Correio de Carajás

Vigilância sanitária: Hotéis e motéis estão na mira

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Desde o início do ano o Departamento de Vigilância Sanitária de Marabá (Divisa) vem realizando palestras e qualificações para garantir a saúde da população. O órgão estabeleceu como meta para este ano a regularização de todos os estabelecimentos comerciais e hospitalares da cidade. No entanto, conforme foi repassado pelo coordenador da pasta, Daniel Soares, muitos motéis e hotéis na cidade ainda não se regularizaram.

“No início do ano, fizemos uma programação para que a gente pudesse estender por todo esse ano de 2017, porque a gente queria regularizar as atividades de hotel, motel, restaurantes, panificadoras, consultórios médicos e odontológicos, drogarias e hospitais”, explicou. Segundo ele, vários setores seguem dentro do calendário previsto, menos o setor hoteleiro e de motéis, uma vez que apenas 30% desses estabelecimentos na cidade estão de acordo com a lei.

Para mudar esse quadro, ele revelou que vai intensificar as ações da Divisa para esse ramo de negócios. Daniel acrescentou que cerca de 100% das drogarias, 80% dos hospitais, 60% dos consultórios médicos e odontológicos e das panificadoras e restaurantes já passaram pelo crivo da fiscalização. “Para o primeiro semestre, acho que a gente foi bem. Considerando a situação que a gente pegou o município. Estamos ainda na fase de reestruturação e eu espero que até o final do ano a gente consiga atingir 100% dos estabelecimentos que buscamos regularizar”.

Leia mais:

Devido à limitação de viaturas, os 40 técnicos que trabalham na Divisa atuam cada dia da semana em um grupo de segmentos do comércio. Uma das maiores demandas que o departamento tem é referente a alimentos. O coordenador revela que toda segunda-feira uma equipe é destinada a fiscalização destes estabelecimentos. “Eles verificam se as condições do estabelecimento estão de acordo com as normas sanitárias municipais, estaduais e federais. Se estiver tudo certo, eles então estabelecem a notificação para tirar a licença. Se não tiver notifica para se adequarem às normas, estabelecendo um prazo. Se após esse prazo não se adequarem a gente já entra com a medida coercitiva”.

Soares revelou ainda que há muitas infrações por parte de comerciantes, porém que nenhuma multa foi aplicada até o momento. “Eu ainda não autorizei nenhuma aplicação de multa, nem abertura de processo administrativo. Porque eu estendo que a gente ainda está tendo que resgatar aquele papel que a vigilância deixou lá para trás”, justificou. (Nathália Viegas com informações de Josseli Carvalho)

 

Desde o início do ano o Departamento de Vigilância Sanitária de Marabá (Divisa) vem realizando palestras e qualificações para garantir a saúde da população. O órgão estabeleceu como meta para este ano a regularização de todos os estabelecimentos comerciais e hospitalares da cidade. No entanto, conforme foi repassado pelo coordenador da pasta, Daniel Soares, muitos motéis e hotéis na cidade ainda não se regularizaram.

“No início do ano, fizemos uma programação para que a gente pudesse estender por todo esse ano de 2017, porque a gente queria regularizar as atividades de hotel, motel, restaurantes, panificadoras, consultórios médicos e odontológicos, drogarias e hospitais”, explicou. Segundo ele, vários setores seguem dentro do calendário previsto, menos o setor hoteleiro e de motéis, uma vez que apenas 30% desses estabelecimentos na cidade estão de acordo com a lei.

Para mudar esse quadro, ele revelou que vai intensificar as ações da Divisa para esse ramo de negócios. Daniel acrescentou que cerca de 100% das drogarias, 80% dos hospitais, 60% dos consultórios médicos e odontológicos e das panificadoras e restaurantes já passaram pelo crivo da fiscalização. “Para o primeiro semestre, acho que a gente foi bem. Considerando a situação que a gente pegou o município. Estamos ainda na fase de reestruturação e eu espero que até o final do ano a gente consiga atingir 100% dos estabelecimentos que buscamos regularizar”.

Devido à limitação de viaturas, os 40 técnicos que trabalham na Divisa atuam cada dia da semana em um grupo de segmentos do comércio. Uma das maiores demandas que o departamento tem é referente a alimentos. O coordenador revela que toda segunda-feira uma equipe é destinada a fiscalização destes estabelecimentos. “Eles verificam se as condições do estabelecimento estão de acordo com as normas sanitárias municipais, estaduais e federais. Se estiver tudo certo, eles então estabelecem a notificação para tirar a licença. Se não tiver notifica para se adequarem às normas, estabelecendo um prazo. Se após esse prazo não se adequarem a gente já entra com a medida coercitiva”.

Soares revelou ainda que há muitas infrações por parte de comerciantes, porém que nenhuma multa foi aplicada até o momento. “Eu ainda não autorizei nenhuma aplicação de multa, nem abertura de processo administrativo. Porque eu estendo que a gente ainda está tendo que resgatar aquele papel que a vigilância deixou lá para trás”, justificou. (Nathália Viegas com informações de Josseli Carvalho)

 

Comentários

Mais

Uepa prorroga inscrições para especialização em Parauapebas

Uepa prorroga inscrições para especialização em Parauapebas

Foram prorrogadas até o dia 23 de abril as inscrições ao Processo Seletivo para o Curso de Especialização em Teorias…
Parauapebas terá 1º Seminário de Educação Escolar Indígena

Parauapebas terá 1º Seminário de Educação Escolar Indígena

Com o objetivo de valorizar ainda mais a educação indígena, além de levantar debates e reflexões acerca da temática, a…
Butantan recebe insumos para 5 milhões de doses da CoronaVac

Butantan recebe insumos para 5 milhões de doses da CoronaVac

O Instituto Butantan recebeu, na manhã desta segunda-feira (19), mais 3 mil litros do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima para…
Pará registra 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes

Pará registra 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes

O Pará registrou, neste domingo (18), um total de 451.192 casos de Covid-19 e 11.900 mortes. De acordo com o…
Indígenas usam tecnologias para manter língua e cultura vivas

Indígenas usam tecnologias para manter língua e cultura vivas

O xokleng é uma língua falada apenas por uma comunidade indígena no Vale do Alto Itajaí, na região central de…
Divisa interdita empresa que envasava oxigênio de forma irregular em Marabá

Divisa interdita empresa que envasava oxigênio de forma irregular em Marabá

A Divisa (Divisão de Vigilância Sanitária) de Marabá recebeu denúncia anônima de suposto envasamento inapropriado de gás oxigênio para fins…