Correio de Carajás

O candidato ideal

Carlos Mendes

Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Foto: reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O candidato ideal

Nesses tempos de descrença quase total na classe política – e ela o faz por merecer, sejamos justos -, muita gente não sabe em quem votar, faltando pouco mais de quatro meses para a eleição de presidente da República a deputado estadual. Na verdade, a pergunta é a seguinte: em quem acreditar, se o velho discurso de “lutar pelo povo” perdeu credibilidade faz tempo? O político ideal não existe, mas aquele que agir com transparência e estiver sintonizado com os principais desejos da população sairá em vantagem.

Se fez, tem vantagem

Leia mais:

Nesse trabalho de se apresentar como opção confiável, em meio a tantos candidatos antigos e novos, o político que sobreviveu ao vendaval da descrença é aquele que já exerceu cargo e teve a aprovação popular. Ou pelo menos a aprovação da maioria. Diferente do que já foi testado nas urnas e derrotado. Se foi um bom prefeito, governador ou deputado, até mesmo senador, está em vantagem diante do resto. O candidato “novo” não será novo se não tiver um trabalho em que seja conhecido, ou admirado, por se preocupar com sua comunidade e querer fazer algo para mudar as coisas que ele identifica como erradas.

Casca de banana

Mais até do que a saúde e a educação, a segurança pública é o tema que mais desafia eventuais candidatos na apresentação de propostas para combater a criminalidade desenfreada. O fato de ser policial, por exemplo, não dá vantagem. Pode até complicar, se o candidato não tiver alternativas diferentes daquelas já apresentadas no combate ao tráfico de drogas, aos homicídios e ao crime organizado. O discurso de mais policiais nas ruas e armamentos, por exemplo, está surrado e não cola. Ideias para a prevenção de crimes serão benvindas.

Rabo de peixe grande

A afirmação de que partido forte é sinônimo de sucesso nas urnas é falsa. Um partido bem estruturado, espalhado por vários municípios, ajuda bastante. O gargalo é o partido forte governado com mão de ferro por um cacique. Não há mais lugar para isso, a não ser na velha política, que cada vez mais está com os dias contados. O nome do candidato, se tiver peso, vale mais do que a sigla partidária. Isso faz lembrar do ex-deputado federal paraense Júlio Viveiros, já falecido. Ao sair do velho MDB e filiar-se ao PP, ele justificou: “prefiro ser cabeça de peixe pequeno a rabo de peixe grande”. Tinha razão.

______________________BASTIDORES_________________________

É impossível não ficar assustado com a marcha dos acontecimentos. Estamos a pouco mais de quatro meses de uma eleição decisiva, mas o quadro geral é de absurda desordem política. Poucas pessoas estão ligando para o que pode acontecer.

*As normas da eleição foram mudadas e, a cada dia, o Poder Judiciário inventa regras novas ou novas interpretações, o que dá no mesmo. A observação é do jornalista Roberto Brant.

* O Congresso, por força da Constituição, só pode mudar as regras eleitorais com o mínimo de um ano de antecedência, mas essa restrição não se aplica ao Judiciário, que entre nós pode tudo e está cada vez mais disposto a intervir no processo eleitoral para cumprir uma missão que não se sabe quem lhe conferiu.

* Dada a judicialização extrema e a liberdade que a nossa Justiça se concede, de decidir conforme princípios e não conforme a lei, as próximas eleições vão acabar sendo decididas nas cortes e não nas urnas, num experimento democrático bem original.

* As apurações, diz Brant, serão rápidas como sempre, e, na própria noite do pleito, estarão concluídas. Nas semanas e meses seguintes, ficaremos sabendo qual será a vontade dos juízes, esta sim, definitiva.

* Temos um sistema partidário caótico porque uma decisão de nosso Supremo Tribunal anulou uma cláusula de desempenho, votada a duras penas no Parlamento, para reduzir o número de partidos.

* Depois de franquear a proliferação partidária, uma nova decisão do Supremo proibiu o financiamento privado das campanhas e implantou o financiamento público, reescrevendo à sua vontade a Constituição.

* Essa decisão matou qualquer hipótese de renovação e transferiu para as oligarquias partidárias o poder absoluto de escolher quem terá o benefício do financiamento de campanha, numa das maiores manipulações eleitorais de que temos notícia, levando o país a retroceder aos tempos do Império e da Velha República.

Prejuízos em Ulianópolis

Prejuízos em Ulianópolis

Proprietários de imóveis localizados no município de Ulianópolis não conseguem entender a estranha decisão do Tribunal de Justiça do Pará.…
Tortura em presídio

Tortura em presídio

É possível controlar presos ligados ao crime organizado que implantam o terror dentro de penitenciárias? A resposta é: sim. Com…
Queimadas e negócios

Queimadas e negócios

As operações militares em várias regiões da Amazônia – como as que ocorrem em São Félix do Xingu, Altamira e…
Nero amazônico

Nero amazônico

Nero amazônico Há um tipo de incendiário na Amazônia que, como um Nero das antigas, adora ver o circo florestal…
Preço de terras

Preço de terras

Preço de terras (1) Uma fonte de recursos importante para as prefeituras, nesta época de vacas magras nas finanças, não…
Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda (1) O reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Emannuel Tourinho, conseguiu emplacar na superintendência da Empresa…