Correio de Carajás

Tortura em presídio

Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Carlos Mendes

Foto: reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

É possível controlar presos ligados ao crime organizado que implantam o terror dentro de penitenciárias? A resposta é: sim. Com rigor, mas sem apelar para a tortura, para o espancamento, mutilações. As acusações de tortura contra agentes federais que atuam em presídios do Pará, feitas por alguns presos, têm levantado essa questão. Eles negam.

Acordo diante do juiz

O Ministério Público Federal (MPF) cobrou da Força-Tarefa federal explicações e as respostas obtidas não convenceram, daí o pedido de audiência na Justiça Federal para celebração de um acordo entre os fiscais da lei e os que devem cumprir a lei. Após horas de discussão, perante o juiz Jorge Ferraz, algumas normas foram restabelecidas. Duas delas: a visita regular de advogados aos presos, que havia sido suspensa, e as visitas de familiares.

Leia mais:

Perícia médica

Além disso, os procuradores da República, caso assim entendam, poderão requisitar aleatoriamente a presença de presos para que sejam periciados por médicos do Instituto Renato Chaves ou outra instituição idônea, para verificar eventuais evidências de crimes de tortura que estariam ocorrendo desde que a Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) assumiu o controle de algumas casas penais do Pará, no dia 5 de agosto.

Ordem de chegada

As visitas ao presídio de Americano, em Santa Isabel, por exemplo, já puderam ser retomadas desde ontem, garantida a entrevista pessoal e reservada de advogados e defensores públicos com os seus clientes, independentemente de agendamento, respeitada a ordem de chegada. No Centro de Reeducação Feminino (CRF) e no Centro de Triagem Metropolitano 2 (CTM2), os mesmos procedimentos só deverão ocorrer a partir de segunda-feira (16).

Separação de presos

Nesses dois centros prisionais, a equipe que atua na Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) ainda não concluiu o procedimento de separação das presas, retirada de celulares e eventuais instrumentos que possam ser utilizados para prática de crime. O acordo, homologado pelo juiz federal Jorge Ferraz, durante audiência de cerca de quatro horas ocorrida na 5ª Vara da Justiça Federal, em Belém, obteve a concordância de todos. O juiz pôs ordem na ação dos agentes federais dentro dos presídios.

Comando Vermelho

Na duas unidades prisionais já haviam sido apreendidos celulares, chips de celular, drogas e armas feitas pelos presos”. Na feminina, encontraram 50 celulares, oito pendrives, 12 chips de celular, 20 objetos perfurantes – estoques e facas, além de drogas. Segundo a Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe), algumas internas do CRF formariam “um escritório central da facção do Comando Vermelho no que tange à organização administrativa e algumas comandam a parte do setor de ataques a agentes públicos”.

Rebeliões murcharam

O outro lado da questão: os agentes federais e o pessoal da Susipe concordam num ponto: as medidas tomadas praticamente desmontaram rebeliões que estavam sendo articuladas pelas facções Comando Vermelho, PCC e outras, ainda como parte da reação ao que ocorreu em Altamira, quando 62 presos foram mortos no confronto entre as facções mais violentas.

_________________________BASTIDORES__________________________

* Para o secretário Extraordinário de Penitenciários do Pará, Jarbas Vasconcelos, a suspensão das visitas aos presos pelo prazo de 30 dias teve o objetivo de “garantir a segurança dos internos, familiares e servidores do sistema prisional”.

* Foi descoberto que as organizações criminosas por trás do massacre de julho em Altamira, o PCC e o CV, têm relação direta ou indireta com as duas penitenciárias agora sob intervenção em Santa Isabel e Ananindeua.

* O MPF, porém, entendeu que as restrições impostas violavam regras básicas de respeito às lei vigentes, inclusive as penais. Daí a busca de acordo na Justiça Federal, agora fechado.

* Isso não impede eventuais ações judiciais do MPF se as supostas torturas ficarem comprovadas.

Comentários
Prejuízos em Ulianópolis

Prejuízos em Ulianópolis

Proprietários de imóveis localizados no município de Ulianópolis não conseguem entender a estranha decisão do Tribunal de Justiça do Pará.…
Tortura em presídio

Tortura em presídio

É possível controlar presos ligados ao crime organizado que implantam o terror dentro de penitenciárias? A resposta é: sim. Com…
Queimadas e negócios

Queimadas e negócios

As operações militares em várias regiões da Amazônia – como as que ocorrem em São Félix do Xingu, Altamira e…
Nero amazônico

Nero amazônico

Nero amazônico Há um tipo de incendiário na Amazônia que, como um Nero das antigas, adora ver o circo florestal…
Preço de terras

Preço de terras

Preço de terras (1) Uma fonte de recursos importante para as prefeituras, nesta época de vacas magras nas finanças, não…
Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda (1) O reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Emannuel Tourinho, conseguiu emplacar na superintendência da Empresa…