Correio de Carajás

Unimed Sul do Pará e Fama terão que ampliar prazo para portabilidade de idosos

Unimed Sul do Pará e Fama terão que ampliar prazo para portabilidade de idosos
Decisão judicial garante tratamento mais digno aos idosos na portabilidade do plano de saúde em Marabá/ Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Juíza Andrea Aparecida de Almeida Lopes, respondendo pela 3ª Vara Cível e Empresarial de Marabá, deferiu nesta terça-feira (10), liminar para que a Unimed Sul do Pará e a Unimed Fama garantam portabilidade especial aos idosos beneficiários de planos de assistência médica individuais ou coletivos firmados com a Unimed Sul Pará, com prazo prorrogado de mais 30 dias, garantindo a eles as mesmas condições de pagamento, no caso de optarem por exercer a portabilidade com a recepção pela Unimed Fama, uma vez que ela adquiriu a área de abrangência da Unimed Sul do Pará.

A magistrada fixou multa de R$ 300 à Unimed Sul do Pará caso haja negativa de concessão da carta de portabilidade e de R$ 300,00 à Unimed Fama caso haja negativa de recepção em novo plano com a garantia de mesmas condições de pagamento anteriores. Além disso, as duas terão que veicular amplamente, no prazo de até cinco dias, por meio de impressa local/regional, comunicado aos idosos interessados sobre a prorrogação do prazo, a fim de permitir que procedam, caso queiram, a migração. Por descumprimento, foi fixada multa diária em R$ 1.000.

Por cautela, a justiça determinou, ainda, que as duas empresas mantenham solidariamente a prestação dos serviços com relação aos planos ainda não migrados, sob pena de R$ 1.000 por negativa de atendimento, limitada a R$ 200 mil.

Leia mais:

AÇÃO COLETIVA

A decisão é proveniente de Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público Estadual, em caráter antecedente, em defesa dos idosos beneficiários após a Unimed Sul Pará ter a renovação do registro obstado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que também determinou a alienação compulsória da área de abrangência e da carteira de contratos então titularizados.

Destaca o Ministério Público que os substituídos, na sua maioria, são pessoas que mantém relação contratual com a Unimed Sul Pará por aproximadamente 20 anos e que foram lesados enquanto usuários do serviço. Ainda conforme a promotoria, a Unimed Fama, que adquiriu a carteira na área de abrangência, impôs desvantagens excessivamente onerosas aos idosos.

Antes da decisão, o prazo limite para a portabilidade extraordinária dos contratos venceria no próximo dia 20, e, caso os usuários não fossem recepcionados em qualquer plano novo até este limite, perderiam o benefício da portabilidade, o os obrigaria a cumprir novas carências em futuras contratações.

DEFESAS

No processo, a Unimed Sul Pará expôs os motivos pelos quais teria sido obrigada a alienar a área de abrangência, informando que requereu o cancelamento do registro de operação na assistência médica à saúde e que cumpriu a ritualística imposta pela ANS para o caso de saída compulsória do mercado de saúde suplementar. Esclareceu também que não pode ser compelida a cumprir a obrigação pretendida pelo Órgão Ministerial [garantir a portabilidade extraordinária com as mesmas condições inicialmente pactuadas], pois isso implicaria em limitação da autonomia privada de outras operadoras de planos de saúde suplementar.

Por fim, ressaltou que as notícias levadas ao conhecimento do Ministério Público não refletem a realidade, tendo em vista que não se estabeleceu tal data como limite para atendimentos e coberturas quaisquer.

Já a Unimed Fama concentrou os argumentos na ausência de probabilidade do direito alegado e expondo ter cumprido as exigências legais para a incorporação da área de abrangência da Unimed Sul Pará, não podendo ser molestada na sua autonomia privada, como pretende o Órgão Ministerial, para garantir as mesmas condições de contratações pactuadas pela Unimed Sul Pará.

Destacou, ainda, que a portabilidade especial está disciplinada no âmbito das resoluções da ANS e visa garantir a possibilidade de nova contratação, devido à situação extraordinária, sem o cumprimento de novas carências. Enfatiza, porém, que essa garantia se limita a questão das carências, não podendo ser interpretada para fins de obrigar o novo plano a manutenção de condições de pagamento, assim, sugerindo que o pedido liminar é juridicamente impossível.

Na decisão, a magistrada destaca, entre outros pontos, que o caso “envolve inúmeros idosos com risco de deixarem de ter acesso ao serviço de saúde suplementar, muitos com tratamento em curso quanto a doenças graves, tratamentos que não podem ser interrompidos devido ao risco de morte”. (Luciana Marschall)

Mais

Pagamentos com cartões crescem 17% no primeiro trimestre

Pagamentos com cartões crescem 17% no primeiro trimestre

As transações por cartões (crédito e débito) registraram um aumento de 17,3% nos valores movimentados no primeiro trimestre deste ano…
Cadáveres não foram violados no Cemitério da Saudade, em Marabá

Cadáveres não foram violados no Cemitério da Saudade, em Marabá

Circulou nas redes sociais na manhã desta terça-feira (11) a foto de um caixão aberto, que possivelmente seria no Cemitério…
Servidores da Educação iniciam greve em frente à Semed

Servidores da Educação iniciam greve em frente à Semed

Servidores públicos tomaram a frente da Secretaria Municipal de Educação (Semed) de Marabá na manhã desta terça-feira (11) após a…
Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca para grávidas

Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca para grávidas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a suspensão imediata do uso da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz…
Mais de 38 mil pessoas já participaram de contações de história durante a pandemia

Mais de 38 mil pessoas já participaram de contações de história durante a pandemia

A pandemia da covid-19 consolidou a internet como principal plataforma de entretenimento no Brasil. A rede está repleta de programações…
Operação fiscaliza bares e restaurantes em Marabá

Operação fiscaliza bares e restaurantes em Marabá

As forças de segurança seguem fiscalizando o cumprimento do Decreto Municipal nº 184/2021, que permite a reabertura de bares no…