Correio de Carajás

Marabá: Incêndio na mata preocupa moradores próximo a residencial

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

E o período de queimadas continua em Marabá, a cada momento destruindo vastas áreas de vegetação e causando perigo também para os moradores da área urbana, com a proximidade e alcance do fogo. Esta madrugada a ocorrência mais preocupante se deu próximo à BR-230, na saída da cidade em direção a Itupiranga. Uma enorme área estava em chamas e já com a luz do dia, nos primeiros minutos da manhã, continuava avançando.

Tudo isso bem próximo do conhecido residencial de alto padrão Miranda do Vale. Segundo Rosângela Gonçalves, que fez relato ao CORREIO, sua irmã e outros vizinhos tentaram acionar o Corpo de Bombeiros por meio do telefone de emergências 193, e ouviram que o socorro chegaria. Mas isso nunca aconteceu. Uma outra vizinha, já na manhã deste domingo, foi diretamente ao quartel do 5º GBM na Cidade Nova, e ouviu do bombeiro, que eles não foram acionados. A ocorrência preocupa por demonstrar que os órgãos de segurança não estão em sintonia.

Leia mais:

As queimadas são uma realidade cruel todos os anos, diante da estiagem, e ocorrem tanto por causas naturais, como também por incêndio criminoso, na maioria das vezes por donos de áreas tentando promover a “limpeza” dos terrenos sem autorização para isso e sem o conhecimento de como fazê-lo. Dificilmente as autoridades conseguem caracterizar a responsabilidade pelas ocorrências.

Saiba mais

Na atividade rural, a lei dá um tratamento especial para casos específicos. Assim, por exemplo, o Código Florestal (Lei nº 4.771/65) estabelece, em seu Artigo 27, que: “É proibido o uso do fogo nas florestas e nas demais formas de vegetação”. Nessas demais “formas de vegetação” já se subentende que englobam toda e qualquer espécie vegetal: pastagens, lavouras, capoeiras, etc.

Mas o parágrafo único desse artigo abre uma exceção para tais casos. Ele diz que: “Se peculiaridades locais ou regionais justificarem o uso do fogo em práticas agropastoris ou florestais, a permissão será estabelecida em ato do Poder Público, circunscrevendo as áreas e estabelecendo norma de proteção”.

Essas disposições do Código Florestal foram regulamentadas pelo Decreto nº 97.635/89, cujo Artigo 1º diz que: “Incêndio florestal é fogo sem controle em qualquer forma de vegetação”. E seu parágrafo 1º, acrescenta que: “É proibido o uso do fogo sem controle nas florestas e demais formas de vegetação, bem assim qualquer ato ou omissão que possa ocasionar incêndio florestal”. Já o parágrafo 2º praticamente repete as disposições do parágrafo único do Código Florestal sobre a exceção permitida nas atividades agropastoris. (Da Redação)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…