Correio de Carajás

Delegada presa em operação perde cargo por não ter dado andamento a investigações policiais

Delegada presa em operação no PA perde cargo por não ter dado andamento a investigações policiais
Delegada presa no PA perde o cargo por não dar andamentos a investigações policiais. — Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Justiça do Pará determinou, nesta sexta-feira (20), que a delegada de Polícia Civil Eliete Cristina Alves Borges seja destituída do cargo por irregularidades entre 2015 e 2016, quando ela atuava em Magalhães Barata, nordeste do Pará.

Segundo a denúncia do Ministério Público do Pará (MPPA), ela deixou investigar 47 casos entre maio de 2015 e abril de 2016, envolvendo violência doméstica, maus tratos a criança, lesão corporal, crime de trânsito, roubo de bicicleta e furto de celular.

A delegada foi presa pela manhã na segunda etapa da operação Anonymous, que combate a atuação de milícias e grupos de extermínio na região metropolitana de Belém. De acordo com a investigações, Eliete teria repassado informações sigilosas, que possibilitou a fuga de um vereador, um dos alvos da operação.

Leia mais:

Segundo o MP, um dos casos que não teria sido investigado pela delegada chamou atenção envolvia estupro de vulnerável. A denúncia afirma que “a autoridade policial agiu com desídia e morosidade inexplicável”. O MP ainda relata que outros seis casos atendidos pela Polícia Militar e encaminhados à delegacia sequer tiveram instauração de inquérito policial.

De acordo com a denúncia do MPPA, a delegada teria se negado a analisar depoimentos de vítimas, exames de lesão corporal, exames sexológicos, exames necroscópicos, depoimento de testemunhas e perícia.

Além da perda do cargo, a Justiça também condenou Eliete Borges ao pagamento de multa civil equivalente a dez vezes o valor de sua remuneração à época dos fatos. Ela também está proibida de realizar contratos com o poder público, assim como receber incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de três anos.

Nas eleições de 2018, Eliete Borges concorreu ao cargo de deputada estadual no Pará pelo MDB.

Operação Anonymous

Operação Anonymous prende sete policiais no Pará. — Foto: Ascom/ PC
Operação Anonymous prende sete policiais no Pará. — Foto: Ascom/ PC

Eliete foi uma das dez pessoas presas pela operação Anonymous. A ação também cumpriu 12 mandados de busca e apreensão. Sete policiais militares foram presos. Sete policiais foram presos. Um agente público e um vereador estão foragidos.

Durante a operação foram apreendidos armas, coletes, munições, dinheiro, drone, computadores, celulares e tablet.

Comentários

Mais

Mulher de 27 anos morre na BR-230

Mulher de 27 anos morre na BR-230

Entre os corpos que passaram pelo Instituto Médico Legal (IML) no final de semana está Jessica Moreira Padilha, de 27…
Assaltante é preso com arma e tornozeleira eletrônica

Assaltante é preso com arma e tornozeleira eletrônica

O homem que foi preso no final de semana em Marabá, portando uma pistola .380 Taurus, com 15 munições intactas,…
Quase 260 toneladas de manganês são apreendidas em Marabá

Quase 260 toneladas de manganês são apreendidas em Marabá

Ao menos 259 toneladas de minério do tipo manganês transportadas de forma ilegal foram apreendidos em Marabá, no sudeste do Pará.…
Caseiro é preso por porte ilegal de arma

Caseiro é preso por porte ilegal de arma

Francisco Borges Pereira, que trabalhava como caseiro de um sítio na Vila Lajeado 1, zona rural de Marabá, foi preso…
Mulher é autuada com mais de 50 gramas de maconha no Alto Bonito

Mulher é autuada com mais de 50 gramas de maconha no Alto Bonito

Carregando mais de 50 gramas de maconha na bolsa, Rayris Souza Ramos saiu correndo ao avistar a guarnição da Guarda…
Comeu manga, invadiu empresa para usar o banheiro e acabou na delegacia

Comeu manga, invadiu empresa para usar o banheiro e acabou na delegacia

Paulo Sérgio Silva, de 20 anos, foi levado para a 20ª Delegacia de Polícia Civil de Parauapebas após ser flagrado…