Correio de Carajás

Violência financeira cresce contra idosos em Marabá

Presidente do CMDPPI, Eliúde Roberto explica que chegam muitas denúncias anônimas ao Conselho
Presidente do CMDPPI, Eliúde Roberto explica que chegam muitas denúncias anônimas ao Conselho
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa atua para frear número de casos e conscientizar familiares

No Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, 15 de junho, marcado pela campanha Junho Violeta, a Secretaria Municipal de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários (Seaspac) e o Conselho Municipal do Direito da Pessoa Idosa (CMDPPI) realizaram uma palestra on-line, marcando a abertura da campanha no município. Este ano, em Marabá, o Junho Violeta tem como tema “O silêncio também é crime – denuncie!”.

De acordo com a presidente do Conselho Municipal do Direito da Pessoa Idosa, Eliude Lima Roberto Ribeiro, de janeiro a junho deste ano foram registrados 41 atendimentos no conselho, destes 35 foram denúncias solucionadas e seis estão em andamento com o Ministério Público Estadual.

Ainda em âmbito local, desse número a predominância é de casos de famílias que cometem violência financeira com idoso e ainda abandono. A faixa etária de idosos que são vítimas está entre 60 a 84 anos, a maioria do sexo masculino.

Leia mais:

Durante a live, uma das convidadas, professora Walquíria Alves, relembrou os dados nacionais da violência contra o idoso, contabilizados através do Disque 100. Em primeiro lugar está a negligência contra idosos, na sequência a violação psicológica e hostilização, em que, na maioria das vezes, o agressor é um filho do idoso. A faixa etária registrada nessas estatísticas é de 66 a 70 anos.

Além de Walquíria Alves, participaram da programação, Lady Anne Souza, professora e Conselheira Municipal da Pessoa Idosa, o advogado Alexandre Rosa, da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SEJUDH), professora Cláudia Cilene (representante do Conselho Municipal de Defesa da Pessoa Idosa) e ainda Maria Onete Fonseca, assistente social e também conselheira do CMDPPI.

O Junho Violeta foi criado em 2006 com o intuito de defender os idosos, conforme ressalta a presidente do Conselho Eliude Roberto. “Nós dizemos não à violência da pessoa idosa, nós, em Marabá, vamos como Conselho abrir os trabalhos e estender até à zona rural, com panfletagem, entregando cartazes nas unidades de saúde e em diversos pontos. Vamos conscientizar as pessoas contra à violência da pessoa idosa que é tão inocente. Um vizinho, um amigo, qualquer pessoa que ver uma violência contra idoso deve denunciar, o silêncio é crime”, conscientiza.

A presidente do CMDPPI afirma que chegam muitas denúncias anônimas ao CMDPPI pelos telefones, plantões sociais e pelo Disque 100, as quais são checadas através dos CRAS (Centro de Referência em Assistência Social), e quando confirmadas a veracidade, as providências são tomadas através do Conselho, sendo acionado o Ministério Público em casos mais extremos.

Nadjalucia Oliveira, secretária municipal de Assistência Social, ressalta que a violência contra o idoso é um fenômeno desastroso, onde quase diariamente recebem denúncias. A secretária frisa que em Marabá, a maioria de abandonados são homens que vieram na década de 1980 em busca de melhores condições. “Com a pandemia, a violência contra idosos ficou mais evidente, porque ele ficou completamente isolado. Antes poderíamos desenvolver mais atividades, a partir de então o idoso passou a conviver mais com o familiar”, conta.

Como forma de violência material, ela cita familiares que utilizam da aposentadoria do idoso em benefício próprio e assim negligenciam com ele. “Mas, com as discussões e protagonismo dos conselhos, de 5 anos para cá tivemos avanço, como a praça do idoso, departamento para o idoso no acolhimento da área da assistência. Outras conquistas serão ampliadas. Nós, enquanto familiares, temos de valorizar a pessoa idosa, não é porque ela ficou idosa que não serve mais. É hora de maior acolhimento, carinho e proteção”, adverte Nadjalucia Oliveira.

Atualmente, Marabá conta com o Centro Integrado da Pessoa Idosa Antônio Rodrigues (Cipiar), que fica localizado no bairro Belo Horizonte. (Ascom PMM)

Comentários

Mais

Líder da Fetraf estadual perde luta contra o câncer

Líder da Fetraf estadual perde luta contra o câncer

Nesta terça-feira, dia 27, Viviane Pereira de Oliveira, a popular Vivian, perdeu a luta de oito anos contra um tumor…
Moradores da Vila do Rato aprovam ponte interligando ao Bairro Amapá

Moradores da Vila do Rato aprovam ponte interligando ao Bairro Amapá

Após a notícia da possível construção de uma ponte interligando os bairros Amapá e Marabá Pioneira, passando pela Vila Canaã…
Professores de Marabá voltam às escolas dia 9 de agosto

Professores de Marabá voltam às escolas dia 9 de agosto

Pela primeira vez, desde o início da pandemia, em março de 2020, todos os professores da rede municipal de Educação…
Enfermeiros consolam homem com fobia de agulha para vaciná-lo na Paraíba [VÍDEO]

Enfermeiros consolam homem com fobia de agulha para vaciná-lo na Paraíba [VÍDEO]

Brincadeiras à parte, muitos adultos possuem fobia de agulha – uma condição conhecida como ‘Aicmofobia‘. Esse pavor inconsciente por vezes…
Presidente do Flamengo e mais quatro são denunciados pelo MPF por prejuízo a fundos de pensão

Presidente do Flamengo e mais quatro são denunciados pelo MPF por prejuízo a fundos de pensão

O Ministério Público Federal de Brasília denunciou à Justiça o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, e outras quatro pessoas pelo…
Butantan entrega mais 1,5 milhão de doses de CoronaVac

Butantan entrega mais 1,5 milhão de doses de CoronaVac

O Instituto Butantan entregou hoje (28) mais 1,5 milhão de doses de CoronaVac, vacina contra a covid-19 desenvolvida em parceria…