Correio de Carajás

Correios : Atendimento é suspenso e público fica na saudade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A informação de que a unidade dos Correios, localizada na Folha 33, não seria mais aberta para atendimento ao público em Marabá pegou muita gente de surpresa. O prédio está fechado deste a última semana e muitas pessoas ainda tem ido ao local por desconhecimento da situação. Quando chegam para buscar as encomendas, porém, encontram os portões da instituição trancados e apenas uma placa improvisada sustentando o seguinte recado: “Comunicamos que esta unidade não efetua atendimento ao público, ela é destinada para tratamento e transporte de carga postal, e recebimento de malotes”.

O comunicado também recomenda que os usuários aguardem o recebimento dos produtos em seus respectivos endereços e que, caso ocorra algum problema, entrem em contato com o remetente. Diz ainda que no local, denominado Centro Logístico Grande Carajás, as pessoas serão atendidas apenas para recebimento e entrega de contrato de malote, de segunda à sexta-feira, das 14 às 16 horas.

A postura da empresa, no entanto, não agradou nenhum pouco os usuários, que expuseram sua indignação para a reportagem. “Eu não sei se é incompetência ou puro descaso. Na verdade, a sociedade está indignada porque você faz um pedido, compra e tem os compromissos. Acredito que as empresas estão sendo prejudicadas e também o consumidor”, reclamou Everaldo Silva, que está esperando uma encomenda há 40 dias.

Leia mais:

Segundo ele, após terem sido prejudicados pelo atraso na entrega das mercadorias, devido à greve dos servidores, os usuários acabaram ficando na mão novamente. “Já fui aos Correios da Folha 32 e as informações estão desencontradas. A gerência manda você vir aqui e entra em contradição com a informação que o centro de distribuição dá para a população”, reclama.

O homem contou ao Jornal que teme ficar sem o produto pelo qual pagou, já que conversou com uma pessoa que se apresentou como coordenador do centro de logística e descobriu que a unidade não tem funcionários suficientes para dar conta das entregas no município. “Ele mesmo falou que não tem capacidade operacional nenhuma e que falta material humano para distribuir as encomendas que chegam a Marabá”, afirmou.

Quem também saiu chateado do local foi Ricardo Paulo, que aguarda uma mercadoria há 15 dias. “Pagamos frete e tudo, pagamos pelo serviço, o rapaz foi para fazer a entrega e apareceu a informação que não tinha encontrado o endereço, sendo que. E isso quase instantaneamente com a chegada da mercadoria em Marabá”, disse o jovem que vem acompanhando toda a movimentação do produto através do código de rastreio.

Ricardo disse que ainda não tinha enfrentado esse tipo de problema. “Minhas encomendas sempre chegaram corretamente em casa. A gente, além de pagar o frete, que já é caro, tem que pagar a passagem, o deslocamento e tem a perda de tempo né”, lamentou, se dizendo indignado pelo fato de os Correios não divulgarem nada para a população sobre a falta de atendimento no local onde, costumeiramente, os usuários retiravam suas encomendas.

Outro que se considera prejudicado é Janilson Araújo Nunes. Ele criticou a falta de um funcionário da empresa para dar satisfações sobre a mudança ocorrida. “Estou com uma encomenda para receber e até agora não chegou. Inclusive, entrei hoje [terça-feira] na internet e lá está dizendo que saiu para entrega às 8h59, já são 14h45 e nada”, desabafou, informando que não foi a primeira que houve atraso na entrega.

“É lamentável isso, a gente não sabe nem a quem recorrer. A gente chega aqui e tem só esse comunicado aí, não tem ninguém para dar um esclarecimento melhor ou, pelo menos, dizer que o produto está em determinado lugar”.

A reportagem chegou a conversar com a gerente do Procon Municipal, Zélia Lopes, sobre a situação. Embora ela tenha dito que não tinha conhecimento da situação e que nenhuma denúncia neste sentido foi registrada no órgão, afirmou que o Procon “pode e deve cobrar esclarecimentos em relação à prestação do serviço”.

