Correio de Carajás

Portadores de fibromialgia cobram aplicação da lei municipal

NA CÂMARA MUNICIPAL

Parte do grupo reunido ontem com vereadores da Comissão de Saúde/ Fotos: Divulgação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Segundo o grupo local, os direitos garantidos na legislação aprovada em 2020 ainda não são aplicados em sua totalidade

Na manhã desta segunda-feira (4) um grupo de dez pessoas foi até a Câmara de Marabá para reivindicar a efetiva aplicação em Marabá das garantias da Lei Municipal nº 17.966, de 26 de março de 2020, a qual concede uma série de prerrogativas a quem sofre com a síndrome. A mesma lei criou no âmbito do Município o Dia da Fibromialgia.

A legislação obriga as instituições e autarquias públicas, assim como empresas do setor privado a disponibilizarem, durante todo seu expediente, o atendimento prioritário aos fibromiálgicos, além daqueles que recebem pagamentos de contas e bancos.

A reunião, inicialmente marcada para acontecer com o vereador Beto Miranda (PSD), presidente da Comissão de Saúde, foi desmarcada pelo próprio parlamentar e não foi comunicada ao grupo. Mesmo assim, a viagem não foi perdida pois outros dois membros da comissão, Ray Athie (PSD) e Pastor Ronisteu (PTB) conversaram com os pacientes na sala das comissões.

Leia mais:

Uma das importantes garantias da lei está na prioridade em vagas preferenciais em estacionamentos, por meio de adesivo ou cartão, que devem ser emitidos pela Prefeitura Municipal de Marabá, após a devida comprovação médica.

Esse, aliás, é um dos grandes motivos que o Grupo de Apoio aos Fibromiálgicos de Marabá (Gafim) decidir se reunir com os parlamentares. “Temos direito a filas prioritárias, assim como os idosos, gestantes, puérperas e autistas. Mas é preciso que a gente tenha uma identificação, precisamos de uma carteirinha, e está instituída na lei a confecção delas. Há mais de um ano estamos aguardando da Secretária Municipal de Saúde essas carteirinhas e até agora nada”, conta Caroline Tremblay, uma das integrantes do movimento.

Para o Correio de Carajás, ela informou que a previsão era para setembro de uma licitação para a confecção das carteirinhas. A licitação até saiu, mas ela afirma que na mesma semana foram informados de que havia sido cancelada.

“A pessoa responsável por esse assunto na secretaria não nos atendeu e nem nos respondeu mais. Então decidimos vir direto à Câmara para que pudéssemos conversar com os vereadores, explicar nossa situação e solicitar que eles façam essas cobranças junto ao poder Executivo”, destaca.

TRATAMENTO PARADO

Outro fator agravante que atinge diretamente os fibromiálgicos é que o tratamento ofertado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Sem reumatologistas há pelo menos 5 meses nas unidades públicas, o tratamento para os pacientes está totalmente parado na cidade.

“Os vereadores falaram que a SMS repassou a informação que não está tendo reumatologista porque os médicos que tem em Marabá não estão aceitando o contrato estabelecido. O pagamento é muito abaixo do piso salarial e a demanda é muito grande. Isso está prejudicando o tratamento de muita gente”, lamenta Caroline.

Ao final do encontro, o grupo conversou com a vereadora Cristina Mutran (MDB), esta também médica, e ela garantiu que irá fazer um pedido da tribuna para que durante a sessão eles possam explicar o que está acontecendo e para que as pessoas conheçam o que se passa com um portador da síndrome de fibromialgia.

Aqui, a comitiva com a vereadora Cristina Mutran que prometeu apoio

DOENÇA

Se manifestando com dor no corpo todo, principalmente na musculatura, a fibromialgia é uma síndrome clínica. Junto com a dor, ela trás sintomas de fadiga (cansaço), sono não reparador (a pessoa acorda cansada) e outros sintomas, como alterações de memória e atenção, ansiedade, depressão e alterações intestinais.

Uma das características que também podem ser percebidas é a grande sensibilidade ao toque e à compressão da musculatura pelo examinador ou por outras pessoas.

De cada 10 pacientes com fibromialgia, sete a nove são mulheres. Não se sabe a razão porque isto acontece. Não parece haver uma relação com hormônios, pois a fibromialgia afeta as mulheres tanto antes quanto depois da menopausa. Talvez os critérios utilizados hoje no diagnóstico da FM tendam a incluir mais mulheres.  A idade de aparecimento da fibromialgia é geralmente entre os 30 e 60 anos. Porém, existem casos em pessoas mais velhas e também em crianças e adolescentes.

O diagnóstico da fibromialgia é clínico, isto é, não se necessitam de exames para comprovar que ela está presente. Se o médico fizer uma boa entrevista clínica, pode fazer o diagnóstico de fibromialgia na primeira consulta e descartar outros problemas. (Ana Mangas)

Comentários

Mais

Barbados se torna república e declara Rihanna heroína nacional

Barbados se torna república e declara Rihanna heroína nacional

Barbados se tornou oficialmente uma república na segunda-feira (29) à noite, em uma cerimônia na qual a rainha Elizabeth II deixou de ser…
Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL

Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL

O presidente Jair Bolsonaro se filiou hoje (30) ao Partido Liberal (PL). O ato de assinatura da ficha de filiação…
Governo pede devolução de auxílio emergencial recebido indevidamente

Governo pede devolução de auxílio emergencial recebido indevidamente

O Ministério da Cidadania envia até esta terça-feira (30) mensagens de celular (SMS) orientando a devolução voluntária de recursos recebidos…
Ministério lança campanha de combate ao mosquito da dengue

Ministério lança campanha de combate ao mosquito da dengue

O Ministério da Saúde lançou hoje (30) a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika e…
Congresso vota na segunda-feira regras de transparência nas emendas

Congresso vota na segunda-feira regras de transparência nas emendas

O Congresso Nacional analisa na próxima segunda-feira (29) o Projeto de Resolução nº 4/2021, que cria regras para a destinação de…
Alepa aprova novo mínimo de investimentos para PPP’s

Alepa aprova novo mínimo de investimentos para PPP’s

Os parlamentares aprovaram no dia 23 três Projetos de Lei do executivo estadual. O Projeto de Lei Complementar cria a…