Correio de Carajás

Medicina Preventiva

Coluna Dr. Nagilson

Coluna Dr. Nagilson

Nagilson Amoury

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A medicina preventiva é a especialidade médica que propõe uma abordagem focada na promoção da saúde, indo além do tratamento de doenças. Parte de uma visão integral do indivíduo, investindo no bem-estar constante e no tratamento precoce para evitar o adoecimento.

      Dessa forma, a medicina preventiva inclui práticas que melhoram a qualidade de vida dos pacientes. Além disso, busca minimizar os efeitos colaterais de tratamentos médicos, optando por terapias que dependem menos de medicações.

      A medicina preventiva como especialidade é fruto de uma mudança de perspectiva em relação à missão dos médicos e ao significado de estar saudável. Segundo a OMS, a saúde deve ser compreendida como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas como a ausência de doença ou enfermidade.

Leia mais:

      Para o cardiologista, José Aldair Morsch, a medicina preventiva é a especialidade médica que propõe uma abordagem focada na promoção da saúde, indo além do tratamento de doenças. Dessa forma, a medicina preventiva trabalha sua conscientização e estilo de vida para alcançar hábitos mais saudáveis, evitando que surjam doenças ou mesmo que elas se agravem.

       Investir em saúde preventiva é importante porque permite a criação de estratégias consistentes para a manutenção do bem-estar do paciente.

Afinal, suas ações têm por objetivo se antecipar aos riscos para evitar doenças.

Ao mesmo tempo, ajudam a minimizar os impactos daquelas que forem inevitáveis.

      É por isso que apostar nessa estratégia de longo prazo faz todo o sentido.

Acima de tudo, porque estamos diante do crescimento na expectativa de vida da população e, por consequência, das doenças crônicas. Segundo o relatório “Perspectivas da população no mundo“, divulgado pela ONU, a expectativa de vida global subiu 8 anos entre 1990 e 2019. Isso representa um salto de 64,2 para 72,6 anos.

     Além disso, a projeção é que chegue a 77,1 anos em 2050. No Brasil, a expectativa média ao nascer era de 76,3 anos em 2018, conforme o IBGE. Portanto, os números são consistentes – mas representam apenas uma amostra sobre o que é medicina preventiva e sua importância. Investimento em medicina preventiva traz ganhos na manutenção do bem-estar do paciente.

      Existe um novo perfil de doenças exige ações preventivas. Somado ao envelhecimento populacional, nosso país vivenciou um fenômeno chamado transição epidemiológica, desencadeado pela mudança no padrão de males que levam à morte. Por exemplo, até o início do século 20, as doenças infecciosas eram as mais preocupantes e letais, provocando aproximadamente metade das mortes.

      Posteriormente, nas décadas seguintes, esse posto passou a ser ocupado pelas Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), que englobam: doenças cardiovasculares, câncer, diabetes, doenças respiratórias crônicas. Ao estudar os fatores de risco para essas enfermidades, encontramos muitos que ultrapassam a esfera puramente médica. Ou seja, eles se relacionam com os hábitos e com a rotina dos pacientes.

      Doenças cardiovasculares, por exemplo, podem ser agravadas por uma dieta rica em colesterol LDL e pelo sedentarismo. Dessa forma, exigem uma profunda mudança no comportamento para evitar grandes eventos, como um infarto. É aí que entra a medicina preventiva: essa especialidade leva conscientização ao paciente e usa as ferramentas certas para que ele seja acompanhado por profissionais, como nutricionistas e educadores físicos.

      Nesse sentido, vale citar uma pesquisa recente conduzida pela Harvard Business Review. O estudo mostrou o potencial de economia para a saúde diante do investimento em medicina preventiva. Descobriu, por exemplo, que as doenças crônicas respondem por 50% do total de custos, enquanto episódios agudos representam 35%.

      Antes de tudo, o organismo humano é um sistema. Como vimos até aqui, a medicina preventiva busca tratar o corpo e a mente juntos, uma vez que a condição de um afeta a do outro. Está claro que, além do corpo, a mente e as emoções impactam no bem-estar. Portanto, devem estar em harmonia para prevenir doenças.

* O autor é especialista em cirurgia geral e saúde digestiva.

         

     

Comentários

Vermes do Olho de Peixe

       Circulam nas redes sociais a notícia de uma doença que acomete os olhos de peixes de nossa região. O…

Fibromialgia

A fibromialgia é condição rara que se caracteriza por dor muscular generalizada, crônica (mais de três meses), mas que não…

Falta de sono

      O termo insônia pode ser utilizado em diferentes contextos, desde o distúrbio do sono específico até como sintoma relacionado…

Vida Saudável

Quando o assunto é qualidade de vida, há unanimidades entre médicos e especialistas das mais diversas áreas. “É preciso avaliar…

TERAPEUTICA HIPERBÁRICA

      A oxigenoterapia hiperbárica é utilizado em vários países como: Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Espanha, Inglaterra, Itália, França, Rússia, Japão,…

Medicina Nuclear

A medicina nuclear se baseia na administração, ao paciente, de pequeníssimas quantidades de materiais radioativos. Dessa forma, estes materiais são…