Resposta dos Correios

Procurado pelo Jornal, os Correios se manifestou por intermédio de sua  assessoria de comunicação no Pará, informando que devido à greve nacional ocorrida recentemente no órgão houve acúmulo de encomendas, principalmente as consideradas não urgentes (PAC).

“Com o fim da paralização, foi dada vazão a carga acumulada gerando um grande volume para as unidades de distribuição. Para que seja tratada e entregue mais rapidamente essa carga, foi suspensa temporariamente a entrega interna no CDD, mas os carteiros continuam entregando as encomendas nos domicílios”, diz a nota.

Foi informado também que para que a situação seja normalizada os servidores estão fazendo horas extras durante a semana e no sábado. “A previsão é que até o final deste mês as entregas voltem à normalidade, inclusive com entrega interna para os clientes na unidade de distribuição em Marabá”.

Suposta denúncia ao MPPA teria levado à suspensão do serviço

Embora a justificativa dos CORREIOS dê conta de um “acúmulo de encomendas” e “suspensão temporária” do atendimento ao cliente no centro de distribuição, alguns usuários confidenciaram à reportagem que ficaram sabendo de outra versão dos fatos.

Eles disseram que o fechamento do local para a população em geral aconteceu em decorrência de uma denúncia supostamente feita ao Ministério Público sobre as condições físicas do espaço, uma vez que não tinha climatização, era muito pequeno e inadequado para receber as pessoas. Essa situação foi confirmada também por uma servidora do órgão a um colaborador do Jornal. Ele pediu para não ter o nome revelado.

No entanto, a equipe de reportagem não teve acesso a documentos que comprovassem esta versão. O único processo referente à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos que corre no MPPA foi arquivado no meio deste ano e dá conta de outro problema: a insuficiência na entrega de mercadorias em domicílios no município.

Quanto a essa ação, em setembro de 2016, a promotora de justiça do Consumidor em Marabá, Aline Tavares Moreira, cobrou esclarecimentos do diretor do órgão no município, após ter acesso à publicação “Carta de um leitor”, veiculada na seção Voz do Povo, edição 3.028 do Jornal Correio, à reportagem “Atendimento ainda é precário”, publicada na edição 3.029, e também na Voz do Povo da edição 3.032.

Em reposta, o diretor da empresa federal da época, Edilzio Eduardo Pinheiro Júnior, teria afirmado que “os principais problemas para a distribuição postal são, portanto, falta da informação do número do imóvel nas correspondências, numeração irregular dos imóveis (não ordenada e divididas em lados par/ímpar); numeração repetida dos imóveis em um mesmo trecho; repetição do nome de logradouros dentro do mesmo bairro; endereçamento inadequado pelo cliente por folha/quadra/lote/bairro, quando o correto deve ser logradouro/numero/bairro, e a falta de plaqueamento para identificar os logradouros”.

Na resposta enviada por ele, há também a informação de que esta situação teria sido repassada à gestão municipal de Marabá em 2012, mas que nunca foi resolvida. Diante deste argumento, o processo acabou arquivado e os usuários continuaram à mercê do serviço precário prestado pela empresa no município.

(Nathália Viegas com informações de Evangelista Rocha)

 

 

A informação de que a unidade dos Correios, localizada na Folha 33, não seria mais aberta para atendimento ao público em Marabá pegou muita gente de surpresa. O prédio está fechado deste a última semana e muitas pessoas ainda tem ido ao local por desconhecimento da situação. Quando chegam para buscar as encomendas, porém, encontram os portões da instituição trancados e apenas uma placa improvisada sustentando o seguinte recado: “Comunicamos que esta unidade não efetua atendimento ao público, ela é destinada para tratamento e transporte de carga postal, e recebimento de malotes”.

