Correio de Carajás

O tempo do smartphone é fascinante para todos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

“Admiro quem diz saber escolher pei-bufo, quem declara não ter angústia, os que ignoram dilemas… Os resolvidos. Mas também desconfio de suas horas solitárias, de seus desencontros, decepções e de seus abismos particulares…”

 

Acho que estou me transformando, sem perceber, em acumulador. Daqueles que a gente assiste na TV, que guarda em casa mil coisas que não servirão para nada e a gente tem pena de jogar fora.

Leia mais:

É assim… acumulo e-mails que julgo importantes e, já já (me engano), digo que vou lê-los. Não rebolo no monturo virtual e, todos os dias, me angustio com a tela do computador que me avisa sobre os mais de não sei quantos mil e tantos não lidos e que vão ficando para trás.

E, mais ainda…, não sei quantos grupos de WhatsApp e aquele barulhinho enervante de chegadas e partidas de mensagens a cada fração de minuto…

Ir no carro, dirigindo, e ter a tentação de olhar se alguém entrou em contato com você…

Ter, no meio do trânsito, o ímpeto imprudente de digitar respostas ou enviar novas mensagens, escritas ou em forma de áudio.

Deitar-se e, antes de orar, transar ou desejar bom sono, se grudar ao tablet ou smartphone e esquecer de quem está ao lado, de você mesmo e até da televisão que grita uma solidão, mesmo quando o jogo que está passando ali seja do time preferido (no caso, o Mengão).

Antes, a TV era feito encontro de abelha com flor doce. Na sala, ninguém desgrudava dela e, um dia, a dependência a levaria ao quarto das intimidades… e para cada filho, uma.

Coitada, nunca imaginou que um dia seria menos.

Vivemos assim, angústia que vai e volta e transforma todo mundo em uma manada de ansiosos que quer consumir sempre mais e mais.

A impressão é que o tempo do celular expôs mais ainda o quanto se é esquizofrênico, carente e ansioso: homens, mulheres, moços e até infantes têm seus devaneios e mergulham na tela e esquecem-se dos que estão ao derredor.

E, mais ainda…, como a oferta de tudo passou a ser demais, o desespero bate e não conseguimos definir a primeira escolha. Medo de não ter tempo de experimentar a segunda, a terceira, a quarta… Ficar pra trás.

Oferta em abundância é bom, mas a novidade pode ser uma armadilha. Falsa sensação de perder tempo com o que é simples.

Daí não nos refestelarmos mais com o gosto bom e sofisticado que o baião-de-dois com ovo estrelado pode ter. Que o peixe assado na folha de bananeira o deixa mais suculento do que no forno, com aquele alumínio.

Admiro quem diz saber escolher pei-bufo, quem declara não ter angústia, os que ignoram dilemas… Os resolvidos.

Mas também desconfio de suas horas solitárias, de seus desencontros, decepções e de seus abismos particulares…

O tempo smartphone é deslumbrante e, à mesma hora, uma solitária e um pingo d´água a cair na testa.

São as velocidades, os dias ligeiros… o coletivo virtual e o encarceramento do “pobe vei” dependente. Dependente de ficar com celular na mão mesmo quando vai visitar um amigo ou quando entra no consultório e o diálogo com o médico começa.

Queremos sempre ser lembrados, receber mais notificações no PV do que em grupos. É a síndrome de Oscar Wilde: “Falem de mim; bem ou mal, mas falem…”

Li que se checa, em média, 40 vezes por dia o celular para ver se os outros lembraram de nós… Me iludo dizendo que não estou entre esses abestados.

E vou tendo minhas dependências prediletas…

* O autor é jornalista há 25 anos e escreve crônica na edição de quinta-feira

 

Ligação indireta entre Amapá e Cabelo Seco

Ligação indireta entre Amapá e Cabelo Seco

“Outro bairro que faz parte das minhas memórias afetivas da infância é o Amapá. Não o Amapá dos ricos, aquele…
Galvão sai da “casinha”

Galvão sai da “casinha”

Meu amigo João Galvão, técnico do Águia, quebrou o silêncio e resolveu responder as críticas que lhe têm sido feitas…

Morte Súbita

Morte súbita cardíaca é uma emergência médica séria que põe em risco a vida. Durante uma parada cardíaca súbita, o…
Na pandemia, vivemos um Dia da Marmota em looping

Na pandemia, vivemos um Dia da Marmota em looping

Mexia na estante digital em procura sabe-se lá de quê, quando parei numa foto da entrega do diploma de conclusão…

A urgência da violência e nossa superficialidade

Acordei-me às 6 horas da manhã e, ao vasculhar a caixa de pandora na palma de minha mão, meus olhos…

Ingestão de corpo estranho

      O atendimento ao paciente que procura um serviço de pronto-socorro com história de ingestão de corpo estranho, evento aparentemente…