Correio de Carajás

Vítima antiga de estelionatária de tijolos desmente que ela seria alvo de fake news

Bárbara Nascimento gravou entrevista, mas não revelou seu rosto / Foto: Zeus Bandeira
Bárbara Nascimento gravou entrevista, mas não revelou seu rosto / Foto: Zeus Bandeira
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Após a repercussão do caso de Samara Monteiro, que foi parar na delegacia por tentar vender tijolos – que não eram seus – outras vítimas procuraram o Correio de Carajás para denunciar situações semelhantes. Entre elas, Bárbara Nascimento da Silva decidiu conceder entrevista para relatar o seu caso, onde diz que foi vítima de Samara Monteiro ao tentar comprar telhas usadas por um preço mais em conta.

A vítima conta que no dia 4 de dezembro de 2020, havia visto um anúncio de Samara no grupo de vendas Bazar Marabá, no Facebook, onde divulgava a comercialização de um milheiro de telhas por R$ 400,00. Nisso, decidiu entrar em contato com a suposta vendedora. “Estava precisando das telhas”, conta.

Ambas fecharam negócio por WhatsApp e Bárbara informou que mais tarde iria ao local com um frete para buscar o material de construção, na Rua Pedro Marinho, no Bairro Independência.

Leia mais:

Mas, ao chegar ao local, a vítima percebeu algo estranho. Um rapaz, que também fora vítima de Samara, estava no endereço fazendo a retirada de alguns tijolos que teria comprado com Samara. Nesse momento, os donos dos materiais chegaram e questionaram o que acontecia.

Após os esclarecimentos e todos se derem conta do golpe de Samara, Bárbara decidiu ir até a Delegacia de Polícia Civil para prestar queixa. “Registrei o Boletim de Ocorrência e em meados do fim de janeiro me chamaram para fazer o reconhecimento, depois de a terem localizado. Eu tinha entregado os 400 reais pessoalmente a ela”, relata Bárbara.

Depois disso, a vítima foi informada, na Polícia Civil, que Samara iria para audiência de custódia e um juiz decidiria se ela responderia em liberdade ou não. “Nunca mais tive notícias do caso”, completa.

Samara utilizava o nome de Adriana Souza quando fez as vítimas mais recentes / Foto: Screenshot

Até que na sexta-feira (12), Bárbara leu a reportagem do Correio de Carajás sobre Samara ter ido parar na delegacia e sentiu-se aliviada, pois imaginava que finalmente a justiça havia sido feita.

Porém, ela teve uma surpresa ao ler em um outro portal de notícias que Samara se dizia vítima de fake news. “Como ela pode ter sido vítima? Se aplicou golpe em mim e no outro rapaz?”, indaga Bárbara.

Revoltada, a vítima pede justiça, tendo em vista que a suposta estelionatária continuaria aplicando golpes. “Eu queria que ela fosse exposta para todos conhecerem o seu rosto e ninguém mais fosse vítima, como eu fui”, pede Bárbara. (Zeus Bandeira)

Comentários

Mais

Condenado saiu da cadeia para o Dia das Mães e passou 10 anos fora

Condenado saiu da cadeia para o Dia das Mães e passou 10 anos fora

Josivaldo Ribeiro Goncalves, de 35 anos, foi preso em Parauapebas, na manhã desta quinta-feira (24), após ter sido alvo de…
Corpo de adolescente com cabeça decepada é encontrado em Marabá

Corpo de adolescente com cabeça decepada é encontrado em Marabá

No final da manhã desta quinta-feira, 24, a Polícia Militar de Marabá foi acionada por causa de um corpo que…
Dono de extensa ficha criminal é preso dando rolê em moto furtada

Dono de extensa ficha criminal é preso dando rolê em moto furtada

Edgar Saroa Dias de Oliveira, de 31 anos, não conseguiu deixar para trás a “má sorte” que o acompanhava quando…
Justiça mantém prisões de empresários e advogado de Parauapebas

Justiça mantém prisões de empresários e advogado de Parauapebas

Em audiência de custódia realizada na manhã desta quinta-feira (24), na 2ª Vara Criminal, no Fórum da Comarca de Parauapebas,…
Cães da Guarda Municipal localizam drogas outra vez

Cães da Guarda Municipal localizam drogas outra vez

A Polícia Militar e a Guarda Municipal apreenderam quase 6 quilos de drogas (mais de 4 kg de maconha e…
Mandante e executor são presos pela Civil

Mandante e executor são presos pela Civil

Dois homens foram presos acusados de envolvimento na morte do traficante Danielson Moreira Carvalho, o Dani, 30 anos, executado com…