O comunicado também recomenda que os usuários aguardem o recebimento dos produtos em seus respectivos endereços e que, caso ocorra algum problema, entrem em contato com o remetente. Diz ainda que no local, denominado Centro Logístico Grande Carajás, as pessoas serão atendidas apenas para recebimento e entrega de contrato de malote, de segunda à sexta-feira, das 14 às 16 horas.

A postura da empresa, no entanto, não agradou nenhum pouco os usuários, que expuseram sua indignação para a reportagem. “Eu não sei se é incompetência ou puro descaso. Na verdade, a sociedade está indignada porque você faz um pedido, compra e tem os compromissos. Acredito que as empresas estão sendo prejudicadas e também o consumidor”, reclamou Everaldo Silva, que está esperando uma encomenda há 40 dias.

Segundo ele, após terem sido prejudicados pelo atraso na entrega das mercadorias, devido à greve dos servidores, os usuários acabaram ficando na mão novamente. “Já fui aos Correios da Folha 32 e as informações estão desencontradas. A gerência manda você vir aqui e entra em contradição com a informação que o centro de distribuição dá para a população”, reclama.

O homem contou ao Jornal que teme ficar sem o produto pelo qual pagou, já que conversou com uma pessoa que se apresentou como coordenador do centro de logística e descobriu que a unidade não tem funcionários suficientes para dar conta das entregas no município. “Ele mesmo falou que não tem capacidade operacional nenhuma e que falta material humano para distribuir as encomendas que chegam a Marabá”, afirmou.

Quem também saiu chateado do local foi Ricardo Paulo, que aguarda uma mercadoria há 15 dias. “Pagamos frete e tudo, pagamos pelo serviço, o rapaz foi para fazer a entrega e apareceu a informação que não tinha encontrado o endereço, sendo que. E isso quase instantaneamente com a chegada da mercadoria em Marabá”, disse o jovem que vem acompanhando toda a movimentação do produto através do código de rastreio.

Ricardo disse que ainda não tinha enfrentado esse tipo de problema. “Minhas encomendas sempre chegaram corretamente em casa. A gente, além de pagar o frete, que já é caro, tem que pagar a passagem, o deslocamento e tem a perda de tempo né”, lamentou, se dizendo indignado pelo fato de os Correios não divulgarem nada para a população sobre a falta de atendimento no local onde, costumeiramente, os usuários retiravam suas encomendas.

Outro que se considera prejudicado é Janilson Araújo Nunes. Ele criticou a falta de um funcionário da empresa para dar satisfações sobre a mudança ocorrida. “Estou com uma encomenda para receber e até agora não chegou. Inclusive, entrei hoje [terça-feira] na internet e lá está dizendo que saiu para entrega às 8h59, já são 14h45 e nada”, desabafou, informando que não foi a primeira que houve atraso na entrega.

“É lamentável isso, a gente não sabe nem a quem recorrer. A gente chega aqui e tem só esse comunicado aí, não tem ninguém para dar um esclarecimento melhor ou, pelo menos, dizer que o produto está em determinado lugar”.

A reportagem chegou a conversar com a gerente do Procon Municipal, Zélia Lopes, sobre a situação. Embora ela tenha dito que não tinha conhecimento da situação e que nenhuma denúncia neste sentido foi registrada no órgão, afirmou que o Procon “pode e deve cobrar esclarecimentos em relação à prestação do serviço”.

Resposta dos Correios

Procurado pelo Jornal, os Correios se manifestou por intermédio de sua  assessoria de comunicação no Pará, informando que devido à greve nacional ocorrida recentemente no órgão houve acúmulo de encomendas, principalmente as consideradas não urgentes (PAC).

“Com o fim da paralização, foi dada vazão a carga acumulada gerando um grande volume para as unidades de distribuição. Para que seja tratada e entregue mais rapidamente essa carga, foi suspensa temporariamente a entrega interna no CDD, mas os carteiros continuam entregando as encomendas nos domicílios”, diz a nota.

Foi informado também que para que a situação seja normalizada os servidores estão fazendo horas extras durante a semana e no sábado. “A previsão é que até o final deste mês as entregas voltem à normalidade, inclusive com entrega interna para os clientes na unidade de distribuição em Marabá”.

