Correio de Carajás

Lei propõe mudança na carga horária dos servidores em Marabá

Sindicalistas se reúnem na Câmara e discutem mudança em carga horária (Foto : Evangelista Rocha)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Uma reunião da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Marabá (CMM) rendeu bate-boca, críticas ao prefeito Tião Miranda e mostrou que um projeto da Prefeitura terá ainda dificuldades para ser aprovado no Legislativo, principalmente no que depender dos principais atingidos. O Servimmar (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Marabá) participou da reunião e apresentou uma série de objeções a um projeto de Lei que altera o Artigo 17 da Lei 17.331.

A mudança prevê o aumento de carga horária trabalhista para os servidores da área da saúde para 40 horas semanais. Fato este que não é bem visto pelos sindicatos, pois, segundo José Mauro Vieira, um dos diretores da Servimmar, as alterações poderão se estender para outros setores, modificando também áreas como a da educação, agricultura, entre outros.

Os sindicalistas reivindicam que a mudança na lei não define de forma clara os efeitos sobre os atuais servidores públicos. É que a Prefeitura tem defendido que a alteração atingiria apenas os futuros contratados por concurso público.

Leia mais:

O presidente do Servimmar, José Edmilson, afirma que a principal reivindicação é que não se altere a carga horária dos servidores que já estão trabalhando, apesar de não concordarem também com a mudança da lei para aumentar a jornada de trabalho para os funcionários novos. Por parte dos sindicatos o receio é que a mudança da lei traga perda salarial para os trabalhadores.

Outro participante da reunião, a convite dos vereadores, foi o secretário municipal de Saúde, Marcones José Santos. Em sua participação, ele disse que é necessário estabelecer um padrão na carga horária que se adeque às necessidades do município e da Secretaria de Saúde, explicou, ainda, que a regra de jornada de trabalho em questão é muito flexível e incompatível com a dinâmica da pasta da saúde, sendo uma alteração voltada somente para esta secretaria. Reiterou que o objetivo maior é melhorar e ampliar o funcionamento das unidades saúde.

O presidente Comissão de Saúde, vereador Miguel Gomes Filho, conhecido como Miguelito, declarou que é a favor da aprovação na alteração da lei, porém somente para futuros servidores públicos, não modificando assim as seis horas diárias, 30 semanais, do trabalhador da saúde.

A alteração prevê a mudança de seis horas diárias, ou 30 semanais, para oito horas diárias, ou 40 semanais, para os níveis fundamental e médio e 30 horas semanais para o nível superior, com ressalva nos casos em que há lei específica. (Adriana Oliveira)

 

 

Mais

Anvisa explica entraves na aprovação da vacina Sputink V

Anvisa explica entraves na aprovação da vacina Sputink V

Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia nesta terça-feira (11), o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância…
Guedes diz que reforma administrativa será moderada

Guedes diz que reforma administrativa será moderada

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou como bastante moderada a proposta do governo de reforma administrativa, em audiência pública,…
Estados e municípios poderão utilizar saldos de fundos de saúde

Estados e municípios poderão utilizar saldos de fundos de saúde

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei complementar que estende até o fim de 2021 a autorização concedida a estados,…
Senadores avaliam semana da CPI da Pandemia como positiva

Senadores avaliam semana da CPI da Pandemia como positiva

Os senadores avaliaram de forma positiva a primeira semana de oitivas da CPI da Pandemia. Foram ouvidos os ex-ministros da…
Brasil precisa fortalecer produção de insumos, diz Queiroga

Brasil precisa fortalecer produção de insumos, diz Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quinta-feira (6) em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia…
Queiroga diz que enfrentamento à pandemia requer união de forças

Queiroga diz que enfrentamento à pandemia requer união de forças

Em depoimento nesta quinta-feira (6) à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia no Senado, o ministro da Saúde, Marcelo…