Correio de Carajás

Johnson adia envio de vacinas que chegariam nesta terça ao Brasil

Vacina é fabricada pela Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson | Foto: Frederic J.Brown / AFP / CP
Vacina é fabricada pela Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson | Foto: Frederic J.Brown / AFP / CP
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Farmacêutica informou que não conseguiu despachar o carregamento; previsão é que doses cheguem ainda nesta semana

O carregamento com três milhões de vacinas da Johnson, previsto para chegar na terça-feira ao Brasil, não desembarcará na data prevista. O cancelamento foi confirmado pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira. A pasta prevê, porém, que as doses devem chegar ainda nesta semana no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. A empresa norte-americana informou que não conseguiu embarcar o carregamento nesta segunda.

As vacinas têm prazo de validade até 27 de junho. Por isso, o Ministério terá poucos dias para a distribuição e aplicação das doses. A estratégia da pasta prevê a distribuição em cinco dias com a utilização só nas capitais. Na última sexta-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reuniu com a farmacêutica para discutir o pedido de extensão do prazo de validade da vacina no Brasil. Atualmente, o prazo de validade aprovado pela Anvisa é de três meses, a proposta da empresa é ampliar para quatro meses e meio. A agência reguladora dos Estados Unidos já aprovou essa extensão.

Sobre a vacina

A vacina é fabricada pela Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson, e é administrada em dose única, diferentemente dos outros imunizantes em aplicação no Brasil. A Anvisa autorizou o uso emergencial da vacina no dia 31 de março. O infectologista Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e membro do Comitê Técnico Assessor do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, explica que o imunizante é fabricado por meio da tecnologia do adenovírus vetor, assim como a vacina da AstraZeneca, que já está em aplicação no Brasil.

Leia mais:

O imunizante não necessita de refrigeração abaixo de zero, o que o torna compatível com os canais de distribuição padrão de vacinas, facilitando sua distribuição no país. “A grande vantagem é ser uma vacina de dose única, o que permite imunizar o dobro de pessoas”, afirma Kfouri. A Johnson & Johnson anunciou que a vacina foi 72% eficaz na prevenção da doença nos Estados Unidos e alcançou uma taxa de 66% de eficácia global, em um teste realizado em três continentes e com variantes múltiplas do vírus.

Até o momento, mais de 56 milhões de pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 no país, o que corresponde a 26,45% da população, sendo que mais de 23 milhões já receberam a segunda dose e estão completamente imunizadas. (Correio do Povo)

Comentários

Mais

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

INVESTIGADO POR:    VERIFICADO POR:     Enganoso Os fragmentos de arroz são um subproduto apto para o consumo humano.…
Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

INVESTIGADO POR:  VERIFICADO POR: Enganoso Título de artigo compartilhado em grupos bolsonaristas no Facebook omite que uma pesquisa eleitoral que…
É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

INVESTIGADO POR: VERIFICADO POR: São falsos posts virais no Facebook e no TikTok com áudio em que supostamente a atriz…
Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Enganoso É enganosa a publicação no site Terça Livre que afirma que um estudo francês apontou a eficácia da ivermectina…
A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

Esta semana um assunto polêmico ganhou o noticiário nacional: uma pessoa foi demitida por justa causa por se recusar a…
Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Do final de maio até o mês de julho, 314 animais foram testados contra a leishmaniose. O médico veterinário Flávio…