Correio de Carajás

Movimento ocupa escola à espera de auxílio da Prefeitura de Parauapebas

Mais de 600 famílias ainda clamam por auxílio habitacional da PMP (imagem: Ronaldo Modesto)

SEM RESPOSTA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Cerca de 600 famílias, retiradas de área do Cidade Jardim, agora estão em escola do mesmo bairro

Após uma reintegração de posse, realizada na última quinta-feira (23) em área próxima a nona fase de implantação do projeto Cidade Jardim, mais de 600 famílias do Movimento Dignidade Para Morar foram colocadas, novamente, em situação crítica. Agora, sem ter onde morar, eles ocupam escola municipal, também no bairro Cidade Jardim, à espera de uma resposta da Prefeitura de Parauapebas, que permanece de olhos fechados.

Idosos, adultos e crianças se abrigam no que restou de barracos após chuvas do fim de semana (Imagem: Ronaldo Modesto)

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Marcelo Rimé Vitalino está com as atividades paralisadas, uma vez que a volta às aulas presenciais está prevista para a próxima segunda-feira, 4 de outubro. Em meio à turbulenta reintegração de posse, realizada por um batalhão da Tropa de Choque da Polícia Militar, de Belém, e um final de semana chuvoso, o movimento viu na escola vazia a única possibilidade de não ficar ao léu mais uma vez.

A cozinheira Silvania Morais conversou com o Portal Correio de Carajás sobre a situação. Ela faz parte das 600 famílias que ainda esperam uma resposta do prefeito de Capital do Minério, e relata que a ideia de ocupar a EMEF Marcelo Rimé Vitalino surgiu depois que, na sexta-feira (24), uma chuva torrencial destruiu as já precárias barracas remanescentes no entorno da área em que o Dignidade Parar Morar estava ocupando.

Leia mais:
Silvania Morais relata como ocorreu a ocupação da Escola Marcelo Rimé Vitalino (Imagem: Ronaldo Modesto)

“A chuva não cessava, até que um ônibus, vindo de um desconhecido que resolveu nos ajudar, nos auxiliou a ir até outro local. O primeiro lugar aberto foi esse galpão, onde a diretora nos recebeu muito bem, fazendo acordos que estamos cumprindo ao máximo. Quem perdeu tudo na chuva vai ficar por aqui até o prefeito ter dó de nós e fazer algo por esse povo” diz Silvania, pontuando mais uma vez a omissão da administração pública para com o movimento.

Silvania afirmou que nenhuma representação da Prefeitura Municipal de Parauapebas (PMP) entrou em contato com o movimento, e que a única ajuda recebida foi da população do Cidade Jardim, que se compadeceu com a situação que as famílias vivem. “Eles estavam muito ocupados este final de semana fazendo churrasco de peixe”, ironizou a cozinheira, se referindo ao 1º Festival de Peixe de Parauapebas, realizado no domingo (26).

“NÃO TEMOS PRA ONDE IR”

Ainda em via pavimentada, porém sem residências, em local próximo ao que foi reintegrado pela administração pública na última quinta, permanecem mais algumas famílias, sem muito o que fazer diante da situação. “Estamos pedindo socorro ao prefeito. Só ele pode nos ajudar” afirma Poliana Oliveira, manicure e uma das remanescentes no entorno do ex-acampamento.

Poliana Oliveira clama, mais uma vez, pela ajuda do prefeito Darci Lermen (Imagem: Ronaldo Modesto)

Ao ser perguntada para onde foi o movimento após a reintegração, Poliana respondeu: “lugar nenhum, até porque não temos pra onde ir. A gente tá aqui porque precisa de um lugar pra viver. Mães de família, crianças, estamos todos esperando a ajuda do Darci. Venha até nós, prefeito; estamos prontos para recebê-lo de braços abertos e escutar o que você tem a nos oferecer, porque não estão fáceis os dias aqui”, conclama Poliana, em mensagem direta ao líder do Executivo de Parauapebas.

Com mais de 60 dias sem respostas da PMP, resta ao Movimento Dignidade Parar Morar esperar pela empatia de quem pode mudar sua realidade.

Em mais uma tentativa do Portal Correio de Carajás em receber explicações sobre o que será feito com o Movimento, foi solicitada nota oficial para a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, que, até a publicação desta notícia e, pela terceira vez seguida, (em relação a este mesmo assunto), não respondeu à solicitação. (Juliano Corrêa – com informações de Ronaldo Modesto)

Comentários

Mais

Mais 264.420 vacinas contra a Covid-19 chegam ao Pará

Mais 264.420 vacinas contra a Covid-19 chegam ao Pará

O Pará recebeu, na tarde desta terça-feira (19), no Aeroporto Internacional de Belém, 264.420 doses da vacina Pfizer. Foi a…
Instituto Miguel Chamon continua atendimentos mesmo com chuva

Instituto Miguel Chamon continua atendimentos mesmo com chuva

O segundo dia de atendimentos do Instituto Miguel Chamon no Complexo Altamira, atendendo os parauapebenses moradores dos bairros Novo Horizonte…
Estudo mostra eficácia da vacina da Pfizer em grupo de 12 a 18 anos

Estudo mostra eficácia da vacina da Pfizer em grupo de 12 a 18 anos

A vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech se mostrou 93% eficaz para evitar hospitalizações entre pessoas de 12 a 18…
Covid-19 deixou 12 mil órfãos de até 6 anos no país, mostram cartórios

Covid-19 deixou 12 mil órfãos de até 6 anos no país, mostram cartórios

Ao menos 12.211 crianças de até seis anos de idade no Brasil ficaram órfãs de um dos pais vítimas da…
Biomarcador consegue prever gravidade da covid-19, segundo estudo

Biomarcador consegue prever gravidade da covid-19, segundo estudo

Um biomarcador usado para medir o nível de saúde celular permite calcular com precisão a probabilidade de uma pessoa desenvolver…
Placa de gasolina a R$ 8,99 assusta em Parauapebas

Placa de gasolina a R$ 8,99 assusta em Parauapebas

Uma foto de uma placa em um posto de combustível, ainda sequer aberto na PA-160, em Parauapebas, circulou as redes…