Correio de Carajás

Secretário de Saúde de Itupiranga é investigado por furar fila da vacina

Divulgação
Divulgação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O secretário municipal de Saúde de Itupiranga, Wanderil de Jesus Ribeiro Lima, está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual sob acusação de ter tomado a vacina contra a covid-19 sem pertencer ao grupo prioritário, em detrimento de outras pessoas que deveriam ter sido imunizadas. Teria furado a fila. Mas ele negou, em nota oficial da Secretaria.

O caso foi investigado inicialmente pelo delegado Bruno Mesquita, que ocupava interinamente a delegacia municipal de Polícia Civil de Itupiranga. Ele colheu depoimento de testemunhas, inclusive de servidores da área da saúde e depois encaminhou o inquérito ao Ministério Público, que agora investiga o caso.

Em nota enviada a este CORREIO, na tarde da última sexta-feira (29), a Secretaria Municipal de Saúde de Itupiranga afirma que tem a obrigação de seguir a ordem de prioridades na vacinação e que “em nenhum momento houve ingerência de nossa parte em relação à distribuição, tão pouco (sic) com relação à escolha do público-alvo elegível para a aplicação da vacina”, é o que diz o documento assinado pelo próprio secretário Wanderil Lima, mas sem referência particularmente ao seu nome.

Leia mais:

Punições

De acordo com o governo do Pará, furar a fila – ou seja, ser vacinado quando não integra um dos grupos prioritários – pode ser configurado como crime de infração de medida sanitária e peculato, com a pena máxima prevista de 12 anos de reclusão.

Ainda de acordo com o governo do Pará, a pena será aumentada se o agente for funcionário da saúde pública como farmacêutico ou dentista. Em relação aos funcionários públicos que furarem a fila, eles deverão responder também por improbidade administrativa, diz o governo.

Nesta primeira fase do Plano Paraense de Vacinação contra o corona vírus, as doses são destinadas aos profissionais da saúde, pessoas com mais de 60 anos que vivem em lares de longa permanência (asilos) e indígenas aldeados. Quem não integrar qualquer desses grupos e tomar a vacina, estará furando a fila e, portanto, infringindo a lei. (Chagas Filho – Com informações da Agência Pará)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…