Correio de Carajás

Escolas boicotam desfile em retaliação à alteração do PCCR

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
51 Visualizações

Todos os anos, cerca de 40 escolas participam do desfile de 7 de Setembro em Marabá, em celebração à Independência do Brasil. Em 2017, contundo, há um protesto velado em forma de boicote ao evento e apenas uma delas resolveu participar da programação organizada pela SEMED (Secretaria Municipal de Educação). Apenas a Escola Felipa Serrão, do município, vai levar alunos para desfilar. Pelo Estado, a Plinio Pinheiro, na Marabá Pioneira, vai ao desfile. Entre as particulares, a representante será a Branca de Neve.

Segundo levantou a Reportagem, a grande maioria de diretores e professores definiu, em um grupo de Whatsapp, que não irá participar do desfile. Pelo menos dois diretores consultados pelo Portal (pediram para não ter seus nomes divulgados) confirmaram a informação e disseram que a orientação teria partido da coordenação do SINTEPP (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública de Marabá) e eles e muitos outros colegas teriam ficado constrangidos em não seguir.

Por outro lado, procurada pelo Correio de Carajás nesta segunda-feira, a coordenadora do Sintepp em Marabá, Joyce Rebelo, negou que a entidade tenha influenciado os diretores para tomar essa medida. Todavia, disse que os alunos não vão desfilar só porque é tradição, ressaltando que o evento é, também, uma homenagem às autoridades que estão no palanque e a categoria está ressentida com isso.

Leia mais:

“A gente vem tentando diálogo com o prefeito Tião Miranda, encaminhamos ofício solicitando reunião na quinta para discutir uma emenda e não tivemos resposta. Essa perda na Câmara pode ser revertida, basta o prefeito querer, basta ele enviar um projeto. O gestor fez isso de forma totalmente arbitrária porque o projeto tramitou nas comissões, mas houve aceleração do PCCR dentro da Casa. Tínhamos 18 pontos e operamos 9 com alguns vereadores que ajudaram. E só conseguimos isso porque fomos lá para dentro da Câmara”.

Segundo Joyce, o descaso das escolas para com o desfile é um reflexo do processo do que aconteceu. “Não houve interferência do Sintepp, não fizemos nenhum tipo de nota ou documento, é só olhar nosso site. Os próprios trabalhadores estão enviando ofício para a Semed informando que não vão desfilar”.

Ainda de acordo com a sindicalista, a decisão dos diretores é importante porque reflete a consciência política da própria categoria. “É muito fácil retirar os direitos do trabalhador e agora querer que ocorra participação em desfile. A gente apoia a autonomia da decisão destes trabalhadores”, disse.

O secretário Luciano Dias disse que a Semed disponibilizou toda a logística necessária para que o desfile seja realizado. “O País vive um momento de crise de identidade em razão de problemas políticos. Licitamos tudo que era necessário para que acontecesse o desfile. Desde junho informamos às escolas para que se manifestassem sobre quem iria desfilar, porque é impossível que todas fossem à avenida, mas estranhamente apenas uma delas se dispôs”.

Segundo ele, a Semed recebeu informação de que alguns diretores e professores não estavam motivados a ir ao 7 de Setembro. Lamentavelmente, segundo Luciano, essas escolas não abriram diálogo com estudantes para saber se eles gostariam ou não de desfilar.

Na última semana de inscrição, apenas a Felipa Serrão decidiu desfilar e se inscreveu. “Percebe-se claramente que há motivação em que as escolas não participem e o desfile não é para homenagear autoridades no palanque. Não é nem nunca foi. O que se reverencia são a bandeira e a Pátria. Autoridades são passageiras, o País não”.

Ele reiterou que a Semed está preparada para dar suporte a todas as escolas que forem desfilar, mas infelizmente há negativa dos profissionais em atuar no desfile cívico. “Ensinar a obediência às instituições também faz parte do processo educacional”, pondera o secretário, dizendo que todo o processo educacional é voltado ao aluno e não professor.

Ainda segundo Luciano Dias, a sociedade, de um modo em geral, precisa entender que o governo está disposto a promover o desfile – e vai fazer isso – “diferente da história recente em que a gestão se negou a realizar o desfile”.

O prefeito Tião Miranda também se posicionou durante a inauguração da Escola Josineide Tavares na última sexta-feira e lembrou que todo brasileiro tem de parar pelo menos um dia no ano para relembrar como o País se libertou do peso de Portugal, do qual era colônia. “Em 7 de Setembro de 1822 o Brasil se tornou independente e precisamos celebrar isso em todas as gerações. O brasileiro tem de entender que só ele tem capacidade de resolver os problemas do Brasil e desfilar é para comemorar e resgatar esse patriotismo”, sustentou.

A Semed informou que o tema do desfile deste ano é “Educação: Ação Colaborativa, Responsabilidade Social e Sustentabilidade”. Na tarde de hoje, segunda-feira, 14, a diretoria da Secretaria de Educação realizou reunião com as instituições e escolas que irão participar da programação, que será realizada na Avenida Antônio Maia. (Luciana Marschall)

Todos os anos, cerca de 40 escolas participam do desfile de 7 de Setembro em Marabá, em celebração à Independência do Brasil. Em 2017, contundo, há um protesto velado em forma de boicote ao evento e apenas uma delas resolveu participar da programação organizada pela SEMED (Secretaria Municipal de Educação). Apenas a Escola Felipa Serrão, do município, vai levar alunos para desfilar. Pelo Estado, a Plinio Pinheiro, na Marabá Pioneira, vai ao desfile. Entre as particulares, a representante será a Branca de Neve.

