Correio de Carajás

Ministério Público denuncia Samaritano por crime de feminicídio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A promotora Magdalena Torres Teixeira, titular da 1ª Promotoria de Justiça Criminal, ofereceu ontem, terça-feira (16), denúncia contra Diógenes dos Santos Samaritano, indiciado pela Polícia Civil pelo crime de feminicídio contra a companheira, Dayse Dyana Sousa e Silva, na presença do filho do casal, de apenas quatro anos, em Parauapebas.

Ele foi denunciado pelo crime de forma qualificada, por motivo fútil, impossibilidade de defesa da vítima e tentativa de asfixia. O caso foi registrado no último dia 31 de março, um domingo, e ainda no mesmo dia alcançou grande repercussão estadual, principalmente pela brutalidade contra a vítima, que chegou a ser arremessada de uma janela do segundo andar, na casa dos dois.

Conforme a investigação da Polícia Civil, utilizada pelo Ministério Público com base para a denúncia, Dayse Dyana foi espancada até desmaiar e depois arremessada. O companheiro dela, Diógenes Samaritano, que é agente de trânsito do Detran, havia sido condenado em fevereiro pelo crime de lesão corporal e ameaça cometido contra a mesma vítima 2016.

Leia mais:

Segundo o Ministério Público, na ocasião, ele teria quebrado o braço da mulher e provocado traumatismo craniano em decorrência de uma série de socos. Atualmente recolhido no Centro de Reclusão Coronel Anastácio das Neves (Cecran), em Santa Isabel do Pará, Samaritano responde, ainda, a outros processos por crimes contra a administração pública, dentre eles abuso de autoridade e concussão.

O MP destaca que todas as testemunhas ouvidas pela Polícia Civil que tinham proximidade com o casal afirmaram que os dois mantinham relacionamento bastante conturbado desde o início, com histórico de agressões físicas, violências psicológicas, ameaças, privações financeiras e uma série de humilhações promovidas pelo homem.

Para a promotora, está demonstrado que Dayse era vítima de um relacionamento abusivo e sofria violência doméstica, pautada na vulnerabilidade de gênero. A denúncia aponta que o laudo necroscópico provisório, emitido pelo Instituto Médico Legal (IML) de Marabá, indica múltiplas lesões decorrentes de espancamento. Apesar da queda e dela apresentar lesões compatíveis de agressões anteriores, ficou claro que o espancamento ocorreu antes da queda da janela. (Luciana Marschall)

Mais

Tentativa de furto de dormentes é frustrada na ferrovia

Tentativa de furto de dormentes é frustrada na ferrovia

Nesta segunda feira (10), às 11horas, foi frustrada uma tentativa de furto de dormentes de aço dos trilhos da Estrada…
Homem morre eletrocutado ao tentar fazer ligação em poste

Homem morre eletrocutado ao tentar fazer ligação em poste

O Corpo de Bombeiros de Redenção resgatou nesta segunda-feira (10) o corpo de um homem que foi eletrocutado e ficou…
Motorista embriagado é flagrado pela PRF na BR-222

Motorista embriagado é flagrado pela PRF na BR-222

Um homem foi detido pela Polícia Rodoviária Federal na tarde de domingo (9) ao conduzir uma motocicleta visivelmente embriagado, na…
Briga entre mulheres termina com uma esfaqueada

Briga entre mulheres termina com uma esfaqueada

Uma confusão na Vila Brejo do Meio, zona rural de Marabá, terminou com uma mulher esfaqueada e outra presa na…
Homem é assassinado no Residencial Magalhães

Homem é assassinado no Residencial Magalhães

Permanecia sem identificação até ontem (10), na câmara fria do Instituto Médico Legal (IML), o corpo de um homem que…
Parauapebas supera Marabá em criminalidade

Parauapebas supera Marabá em criminalidade

Dados recentemente cedidos pela Diretoria de Informática, Manutenção e Estatística da Polícia Civil do Estado do Pará ao Correio de…