Correio de Carajás

Renato Chaves sofre com equipamento quebrado, falta de carros e de peritos

IML - CPC Renato Chaves Marabá / Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Nas últimas 24 horas a câmara fria da unidade do Centro de Perícias Cientificas (CPC) Renato Chaves, onde funciona o Instituto Médico Legal (IML) de Marabá ficou desligada devido a um problema no equipamento. Segundo o diretor regional, Marcelo Salame, o defeito na “geladeira” foi detectado por volta das 14 horas da última quarta-feira (18), porém o conserto só foi providenciado no início da tarde desta quinta (19).

“Fomos pegos de surpresa com essa notícia de que a ‘geladeira’ não estava funcionando e imediatamente repassamos a informação para Belém, que tomou as providências. Mas infelizmente em Marabá não tem técnico para atender essa demanda, por isso precisamos aguardar um profissional que veio da capital”, informou.

A unidade do IML passa ainda por problemas com a frota de veículos, o que tem prejudicado a realização de serviços. O carro de remoção, por exemplo, vem apresentando problemas mecânicos recorrentes há cerca de 30 dias, com isso as funerárias é que estão realizando o serviço e dando o suporte ao órgão.

Leia mais:

“A gente solicitou que fossem enviados dois veículos para Marabá, mas não sabemos se o pedido será atendido. Acredito que pelo menos um carro deve ser enviado. Quando a gente não pode fazer a remoção, daí pedimos apoio das funerárias. A maioria das pessoas tem plano e já acerta diretamente com as funerárias, mas não é a intenção do IML ficar com essa situação com muito tempo”, disse.

Além disso, outra situação tem afetado o fluxo de atendimento no IML de Marabá. Há falta de perito para trabalhar com análise de equipamentos eletrônicos, como por exemplo, celulares e computadores apreendidos pela polícia. “Realmente é um problema no setor de informática porque só temos um perito. Tem aí um concurso em andamento e a gente vai ter que aguardar, não tem outro jeito. Mas a previsão é que no final de 2020 já tenha mais dois peritos trabalhando nesse setor em Marabá”, finalizou. (Fabiane Barbosa e Zeus Bandeira)

Comentários

Mais

Indígenas usam tecnologias para manter língua e cultura vivas

Indígenas usam tecnologias para manter língua e cultura vivas

O xokleng é uma língua falada apenas por uma comunidade indígena no Vale do Alto Itajaí, na região central de…
Divisa interdita empresa que envasava oxigênio de forma irregular em Marabá

Divisa interdita empresa que envasava oxigênio de forma irregular em Marabá

A Divisa (Divisão de Vigilância Sanitária) de Marabá recebeu denúncia anônima de suposto envasamento inapropriado de gás oxigênio para fins…
Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa

Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa

Em isolamento social, as pessoas tendem a sentir falta de sair e do contato com a natureza, por isso, ter…
Mundo chega a 3 milhões de mortes por Covid com piora da pandemia na América do Sul

Mundo chega a 3 milhões de mortes por Covid com piora da pandemia na América do Sul

O mundo chegou neste sábado (17) à triste marca de 3 milhões de mortes causadas pela Covid-19, em meio à…
Pará gera mais de 3 mil postos formais de trabalho no setor de serviços

Pará gera mais de 3 mil postos formais de trabalho no setor de serviços

“Eu atuo no ramo de eventos, sou segurança, e em meio à pandemia o nosso trabalho parou. Atualmente, a banda…
Novo estudo descarta elo entre tipo sanguíneo e a incidência de Covid

Novo estudo descarta elo entre tipo sanguíneo e a incidência de Covid

Uma investigação feita com mais de 100 mil pessoas nos Estados Unidos demonstrou que não há relação entre o tipo sanguíneo…