Correio de Carajás

Acadêmicos de medicina da Uepa cobram vacinação em Marabá

: Os acadêmicos Lucas Lima, Cleber Bezerra e Douglas Rodrigues procuraram o Correio de Carajás para reclamar da situação / Foto: Evangelista Rocha
: Os acadêmicos Lucas Lima, Cleber Bezerra e Douglas Rodrigues procuraram o Correio de Carajás para reclamar da situação / Foto: Evangelista Rocha
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Plano Nacional recomenda que a categoria seja incluída na imunização, mas a a PMM justifica que a Sespa não enviou vacinas para este público

Acadêmicos do curso de Medicina da Uepa (Universidade do Estado do Pará) – Campus de Marabá – continuam reivindicando o direito de serem vacinados contra a covid-19. Eles alegam que muitos estudantes estão atuando na linha de frente – seja como estagiários ou na etapa de internato – atendendo a pacientes com sintomas gripais e em ambientes onde há casos confirmados da doença.

De acordo com o Plano Nacional de Vacinação Contra a Covid-19, os “acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde em estágio hospitalar, atenção básica, clínicas e laboratórios” estão incluídos nos grupos prioritários que devem ser imunizados.

Desde o mês de abril, os acadêmicos solicitam, por meio de ofício, à Secretaria de Saúde Pública do Estado (Sespa) que siga o Plano Nacional e os inclua na Campanha de Vacinação.

Leia mais:

No entanto, o órgão comunicou que a responsabilidade de organizar a imunização é das Prefeituras Municipais, por meio de suas secretarias de saúde, conforme explica Lucas Lima, presidente do Centro Acadêmico de Medicina de Marabá (CAMMAB). “Outros municípios, como Santarém, Altamira e até Belém, já incluíram os estudantes na vacinação, depois que os campi dessas cidades enviaram ofícios cobrando”, acrescenta.

No dia 14 de abril, o CAMMAB se reuniu com o secretário municipal de saúde, Valmir Moura, para tratar essa questão, porém, ele informou que seria necessário aguardar a Prefeitura dar cumprimento a uma recomendação do Ministério Público Estadual, que pedia prioridade na vacinação dos idosos.

“Ele disse que até o final de abril já teriam cumprido a recomendação do MP e em seguida poderiam nos incluir na campanha. Porém, depois disso, nada foi feito”, conta Lucas, complementando que o ofício mais recente foi enviado há duas semanas e não foi respondido.

Os estudantes estão atuando em diversos órgãos municipais de saúde como: Hospital Municipal, Hospital Materno Infantil, Centro de Especialidades Integradas, no Centro de Referências de Saúde da Mulher, no Hospital Regional do Sudeste do Pará, e nas Unidades Básicas de Saúde.

Em uma reportagem do G1 sobre o caso, a Prefeitura de Marabá informou que “o protocolo de vacinação é entregue pela Sespa para os grupos específicos, não podendo o município redirecionar, sem autorização, esta demanda já determinada”, e que “atenderá a demanda desde que a Sespa envie as doses para este grupo”.

Um fato inquietante comentado por Lucas e os demais estudantes, é que há acadêmicos de outras instituições e cursos que atuam dentro da Secretaria de Saúde que foram vacinados. “Ouvimos esses boatos de colegas da área. Então, por que não liberar a vacina para os demais?”, indaga o acadêmico.

Atualmente, o município está vacinando professores do ensino fundamental, médio, profissionalizante e superior, a partir de 35 anos; os trabalhadores da educação com mais de 50 anos; e os trabalhadores de transporte coletivo rodoviário urbano, motoristas e cobradores, com mais de 50 anos.

Sobre o assunto, a Prefeitura de Marabá emitiu a seguinte nota:

O protocolo de vacinação, bem como as demandas que são enviadas para o município, são entregues pela SESPA e vêm de forma determinada para os grupos específicos, não podendo o município redirecionar sem autorização esta demanda já determinada. Vale ressaltar que a cidade já vacinou profissionais de saúde, médicos, enfermeiros, assim como toda equipe de linha de frente e trabalhadores da saúde como assistentes sociais, etc. Estas doses vieram de forma determinada pelo Estado para este público específico.

A Secretaria de Saúde do Município está pronta para atender a esta demanda, desde de que o Governo do Estado e a Secretaria de Saúde Estadual nos envie as doses assim determinadas para este público.

O Correio de Carajás procurou a Sespa e solicitou posicionamento, porém, até as 17h20, não obtivemos retorno. (Zeus Bandeira)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…