Segundo levantou a Reportagem, a grande maioria de diretores e professores definiu, em um grupo de Whatsapp, que não irá participar do desfile. Pelo menos dois diretores consultados pelo Portal (pediram para não ter seus nomes divulgados) confirmaram a informação e disseram que a orientação teria partido da coordenação do SINTEPP (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública de Marabá) e eles e muitos outros colegas teriam ficado constrangidos em não seguir.

Por outro lado, procurada pelo Correio de Carajás nesta segunda-feira, a coordenadora do Sintepp em Marabá, Joyce Rebelo, negou que a entidade tenha influenciado os diretores para tomar essa medida. Todavia, disse que os alunos não vão desfilar só porque é tradição, ressaltando que o evento é, também, uma homenagem às autoridades que estão no palanque e a categoria está ressentida com isso.

“A gente vem tentando diálogo com o prefeito Tião Miranda, encaminhamos ofício solicitando reunião na quinta para discutir uma emenda e não tivemos resposta. Essa perda na Câmara pode ser revertida, basta o prefeito querer, basta ele enviar um projeto. O gestor fez isso de forma totalmente arbitrária porque o projeto tramitou nas comissões, mas houve aceleração do PCCR dentro da Casa. Tínhamos 18 pontos e operamos 9 com alguns vereadores que ajudaram. E só conseguimos isso porque fomos lá para dentro da Câmara”.

Segundo Joyce, o descaso das escolas para com o desfile é um reflexo do processo do que aconteceu. “Não houve interferência do Sintepp, não fizemos nenhum tipo de nota ou documento, é só olhar nosso site. Os próprios trabalhadores estão enviando ofício para a Semed informando que não vão desfilar”.

Ainda de acordo com a sindicalista, a decisão dos diretores é importante porque reflete a consciência política da própria categoria. “É muito fácil retirar os direitos do trabalhador e agora querer que ocorra participação em desfile. A gente apoia a autonomia da decisão destes trabalhadores”, disse.

O secretário Luciano Dias disse que a Semed disponibilizou toda a logística necessária para que o desfile seja realizado. “O País vive um momento de crise de identidade em razão de problemas políticos. Licitamos tudo que era necessário para que acontecesse o desfile. Desde junho informamos às escolas para que se manifestassem sobre quem iria desfilar, porque é impossível que todas fossem à avenida, mas estranhamente apenas uma delas se dispôs”.

Segundo ele, a Semed recebeu informação de que alguns diretores e professores não estavam motivados a ir ao 7 de Setembro. Lamentavelmente, segundo Luciano, essas escolas não abriram diálogo com estudantes para saber se eles gostariam ou não de desfilar.

Na última semana de inscrição, apenas a Felipa Serrão decidiu desfilar e se inscreveu. “Percebe-se claramente que há motivação em que as escolas não participem e o desfile não é para homenagear autoridades no palanque. Não é nem nunca foi. O que se reverencia são a bandeira e a Pátria. Autoridades são passageiras, o País não”.

Ele reiterou que a Semed está preparada para dar suporte a todas as escolas que forem desfilar, mas infelizmente há negativa dos profissionais em atuar no desfile cívico. “Ensinar a obediência às instituições também faz parte do processo educacional”, pondera o secretário, dizendo que todo o processo educacional é voltado ao aluno e não professor.

Ainda segundo Luciano Dias, a sociedade, de um modo em geral, precisa entender que o governo está disposto a promover o desfile – e vai fazer isso – “diferente da história recente em que a gestão se negou a realizar o desfile”.

O prefeito Tião Miranda também se posicionou durante a inauguração da Escola Josineide Tavares na última sexta-feira e lembrou que todo brasileiro tem de parar pelo menos um dia no ano para relembrar como o País se libertou do peso de Portugal, do qual era colônia. “Em 7 de Setembro de 1822 o Brasil se tornou independente e precisamos celebrar isso em todas as gerações. O brasileiro tem de entender que só ele tem capacidade de resolver os problemas do Brasil e desfilar é para comemorar e resgatar esse patriotismo”, sustentou.

A Semed informou que o tema do desfile deste ano é “Educação: Ação Colaborativa, Responsabilidade Social e Sustentabilidade”. Na tarde de hoje, segunda-feira, 14, a diretoria da Secretaria de Educação realizou reunião com as instituições e escolas que irão participar da programação, que será realizada na Avenida Antônio Maia. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Inscrições para Programa de Estágio foram prorrogadas até dia 21

Inscrições para Programa de Estágio foram prorrogadas até dia 21

O Grupo Equatorial Energia prorrogou até esta quarta-feira, dia 21, as inscrições para o processo seletivo do seu Programa de…
Mulher é atacada por dois pitbulls em Conceição do Araguaia

Mulher é atacada por dois pitbulls em Conceição do Araguaia

Uma mulher foi atacada por dois cachorros da raça pitbull em Conceição do Araguaia, no sul do Estado. O fato…
Políticas públicas garantem defesa de direitos dos Povos Indígenas no Pará

Políticas públicas garantem defesa de direitos dos Povos Indígenas no Pará

O técnico agrícola Raimundo Delival é extensionista rural da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) há…
Média de mortes em 2020 não foi menor que em 2019

Média de mortes em 2020 não foi menor que em 2019

Postagem do cantor Roger Moreira no Twitter usa dados antigos e incompletos de mortes por covid-19 no Brasil. Print do…
Casa da Cultura lança oficina virtual e gratuita de grafismo indígena

Casa da Cultura lança oficina virtual e gratuita de grafismo indígena

No Dia do Índio é comum as crianças chegarem da escola com o rosto pintado e um cocar na cabeça.…
Pará atinge o segundo lugar no ranking nacional de vacinação contra Covid-19

Pará atinge o segundo lugar no ranking nacional de vacinação contra Covid-19

O Pará já é o segundo estado que mais aplicou doses de vacinas contra a Covid-19 entregues pelo governo federal,…