Correio de Carajás

Esquema Pará

Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Carlos Mendes

Foto: reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Esquema Pará

Fonte da coluna com acesso à delação premiada do ex-padre Wagner Portugal à Lava Jato do Rio de Janeiro, diz ser explosivo e com venenosos respingos no Pará o que ele relatou no depoimento. Wagner era diretor de Relações Institucionais e de Filantropia da Pró-Saúde, empresa que por aqui comanda 8 hospitais públicos, recebendo mensalmente do governo estadual polpudos pagamentos. Os contratos, com dispensa de licitação, foram assinados durante o governo de Simão Jatene.

Tucanos sem sono

Leia mais:

Wagner abriu a boca e disse ter documentos sobre os contratos da Pró-Saúde com o governo tucano, que nos últimos oito anos da gestão de Jatene superam com folga a dinheirama gasta com ela durante a administração do corrupto e condenado ex-governador carioca, Sérgio Cabral. Aliás, foi Cabral quem abriu a tampa dessa “caixa-preta”, mas Wagner escancarou tudo. A citação do nome do arcebispo dom Orani Tempesta provocou arrepios em Belém, onde ele chefiou a Igreja Católica.

Obras atrasadas

Ao deixar o governo, Jatene transferiu para as mãos do governador Helder Barbalho um pepino que passa de R$ 800 milhões de contratos que ele havia assinado com a Pró-Saúde para ela tocar obras atrasadas que não puderam ser inauguradas pelo tucano. Uma delas, a maior, é a do Hospital Abelardo Santos, em Icoaraci, distrito de Belém. Esse hospital, sozinho e com 90% das obras concluídas, gerou para a Pró-Saúde um contrato de R$ 661 milhões, ou cerca de R$ 10,7 milhões mensais.

Contratos sob lupa

Em crise depois do escândalo no Rio, a Pró-Saúde tenta salvar seus negócios no Pará, mas a situação não está fácil. Helder Barbalho já reuniu seus técnicos e advogados da Procuradoria-Geral do Estado, determinando análise rigorosa de cada um dos 8 contratos mantidos com a Organização Social. Os hospitais dela estão espalhados por Belém, Santarém, Marabá, Ananindeua, Barcarena e Altamira. São contratos com validade até 2.023. Ou seja, extrapolam o tempo de governo do próprio Helder. Não dá para vacilar.

Celpa abusada

Por todo o Pará, apesar das denúncias e da falta de apetite do Ministério Público para apurá-las, a Celpa continua a fustigar seus consumidores, cobrando dívidas muito acima da capacidade de pagamento de trabalhadores pobres. A empresa alega que suas aferições nos registros de consumo de energia estão corretas e cobra também multas por “gatos”. Os consumidores, por sua vez, acusam a Celpa de roubá-los, impor dívidas e não permitir uma vistoria independente nos registros de consumo. Até quando a empresa vai manter esse circo de abusos?

Repasse ilegal

É bom saber que, na legislatura entre 2015 e 2018, a Comissão de Defesa do Consumidor, da Câmara dos Deputados, aprovou uma proposta que proíbe as distribuidoras de energia elétrica – como a Celpa – de repassar para os consumidores os custos relacionados a furtos de energia. É o projeto de lei 8652, de 2017. Ele também já passou pela Comissão de Minas e Energia, onde foi aprovado e agora é avaliado pela Constituição, Justiça e Cidadania, antes de seguir para os votos dos parlamentares. É hora de alertar a bancada federal paraense em Brasília.

___________________BASTIDORES________________________

* Do parlamento estadual chega uma boa notícia: o novo presidente da Assembleia Legislativa, Daniel Santos, há um mês no cargo, já obteve uma economia de R$ 4 milhões nas despesas.

* A folha de pagamento da Alepa, para se ter uma ideia, consume por mês R$ 27 milhões dos R$ 32 milhões que recebe de repasse do Estado. Daniel enxugou a folha e diz que ainda vai fazer outros ajustes.

* O ex-presidente da Alepa e candidato derrotado na eleição para o governo em 2018, Márcio Miranda, proclamou durante a campanha ter deixado em caixa cerca de R$ 10 milhões para o sucessor.

* O pessoal da área financeira da Alepa procurou os R$ 10 milhões e não encontrou. O que foi constatado é que não sobrou nada. O dinheiro foi empregado nas despesas do poder.

* A operação da PF na UFRA, semana passada, terá desdobramentos. É só aguardar.

Comentários
Prejuízos em Ulianópolis

Prejuízos em Ulianópolis

Proprietários de imóveis localizados no município de Ulianópolis não conseguem entender a estranha decisão do Tribunal de Justiça do Pará.…
Tortura em presídio

Tortura em presídio

É possível controlar presos ligados ao crime organizado que implantam o terror dentro de penitenciárias? A resposta é: sim. Com…
Queimadas e negócios

Queimadas e negócios

As operações militares em várias regiões da Amazônia – como as que ocorrem em São Félix do Xingu, Altamira e…
Nero amazônico

Nero amazônico

Nero amazônico Há um tipo de incendiário na Amazônia que, como um Nero das antigas, adora ver o circo florestal…
Preço de terras

Preço de terras

Preço de terras (1) Uma fonte de recursos importante para as prefeituras, nesta época de vacas magras nas finanças, não…
Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda

Reeleição à esquerda (1) O reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Emannuel Tourinho, conseguiu emplacar na superintendência da Empresa…