Correio de Carajás

MST nega autoria de destruição da Fazenda Mutamba

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Em nota enviada ao Portal Correio de Carajás, a Coordenação Estadual do MST-PA, nega que seus filiados tenham destruído a sede da Fazenda Mutamba, no último final de semana. Segue nota, na íntegra:

Hoje 25 de julho de 2017 – Dia do Trabalhador Rural e da Jornada Nacional de lutas pela terra e pela Reforma Agrária, contra a corrupção e o governo golpista de Temer -, O MST Pará vem a público reiterar mais uma vez que NÃO É RESPONSÁVEL pelas ocupações realizadas na Fazenda Mutamba (em Marabá) e Fazenda Tamanduá (em Senador José Porfírio).

O MST tem um método claro de fazer a luta pela terra e pela reforma agrária. Se pauta pelo processo de organização dos trabalhadores/as rurais sem terra, pela ocupação e pelo diálogo com os governos para fazer valer uma verdadeira política de reforma agrária popular neste país. O governo federal e estadual tem conhecimento das áreas que estão vinculadas ao MST no Pará, pelo fato de que uma de nossas primeiras ações após o ato de ocupar determinado latifúndio é COMUNICAR AO ESTADO/GOVERNOS da existência daquele acampamento.

Leia mais:

Diante da insistência por parte de determinados setores, em vincular na mídia regional a RESPONSABILIDADE DO MST nessas ocupações e a não divulgação da nossa versão sobre os fatos ocorridos, chegamos à conclusão que há uma decisão deliberada em criminalizar o MST e suas famílias, como vêm ocorrendo nessa conjuntura de golpe contra os trabalhadores. A nossa pergunta qual a finalidade em querer associar-nos com essas ações que mais se caracterizam em práticas de vandalismo?

O MST faz ocupações porque defende a liberdade da terra, a produção de alimentos saudáveis e as garantias de direitos fundamentais das famílias de trabalhadores/as rurais sem terra a ter acesso à educação, a saúde, a segurança e ao bem estar social. Quem vai a um acampamento do MST vê materializado esses princípios que compõem o ideário político e organizativo do nosso movimento.

Por isso que encerramos essa nota de esclarecimento, afirmando nosso compromisso de seguir organizando os trabalhadores/as rurais para defender a liberdade da terra e vida digna para aqueles/as que necessitam!

Nossos instrumentos de trabalho e nossa bandeira acompanharão aqueles/as que acreditam no método do MST que é a organização e o diálogo com o Estado e a sociedade em geral para fazer valer seus objetivos de ter terra e reforma agrária!

Em nota enviada ao Portal Correio de Carajás, a Coordenação Estadual do MST-PA, nega que seus filiados tenham destruído a sede da Fazenda Mutamba, no último final de semana. Segue nota, na íntegra:

Hoje 25 de julho de 2017 – Dia do Trabalhador Rural e da Jornada Nacional de lutas pela terra e pela Reforma Agrária, contra a corrupção e o governo golpista de Temer -, O MST Pará vem a público reiterar mais uma vez que NÃO É RESPONSÁVEL pelas ocupações realizadas na Fazenda Mutamba (em Marabá) e Fazenda Tamanduá (em Senador José Porfírio).

O MST tem um método claro de fazer a luta pela terra e pela reforma agrária. Se pauta pelo processo de organização dos trabalhadores/as rurais sem terra, pela ocupação e pelo diálogo com os governos para fazer valer uma verdadeira política de reforma agrária popular neste país. O governo federal e estadual tem conhecimento das áreas que estão vinculadas ao MST no Pará, pelo fato de que uma de nossas primeiras ações após o ato de ocupar determinado latifúndio é COMUNICAR AO ESTADO/GOVERNOS da existência daquele acampamento.

Diante da insistência por parte de determinados setores, em vincular na mídia regional a RESPONSABILIDADE DO MST nessas ocupações e a não divulgação da nossa versão sobre os fatos ocorridos, chegamos à conclusão que há uma decisão deliberada em criminalizar o MST e suas famílias, como vêm ocorrendo nessa conjuntura de golpe contra os trabalhadores. A nossa pergunta qual a finalidade em querer associar-nos com essas ações que mais se caracterizam em práticas de vandalismo?

O MST faz ocupações porque defende a liberdade da terra, a produção de alimentos saudáveis e as garantias de direitos fundamentais das famílias de trabalhadores/as rurais sem terra a ter acesso à educação, a saúde, a segurança e ao bem estar social. Quem vai a um acampamento do MST vê materializado esses princípios que compõem o ideário político e organizativo do nosso movimento.

Por isso que encerramos essa nota de esclarecimento, afirmando nosso compromisso de seguir organizando os trabalhadores/as rurais para defender a liberdade da terra e vida digna para aqueles/as que necessitam!

Nossos instrumentos de trabalho e nossa bandeira acompanharão aqueles/as que acreditam no método do MST que é a organização e o diálogo com o Estado e a sociedade em geral para fazer valer seus objetivos de ter terra e reforma agrária!

Comentários

Mais

MPs recomendam proteção de indígenas contra covid-19 no sudeste do PA

MPs recomendam proteção de indígenas contra covid-19 no sudeste do PA

Em recomendações conjuntas, o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) requisitaram uma série…
A arte pra “rir, chorar e refletir” de Mandie Gil

A arte pra “rir, chorar e refletir” de Mandie Gil

Artes, maquiagens, receitas, discussões político-sociais, tutoriais, dicas, gatos…. tem um pouco de muito no perfil de Amanda Gil Cardoso de…
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

O salário mínimo em 2022 será de R$ 1.147 e não terá aumento acima da inflação, anunciou o Ministério da…
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

A Petrobras anunciou hoje (15) aumentos de R$ 0,10 (3,7%) no preço do diesel e de R$ 0,05 (1,9%) no…
Linha Verde lança campanha “Abril Laranja”

Linha Verde lança campanha “Abril Laranja”

O programa Linha Verde aderiu à campanha “Abril Laranja”, que possui como objetivo conscientizar a população e prevenir o crime…
Sespa reforça necessidade de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19

Sespa reforça necessidade de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19

Para que a proteção à Covid-19 proporcionada pelas vacinas funcione como o previsto é necessário tomar as duas doses, tanto…