Queimadas na Amazônia - Foto aérea mostra fumaça em trecho de 2 km de extensão de floresta, a 65 km de Porto Velho, em Rondônia, em 23 de agosto de 2019 — Foto: Carl de Souza/AFP
Queimadas na Amazônia - Foto aérea mostra fumaça em trecho de 2 km de extensão de floresta, a 65 km de Porto Velho, em Rondônia, em 23 de agosto de 2019 — Foto: Carl de Souza/AFP
Ads

A agência espacial americana (Nasa)disse que 2019 é o pior ano de queimadas na Amazônia brasileira desde 2010. Segundo texto publicado na noite desta sexta-feira (23) e divulgado em sua conta no Twitter, é “perceptível o aumento de focos de queimadas grandes, intensas e persistentes ao longo das principais rodovias no centro da Amazônia do Brasil”.

Ads

“Os satélites são frequentemente os primeiros a detectar os incêndios em regiões remotas da Amazônia”, disse Douglas Morton, diretor do Laboratório de Ciências Biosféricas do Goddard Space Flight Center, da Nasa.

Segundo os cientistas, a atividade das queimadas na floresta brasileira “varia consideravelmente de ano para ano e de mês para mês”, influenciada pelas mudanças econômicas e climáticas.

No entanto, a agência espacial explica em seu post no blog “Earth Observatory” que “apesar de a seca ter desempenhado um papel importante na intensificação dos incêndios em outras ocasiões, o momento e a localização das queimadas detectadas no início da estação mais seca de 2019 estão mais ligados ao desmatamento do que à seca regional”.

Considerando a região da Amazônia brasileira, a Nasa diz que em 2019 as detecções de focos ativos de queimadas são as maiores em comparação com qualquer ano desde 2010. “O estado do Amazonas está caminhando para uma atividade recorde de queimadas em 2019”.

Morton ressaltou, ainda, que as estatísticas distribuídas pela Nasa estão condizentes com os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). “O Inpe também usa dados de focos ativos registrados pelos sensores Modis da Nasa para monitorar a atividade de queimadas na Amazônia brasileira”, disse ele.

“Como resultado, a Nasa e o Inpe têm as mesmas estimativas de mudanças nas atividades recentes de queimadas. As detecções do Modis são mais altas em 2019 do que no mesmo período de qualquer ano em todos os sete estados que compreendem a Amazônia brasileira.”

Focos de queimadas detectados pelos sensores Modis da Nasa entre 15 e 22 de agosto de 2019 — Foto: Nasa
Focos de queimadas detectados pelos sensores Modis da Nasa entre 15 e 22 de agosto de 2019 — Foto: Nasa

O mapa divulgado nesta sexta (veja acima) mostra os focos de queimadas detectados pelos satélites Terra e Aqua, e apresentados em laranja. Os pontos em branco são cidades, os pontos cinzas representam o Cerrado, e as florestas são as áreas em preto.

“Nota-se que as detecções de queimadas nos estados brasileiros do Pará e do Amazonas se concentram em faixas ao longo das rodovias BR-163 e BR-230”, diz a Nasa.

Imagem de satélite registrada na segunda-feira (19) e divulgada nesta sexta (23) pela Nasa mostra foco de queimada em Novo Progresso (PA) — Foto: Nasa
Imagem de satélite registrada na segunda-feira (19) e divulgada nesta sexta (23) pela Nasa mostra foco de queimada em Novo Progresso (PA) — Foto: Nasa

A Nasa também afirmou que foi possível localizar focos de incêndio próximos de rodovias brasileiras e perto de cidades. A agência divulgou uma imagem de satélite (imagem acima) que mostra o município de Novo Progresso, no Pará. “O município está localizado ao longo da BR-163, uma rodovia que corta o Norte ao Sul e conecta fazendeiros do sul da Amazônia com um porto com acesso ao oceano no Rio Santarém, na Amazônia”, explicou a agência.

“Pastos e terra cultivada estão aglomerados em torno da rodovia em pedaços de terra retangulares e ordenados”, continuou o texto. “Ao oeste da rodovia, estradas sinuosas conectam uma série de minas de pequena escala que se estendem floresta adentro.”

Como a Nasa mede as queimadas?

  • Desde 2002, a ferramenta principal de detecção da Nasa são os instrumentos do Modis, o Espectroradiômetro de Resolução Moderada de Imagens. Trata-se de um equipamento capaz de medir o comprimento e a onda de luz instalado nos satélites Terra e Aqua;
  • Desde 2003, esses sensores fazem observações diárias ao redor do planeta de anomalias térmicas, que geralmente representam incêndios;
  • Esses dados são processados e representados em um mapa de detecção pelo Firms, o Sistema de Informação sobre Incêndios para a Gestão de Recursos, criado por um programa de ciências aplicadas da Nasa em parceria com a Universidade de Maryland;
  • Segundo a Nasa, o sistema Firms oferece informação quase em tempo real para pesquisadores e gestores de recursos naturais.

Dados do Inpe

O aumento no número de focos de queimada no Brasil provocou reações internacionais e protestos contra a política ambiental do governo federal. Na manhã desta sexta-feira (23), o presidente Jair Bolsonaro disse que a “tendência” é que o governo federal envie as Forças Armadas para combater os incêndios na região amazônica.

(Fonte:G1)

Ads