Correio de Carajás

Secretário de Saúde de Itupiranga é investigado por furar fila da vacina

Divulgação
Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

O secretário municipal de Saúde de Itupiranga, Wanderil de Jesus Ribeiro Lima, está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual sob acusação de ter tomado a vacina contra a covid-19 sem pertencer ao grupo prioritário, em detrimento de outras pessoas que deveriam ter sido imunizadas. Teria furado a fila. Mas ele negou, em nota oficial da Secretaria.

O caso foi investigado inicialmente pelo delegado Bruno Mesquita, que ocupava interinamente a delegacia municipal de Polícia Civil de Itupiranga. Ele colheu depoimento de testemunhas, inclusive de servidores da área da saúde e depois encaminhou o inquérito ao Ministério Público, que agora investiga o caso.

Em nota enviada a este CORREIO, na tarde da última sexta-feira (29), a Secretaria Municipal de Saúde de Itupiranga afirma que tem a obrigação de seguir a ordem de prioridades na vacinação e que “em nenhum momento houve ingerência de nossa parte em relação à distribuição, tão pouco (sic) com relação à escolha do público-alvo elegível para a aplicação da vacina”, é o que diz o documento assinado pelo próprio secretário Wanderil Lima, mas sem referência particularmente ao seu nome.

Leia mais:

Punições

De acordo com o governo do Pará, furar a fila – ou seja, ser vacinado quando não integra um dos grupos prioritários – pode ser configurado como crime de infração de medida sanitária e peculato, com a pena máxima prevista de 12 anos de reclusão.

Ainda de acordo com o governo do Pará, a pena será aumentada se o agente for funcionário da saúde pública como farmacêutico ou dentista. Em relação aos funcionários públicos que furarem a fila, eles deverão responder também por improbidade administrativa, diz o governo.

Nesta primeira fase do Plano Paraense de Vacinação contra o corona vírus, as doses são destinadas aos profissionais da saúde, pessoas com mais de 60 anos que vivem em lares de longa permanência (asilos) e indígenas aldeados. Quem não integrar qualquer desses grupos e tomar a vacina, estará furando a fila e, portanto, infringindo a lei. (Chagas Filho – Com informações da Agência Pará)

Comentários

Mais

Presidente do Incra exalta reforma agrária

Presidente do Incra exalta reforma agrária

Presidente do Incra exalta reforma agrária Em seu discurso no evento em Marabá, o presidente do Incra, Geraldo Melo Filho,…
Começa hoje a vacinação da  população sem prioridade

Começa hoje a vacinação da população sem prioridade

Um mutirão de dois dias vai marcar o momento tão esperado pelos marabaenses: o início da vacinação contra a covid-19…
Dose extra de vacina é insuficiente para imunizar a população

Dose extra de vacina é insuficiente para imunizar a população

A Secretaria Municipal de Saúde de Canaã dos Carajás recebeu do Governo do Estado 3.140 doses de vacina contra o…
Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

A administração pública de Parauapebas trabalha para resolver a situação dos indígenas venezuelanos da etnia Warao, que estão acampados há…
Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Logo após a execução do Hino Nacional, no Parque de Exposições, nesta sexta-feira, dia 18, o prefeito de Marabá, Tião…
Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

O Brasil estabeleceu um novo recorde nesta quinta-feira (17) ao aplicar 2.561.553 doses de vacinas contra a covid-19 em 24…