zona Eleitoral, Omar José Cherpinsk. A partir daí, o prefeito passa a gravar conversas com autoridades para tentar voltar ao cargo. E aí, nas gravações, aparecem narrativas sobre pagamento de propina a três juízes. Agora, cinco anos depois, as conversas vêm à tona nas redes sociais.

 

Leia mais:

Gravação cabeluda

Em um trecho desses áudios, o prefeito diz que o juiz de Ourém, que à época era Omar Cherpinsk, teria enviado a Adamor um emissário – no caso o cartorário de Ourém – propondo num pedaço de papel o pagamento de R$ 150 mil. E o que faz o prefeito cassado? Recorre ao TJ para voltar ao cargo. E o processo vai parar nas mãos do juiz Marco Antônio Castelo Branco.

 

Áudio repulsivo

Na gravação, o prefeito diz contar também com apoio de outro juiz do TJ, Raimundo Flexa, que seria o suposto intermediário do juiz Castelo Branco. O tal acerto envolveria o pagamento de R$ 60 mil para “comprar” a decisão. Quer dizer, o prefeito cassado não aceitou o suposto pagamento de propina de R$ 150 mil ao juiz que o havia cassado. Preferiu outra “negociação” R$ 90 mil a menor, para ter o mandato de volta. Os trechos dos áudios, já em poder da Justiça e do MP, são de causar repulsa.

 

“Podre que se quebre”

Assim que as gravações – e haveria outras, demolidoras – foram divulgadas nas redes sociais, na segunda-feira, 15, o caso caiu como bomba nos gabinetes dos desembargadores do TJ. O presidente do Tribunal, Leonardo Tavares, durante reunião, cobrou providências imediatas. E elas vieram, traduzidas em abertura de sindicância contra Raimundo Flexa e Marco Antônio Castelo Branco, na portaria assinada pela corregedora da Capital, Maria de Nazaré Saavedra Guimarães. Um desembargador, indignado, afirmou à coluna: “quem for podre que se quebre”.

 

MP também se mexe

Antes de o TJ se mexer, o Ministério Público Federal já havia instaurado procedimento, mas a procuradora Nayana Fadul preferiu mandar tudo para o Ministério Público do Estado apurar, pois ela só cuida de questões eleitorais. De corrupção, quem cuida é o MP. Entrou em cena o procurador-geral de Justiça, Gilberto Valente Martins. Que, aliás, também mandou as gravações para o CNJ, em Brasília. Ou seja, o bicho pegou de vez.

 

A traição do amigo

O prefeito Adamor Aires, apesar da intensa repercussão do fato nas redes sociais, até o momento se manteve calado e nada diz sobre as gravações que fez em 2014. De Santa Luzia, porém, chegam informações de que o prefeito teria sido “apunhalado” por um ex-amigo vereador daquele município com quem teria compartilhado as gravações. Adamor, segundo se comenta em Belém, poderá ser preso a qualquer momento.

 

Caso Salame (1)

Alguém ainda lembra do que aconteceu com o ex-prefeito de Marabá, João Salame Neto? Em novembro de 2013, Salame foi à Polícia Federal, em Belém, para depor sobre uma gravação que havia entregue à Justiça. Essa gravação era um diálogo que ele manteve com o ex-deputado e ex-prefeito de Marituba, Antônio Armando Amaral de Castro, na qual é revelado um suposto pagamento de propina a alguns juízes do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para favorecer prefeitos em apuros com a Justiça.

 

___________________BASTIDORES______________________

* Sabe no que deu o rolo das gravações envolvendo João Salame, Antônio Armando e os juízes citados nas tais conversas?

* Antônio Armando, então um político em decadência, não provou o que estava contido na gravação e foi condenado pela Justiça. E João Salame enterrou de vez sua carreira política.

* A corregedora do Interior, desembargadora Diraci Alves, deverá abrir sindicância para investigar a conduta do juiz Omar Cherpinsk nas gravações feitas pelo prefeito Adamor Aires.

* Ano que vem tem eleição para prefeito. Quem andou na linha, não precisou gravar ninguém e fez boa gestão, está com a reeleição garantida.

* Só depende, logicamente, do aval dos eleitores.

Comentários
Prejuízos em Ulianópolis

Prejuízos em Ulianópolis

Proprietários de imóveis localizados no município de Ulianópolis não conseguem entender a estranha decisão do Tribunal de Justiça do Pará.…
Tortura em presídio

Tortura em presídio

É possível controlar presos ligados ao crime organizado que implantam o terror dentro de penitenciárias? A resposta é: sim. Com…
Queimadas e negócios

Queimadas e negócios

As operações militares em várias regiões da Amazônia – como as que ocorrem em São Félix do Xingu, Altamira e…
Nero amazônico

Nero amazônico

Nero amazônico Há um tipo de incendiário na Amazônia que, como um Nero das antigas, adora ver o circo florestal…
Preço de terras

Preço de terras

Preço de terras (1) Uma fonte de recursos importante para as prefeituras, nesta época de vacas magras nas finanças, não…
Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda (1) O reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Emannuel Tourinho, conseguiu emplacar na superintendência da Empresa…