Ads

O desentendimento entre um casal foi parar na 20ª Seccional Urbana de Parauapebas, na madrugada desta sexta-feira, 2. Imagens mostram o momento que Gecilene Matos Silva, de 26 anos, e o companheiro dela, Valdelir Batista dos Santos, chegam na delegacia, algemados um ao outro, e a mulher o agride com um tapa no rosto.

Ads

De acordo com o cabo Antônio Marcos, da Polícia Militar, por volta de 4h30 sua guarnição foi informada pelo Centro de Controle de Operações (CCO) que uma mulher ligou informando que tinha sido agredida pelo companheiro em um bar no Bairro da Paz. A guarnição seguiu para o local e encontrou a mulher, que apresentava sinais se embriaguez alcoólica, do lado de fora.

Ela contou ter sido agredida pelo companheiro, que estava dentro do bar. O cabo detalha que ele e outro colega entraram e encontraram o acusado, que também apresentava sinais de embriaguez e o detiveram. Ainda de acordo com policial, seguranças do estabelecimento informaram que a mulher era quem tinha chegado ao local e agredido o homem com uma garrafa e também um soco no nariz.

Como ela estaria bastante transtornada, foi retirada do bar. O policial relata que o homem foi conduzido para a viatura e a mulher também foi convidada a acompanhar, para que os dois se explicassem na delegacia.

Chegando na Seccional ela teria saído da viatura e dado um soco no nariz de Valdelir, causando sangramento.  Para tentar contê-la, Gecilene foi algemada, ao companheiro. Do lado de dentro, quando a situação já estava sendo filmada, deu um tapa na cara dele e seguiu com as agressões, batendo na cabeça do homem com o celular.

Segundo o policial, como a mulher seguia bastante alterada, foi colocada em uma cela, mas depois de ouvida foi liberada. Em depoimento, Valdelir contou que estava há 10 dias separado de Gecilene.

Ele detalhou que estava no bar, bebendo com amigos, quando ela chegou e já foi agredindo-o. Devido à confusão, os seguranças do bar a colocaram para fora.

O delegado Nelson Júnior, que atendeu à ocorrência, autuou o homem na Lei Maria da Penha e ele deve passar ainda hoje por audiência de custódia. O advogado dele, Arivaldo Aires da Rocha, ia tentar reverter o caso, apresentando provas que o cliente é que foi agredido pela mulher.

“Os tapas e murros que ele levou aparentemente fraturaram o nariz dele. Tem imagens dele sendo agredido, provando que não foi ele o agressor, mas a vítima”, diz o advogado. (Tina Santos – com informações de Ronaldo Modesto)

Ads