Suposta denúncia ao MPPA teria levado à suspensão do serviço

Embora a justificativa dos CORREIOS dê conta de um “acúmulo de encomendas” e “suspensão temporária” do atendimento ao cliente no centro de distribuição, alguns usuários confidenciaram à reportagem que ficaram sabendo de outra versão dos fatos.

Eles disseram que o fechamento do local para a população em geral aconteceu em decorrência de uma denúncia supostamente feita ao Ministério Público sobre as condições físicas do espaço, uma vez que não tinha climatização, era muito pequeno e inadequado para receber as pessoas. Essa situação foi confirmada também por uma servidora do órgão a um colaborador do Jornal. Ele pediu para não ter o nome revelado.

No entanto, a equipe de reportagem não teve acesso a documentos que comprovassem esta versão. O único processo referente à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos que corre no MPPA foi arquivado no meio deste ano e dá conta de outro problema: a insuficiência na entrega de mercadorias em domicílios no município.

Quanto a essa ação, em setembro de 2016, a promotora de justiça do Consumidor em Marabá, Aline Tavares Moreira, cobrou esclarecimentos do diretor do órgão no município, após ter acesso à publicação “Carta de um leitor”, veiculada na seção Voz do Povo, edição 3.028 do Jornal Correio, à reportagem “Atendimento ainda é precário”, publicada na edição 3.029, e também na Voz do Povo da edição 3.032.

Em reposta, o diretor da empresa federal da época, Edilzio Eduardo Pinheiro Júnior, teria afirmado que “os principais problemas para a distribuição postal são, portanto, falta da informação do número do imóvel nas correspondências, numeração irregular dos imóveis (não ordenada e divididas em lados par/ímpar); numeração repetida dos imóveis em um mesmo trecho; repetição do nome de logradouros dentro do mesmo bairro; endereçamento inadequado pelo cliente por folha/quadra/lote/bairro, quando o correto deve ser logradouro/numero/bairro, e a falta de plaqueamento para identificar os logradouros”.

Na resposta enviada por ele, há também a informação de que esta situação teria sido repassada à gestão municipal de Marabá em 2012, mas que nunca foi resolvida. Diante deste argumento, o processo acabou arquivado e os usuários continuaram à mercê do serviço precário prestado pela empresa no município.

(Nathália Viegas com informações de Evangelista Rocha)

 

 

Comentários

Mais

INSS orienta sobre saque irregular feito após óbito de beneficiário

INSS orienta sobre saque irregular feito após óbito de beneficiário

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) publicou no Diário Oficial da União de hoje (19) portaria que estabelece fluxo de comunicação com a Polícia…
Para celebrar Dia do Exército, 23ª Brigada presta honras a militares e civis

Para celebrar Dia do Exército, 23ª Brigada presta honras a militares e civis

Hoje, dia 19 de abril, é o Dia do Exército. E para celebrar a data antecipadamente, a 23ª Brigada de…
Escola de Governança abre cursos gratuitos para servidores paraenses

Escola de Governança abre cursos gratuitos para servidores paraenses

A Escola de Governança Pública do Estado do Pará (EGPA) abriu no sábado (17) as inscrições para os cursos livres…
Mercado financeiro prevê inflação em 4,92% neste ano

Mercado financeiro prevê inflação em 4,92% neste ano

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), neste ano, subiu de 4,85%…
Uepa prorroga inscrições para especialização em Parauapebas

Uepa prorroga inscrições para especialização em Parauapebas

Foram prorrogadas até o dia 23 de abril as inscrições ao Processo Seletivo para o Curso de Especialização em Teorias…
Parauapebas terá 1º Seminário de Educação Escolar Indígena

Parauapebas terá 1º Seminário de Educação Escolar Indígena

Com o objetivo de valorizar ainda mais a educação indígena, além de levantar debates e reflexões acerca da temática, a…