Correio de Carajás

Distrito Industrial de Marabá passa por revitalização

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
2 Visualizações

Com 20 empresas ativas atualmente e com mais de 18 milhões de metros quadrados na Fase 1, o Distrito Industrial de Marabá está passando por revitalização. Criado na década de 80, esta é a primeira obra realizada no local nos últimos 10 anos. Procurada pelo Correio de Carajás, a Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (Codec) informou que os serviços estão orçados em pouco mais de R$ 1 milhão.

De acordo com a gerente de estudos e elaboração de projetos, Sandra Martins, a revitalização abrange serviços de capina, roçada com limpeza e carga e transporte do entulho resultante em aceiro, canteiro centrais e faixas laterais das vias, assim como das áreas externas não urbanizadas, pinturas de meios-fios, manutenção, conservação das estruturas das cercas que delimitam as áreas dos Distritos Industriais e operação tapa buraco.

A revitalização é realizada em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme) e o intuito é incrementar a competitividade dos polos industriais paraenses por meio de um conjunto de iniciativas estratégicas. Outros distritos do estado também receberão as obras, dentre eles os localizados em Ananindeua, Icoaraci e Barcarena.

Leia mais:

Em Marabá, o serviço foi iniciado na última segunda-feira, dia 17, e a previsão para término é em julho do próximo ano. Em sua formação, na década de 80, o Distrito Industrial de Marabá abrigava essencialmente indústrias metal-mecânicas, por meio de planejamento e gestão da então Companhia de Desenvolvimento Industrial do Pará (CDI), atualmente Codec.

Nos primeiros 10 anos, a área abrigou também indústrias madeireiras e pátios de abastecimento, manobra e manutenção de equipamentos ferroviários. No local, instalaram-se também as siderurgias Cosipar, atualmente desativada, e Simara, onde hoje funciona a Sinobras.

A partir dos anos 2000, começaram a se instalar diversas outras indústrias na região, localizada às margens da Rodovia BR-155, e também áreas residenciais. Nos últimos anos, no entanto, a crise mundial e a queda do mercado consumidor de ferro gusa e de aço impactou diretamente o Distrito Industrial de Marabá, culminando no fechamento de diversas industrias. (Luciana Marschall)

Com 20 empresas ativas atualmente e com mais de 18 milhões de metros quadrados na Fase 1, o Distrito Industrial de Marabá está passando por revitalização. Criado na década de 80, esta é a primeira obra realizada no local nos últimos 10 anos. Procurada pelo Correio de Carajás, a Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (Codec) informou que os serviços estão orçados em pouco mais de R$ 1 milhão.

De acordo com a gerente de estudos e elaboração de projetos, Sandra Martins, a revitalização abrange serviços de capina, roçada com limpeza e carga e transporte do entulho resultante em aceiro, canteiro centrais e faixas laterais das vias, assim como das áreas externas não urbanizadas, pinturas de meios-fios, manutenção, conservação das estruturas das cercas que delimitam as áreas dos Distritos Industriais e operação tapa buraco.

A revitalização é realizada em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme) e o intuito é incrementar a competitividade dos polos industriais paraenses por meio de um conjunto de iniciativas estratégicas. Outros distritos do estado também receberão as obras, dentre eles os localizados em Ananindeua, Icoaraci e Barcarena.

Em Marabá, o serviço foi iniciado na última segunda-feira, dia 17, e a previsão para término é em julho do próximo ano. Em sua formação, na década de 80, o Distrito Industrial de Marabá abrigava essencialmente indústrias metal-mecânicas, por meio de planejamento e gestão da então Companhia de Desenvolvimento Industrial do Pará (CDI), atualmente Codec.

Nos primeiros 10 anos, a área abrigou também indústrias madeireiras e pátios de abastecimento, manobra e manutenção de equipamentos ferroviários. No local, instalaram-se também as siderurgias Cosipar, atualmente desativada, e Simara, onde hoje funciona a Sinobras.

A partir dos anos 2000, começaram a se instalar diversas outras indústrias na região, localizada às margens da Rodovia BR-155, e também áreas residenciais. Nos últimos anos, no entanto, a crise mundial e a queda do mercado consumidor de ferro gusa e de aço impactou diretamente o Distrito Industrial de Marabá, culminando no fechamento de diversas industrias. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Brasil deve receber mais de 842 mil doses da vacina da Pfizer em junho

Brasil deve receber mais de 842 mil doses da vacina da Pfizer em junho

O Brasil vai receber 842.400 doses da vacina da farmacêutica Pfizer/BioNTech contra a covid-19. A informação foi dada pelos coordenadores…
Fórum discute desafios à garantia de direitos da pessoa idosa

Fórum discute desafios à garantia de direitos da pessoa idosa

Teve início hoje (13) o 1º Fórum Nacional da Pessoa Idosa. O evento, organizado pelo Ministério da Mulher, Família e…
Psicóloga orienta pais a ouvirem e validarem queixas dos filhos

Psicóloga orienta pais a ouvirem e validarem queixas dos filhos

Depois de todo o país se chocar com a morte do menino Henry, de 4 anos, no Rio de Janeiro,…
Sexta edição do FIA Cinefront estreia em plataforma de streaming nesta quinta

Sexta edição do FIA Cinefront estreia em plataforma de streaming nesta quinta

Com exibição em plataforma de streaming própria, a abertura oficial do 6º Festival Internacional Amazônida de Cinema de Fronteira, o…
Filhote de onça preta é resgatado em Novo Progresso

Filhote de onça preta é resgatado em Novo Progresso

Moradores de Novo Progresso, sudoeste do Pará, resgataram um filhote de onça preta. De acordo com testemunhas, o animal estava…
Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea

Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea

Pelo segundo mês consecutivo, o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda registrou, em março, alta da taxa para…