Correio de Carajás

Caminhoneiros ameaçam fechar rodovia federal em Marabá

Movimentação era tímida no final da tarde desta quarta-feira, próximo à Vila São José/ Fotos: Evangelista Rocha

MANIFESTAÇÃO

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Eles estão acampados na Vila São José e reivindicam preço do combustível mais baixo e reclamam das condições das estradas

Na tarde desta quarta-feira (8), alguns manifestantes da classe dos caminhoneiros se reuniram na altura do Km 8 da Rodovia Transamazônica, na Vila São José, em Marabá. A reivindicação da classe é para baixar o preço do combustível que está impossibilitando os trabalhadores de seguirem viagem.

De acordo com Rosivaldo Freitas, que atualmente está trabalhando como caminhoneiro, o ICMS – Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação – está dificultando o trabalho.

“Estamos querendo condições de trabalho e isso depende do poder público. O Governo do Estado tem no mínimo que ser sensível a essa classe que gera emprego e renda. Se não tivermos um combustível competitivo não vamos conseguir trabalhar”.

Leia mais:

Para o Correio, Rosivaldo explicou que os caminhões estão parados e ficando sucateados, e reclamou das estradas. “Se os caminhoneiros sucumbirem, toda a sociedade vai sofrer. Utilizamos muito as estradas estaduais e estão em péssimas condições. Não temos nem acostamento.

Os manifestantes afirmam que irão continuar reunidos no local e afirmaram que a rodovia deve ser fechada na tarde desta quinta-feira (9). O horário ainda não foi definido.

Eles estão com isopor com águas e fizeram até um improviso de uma churrasqueira, onde estão assando carne. Ali pretendem ficar por tempo indeterminado.

Alguns empresários patrocinaram água e alimentos para o grupo que está acampado no local

Ação política

A atitude dos caminhoneiros em Marabá não foi um ato isolado. Ao menos sete estados registram bloqueios, nesta quarta-feira (8/9), em rodovias federais, subindo o nível de alerta de transportadoras e mercados. Alguns postos já começaram a ficar sem combustíveis.

O movimento é organizado por caminhoneiros autônomos, um dia após manifestantes pró-governo pedirem, dentre outras pautas, o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional, em diversos atos pelo país.

Há registros de bloqueios em rodovias federais do Pará, Goiás, Paraná, Espírito Santo, Santa Catarina, Mato Grosso, Bahia e Tocantins.

“Pontos de interdição nas rodovias federais no PR [Paraná] em decorrência de manifestações: BR-376 Km 109 em Paranavaí e BR-376 Km 188 em Maringá. Estão sendo retidos apenas veículos de carga. Veículos de passageiros e cargas perecíveis estão liberados”, informou a PRF do Paraná, em comunicado via rede social.

Em Tocantins, a PRF informou ao Metrópoles que um grupo de pessoas fechou a rodovia em Araguaína utilizando pneus e um caminhão. “Ao que parece, nem todos são caminhoneiros. Esse grupo está impedindo a passagens de caminhões pela rodovia. A PRF já está no local tomando as devidas providências”, detalhou.

Em Goiás, a PRF registra os seguintes pontos com manifestações nas rodovias federais:

“- BR-153, em Itumbiara, na região sul do estado:

bloqueio parcial da via por veículos de carga, com uma das faixas liberadas para carros de passeio, cargas perecíveis e transporte de passageiros.

– BR-153, em Porangatu, norte do estado:

bloqueio parcial da via por veículos de carga, com uma das faixas liberadas para carros de passeio, cargas perecíveis e transporte de passageiros. Em ambos os sentidos da via.

Em Mineiros, na BR-364, houve bloqueio parcial, mas, no momento, a pista está totalmente liberada.

Em Santa Rita do Araguaia, na BR-364, região sudoeste do estado, há manifestantes que chegaram a bloquear parcialmente a rodovia, mas no momento o trânsito flui normalmente, sem interdições.

Em Campo Alegre de Goiás, BR-050, há manifestantes às margens da rodovia, sem interdição. Trânsito flui normalmente.

PRF nos locais acompanhando e monitorando as movimentações, negociando para liberação total da via.”

Em Mato Grosso do Sul, segundo a PRF, a interdição é organizada por indígenas. Ao menos dois pontos ainda estavam interditados no fim desta tarde, e outros cinco foram liberados.

Preocupação

Em nota, a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística) manifestou “total repúdio” às paralisações organizadas por caminhoneiros, por influência de supostos líderes da categoria.

“Trata-se de movimento de natureza política e dissociado até mesmo das bandeiras e reivindicações da própria categoria, tanto que não tem o apoio da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos”, explicou a associação.

Segundo a NTC, o bloqueio nas rodovias poderá causar sérios transtornos à atividade de transporte realizada pelas empresas, “com graves consequências para o abastecimento de estabelecimentos de produção e comércio, atingindo diretamente o consumidor final, de produtos de todas as naturezas inclusive os de primeira necessidade da população como alimentos, medicamentos, combustíveis etc”.

A associação disse também esperar que os governos federal e estaduais adotem as providências indispensáveis para assegurar às empresas de transporte rodoviário de cargas o pleno exercício do seu direito de ir e vir e de livre circulação nas rodovias em todo o território nacional.

(Ana Mangas e Zeus Bandeira)

Comentários

Mais

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

As indenizações de cerca de 400 pessoas que alegam não ter sido contempladas com a criação do Parque Estadual da…
Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

No último dia 6 de junho uma decisão publicada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a suspensão de ordens ou…
Reflexões sobre depressão e suicídio

Reflexões sobre depressão e suicídio

Um jovem de 28 anos tirou a própria vida se atirando na direção de uma carreta em movimento. O caso…
Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

No ranking das dez piores ligações rodoviárias do País, boa parte das estradas está situada em regiões agrícolas, dificultando o…
Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

O Laboratório de Inflação e Custo de Vida de Marabá (Lainc), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará…
Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

O desemprego recuou para 13,7% em junho, último mês do trimestre móvel iniciado em abril. O percentual foi atingido depois…