Correio de Carajás

Governo da Bolívia diz que oposição buscou paramilitares para matar o presidente Luis Arce

HÁ 1 ANO

Foto: Jorge Bernal / AFP
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Grupo criminoso seria o mesmo responsável pelo assassinato do presidente do Haiti em julho

O ministro de governo da Bolívia, Eduardo del Castillo, afirmou nesta segunda-feira (18) que nomes ligados a Jeanine Áñez negociaram com paramilitares um plano para matar o então presidente eleito Luis Arce em 2020. Escolhido pelas urnas há exatamente um ano, o objetivo do homicídio seria impedir a posse de Arce.

De acordo com Castillo, o plano foi elaborado por paramilitares colombianos que participaram do assassinato do presidente haitiano Jovenel Moise, em julho deste ano. Entre eles, estaria German Alejandro Rivera García, ex-capitão do exército colombiano, detido em Porto Príncipe após assumir participação do assassinato de Moise.

Também teria viajado à Bolívia Antonio Intriago — opositor venezuelano dono da empresa de segurança privada que recrutou os paramilitares colombianos para o plano de magnicídio contra Arce e, mais tarde, contra Moise.

Leia mais:

Segundo apontam as investigações, os paramilitares viajaram da Colômbia e dos Estados Unidos para a Bolívia poucos dias antes das eleições presidenciais e se hospedaram em um hotel a poucos metros da Praça Murillo, onde foi realizada a cerimônia de posse de Arce.

Antes, eles teriam se reunido com ex-funcionários do governo interino de Jeanine Áñez no estado de Santa Cruz de la Sierra, historicamente governado pela oposição de direita. Após o plano frustrado, os ex-ministros de Governo e de Defesa de Áñez fugiram do país passando pelo Brasil. Parte da informação foi confirmada publicamente com áudios, emails e fotografias divulgados pelo ministro de Governo boliviano.

“Aqui com provas fieis estamos demonstrando que existiu um plano para matar Luis Arce”, afirmou o ministro Eduardo Del Castillo.

Correligionários do presidente boliviano já haviam denunciado, em novembro de 2020, planos para matar Arce.

Após um ano do retorno do MAS-IPSP ao poder, as tensões com os protagonistas do golpe de Estado continuam. Na última semana, Luis Fernando Camacho convocou uma “greve cívica” contra o governo Arce, estimulando a violência dos Comitês Cívicos — organizações estaduais controladas pela direita — em todo o país.

A justificativa para a greve era rechaçar o Projeto de Lei nº 1.386, contra legitimação de ganhos ilícitos e o financiamento do terrorismo. Após os atos opositores, o governo retirou o PL. (Fonte: Brasil de Fato)

Comentários

Mais

Publicada medida provisória que cria o Programa Internet Brasil

Publicada medida provisória que cria o Programa Internet Brasil

Com objetivo de promover o acesso gratuito à internet em banda larga móvel aos alunos da educação básica da rede…
Olaf Scholz é eleito chanceler pelo Parlamento alemão

Olaf Scholz é eleito chanceler pelo Parlamento alemão

O social-democrata Olaf Scholz foi eleito hoje (8) chanceler federal pelo Parlamento alemão (Bundestag), onde o partido que lidera e…
Resolução indica INSS fixar teto de juros para empréstimo consignado

Resolução indica INSS fixar teto de juros para empréstimo consignado

O Diário Oficial da União publica, nesta quarta-feira (8), a Resolução nº 1.345, de 6 de dezembro de 2021, do Plenário do Conselho…
Congresso chileno aprova casamento entre pessoas do mesmo sexo

Congresso chileno aprova casamento entre pessoas do mesmo sexo

O Congresso do Chile aprovou nesta terça-feira (7) o casamento entre pessoas do mesmo sexo depois de uma longa tramitação…
Comissão do Senado aprova PL para estabilizar preço dos combustíveis

Comissão do Senado aprova PL para estabilizar preço dos combustíveis

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou nesta terça-feira (7) o Projeto de Lei (PL) 1.472/2021, que cria um…
Projeto cria cadastro nacional de pedófilos

Projeto cria cadastro nacional de pedófilos

Um cadastro nacional vai reunir pessoas condenadas por crimes relacionados à pedofilia. A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos…