Correio de Carajás

Venezuelanos Warao deixam abrigo e acampam em praça de Parauapebas

Indígenas venezuelanos reivindicam melhorias no abrigo/Foto: Davi Andrade
Indígenas venezuelanos reivindicam melhorias no abrigo/Foto: Davi Andrade
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Acampamento dos indígenas foi montado próximo ao Terminal Rodoviário

Cinquenta e seis indígenas venezuelanos da etnia Warao que estavam instalados em um abrigo do município de Parauapebas localizado no Bairro Vale do Sol, hoje estão acampados em uma praça à beira da Avenida Presidente Kennedy, próximo ao Terminal Rodoviário da cidade.

Eles alegam falta de auxílio da administração pública no abrigo e reivindicam aguardar por melhores condições para sobreviver. Segundo os próprios indígenas, faltam utensílios para a cozinha, como fogão a gás, e para a lavanderia, como máquina de lavar roupa.

Acampados com redes penduradas pela praça, com malas expostas e crianças correndo próximas ao fluxo de trânsito, os imigrantes têm como recurso pedir esmola aos que passam pelo local. Eles também se deslocam a outros pontos da cidade em busca de dinheiro. Há, por fim, dificuldade dos refugiados com a língua portuguesa, para que relatem em detalhes os incômodos.

Leia mais:

Procurado pela reportagem, o responsável pelo abrigo, José Luiz, alegou que as reivindicações apresentadas a ele são de que os monitores do abrigo sejam dispensados e que a chave da cozinha seja dada aos abrigados, cedendo o cômodo ao controle das famílias, acrescentando que os indígenas fazem cinco refeições diárias.

José Luiz, responsável pelo abrigo, abriu instalações para a reportagem e criticou os indígenas/Foto: Davi Andrade
José Luiz, responsável pelo abrigo, abriu instalações para a reportagem e criticou os indígenas/Foto: Davi Andrade

José Luiz acusa os venezuelanos de quebrar um acordo feito com o abrigo, levando as crianças para o acampamento e afirma que o fazem porque os pequenos significam “renda pra eles”, referindo-se à mendicância: “quando eles pedem sem as crianças do lado, a remuneração cai bastante”.

O diretor defende que as crianças recebem educação, recreação e entretenimento e que as famílias possuem assistência, incluindo piscina, área recreativa, comida e fraldas. “Eles vão para a rua reivindicar essas coisas como se eles não tivessem, mas isso não é verdade”, declarou (Juliano Corrêa – com informações de Ítalo Almeida)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…