Correio de Carajás

UEPA : Bloco 4 deve ser entregue logo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Entre paradas e atrasos, o Bloco 4 do Campus da Universidade Estadual do Pará (UEPA), em Marabá, parece que finalmente ficará pronto. Segundo a coordenadora da instituição no município, Danielle Rodrigues Monteiro, em cerca de três meses a nova estrutura deve ser inaugurada. O prédio tem capacidade para receber 250 alunos, 18 salas e 12 laboratórios da universidade.

Ela contou à reportagem que faltam ainda alguns ajustes que precisam ser feitos no espaço, como a instalação do sistema de vigilância, revisão da parte elétrica, urbanização, reconstrução de muros e estacionamento. Garantiu, porém, que as salas de aula e laboratórios já estão devidamente equipados. Danielle ainda disse que, uma vez inaugurada, a estrutura vai abrigar também a administração da universidade.

“Esse bloco vai contribuir muito para as nossas atividades aqui no campus, porque nós vamos praticamente dobrar o nosso espaço físico. É um bloco que tem dois pavimentos mais o térreo”, declarou, informando que hoje existem alunos utilizando salas alugadas em uma faculdade particular do município para cursar as graduações. Eles são integrantes de oito turmas dos cursos de medicina, biomedicina e engenharia florestal.

Leia mais:

O Bloco 4 começou a ser construído em 2012 e vários prazos foram colocados para a sua conclusão. Quando anunciado, o novo prédio foi visto como um grande avanço. Ocorre que os prazos não se cumpriram e o desânimo tomou conta da comunidade acadêmica. Em junho passado diversos alunos saíram em protesto pelas ruas de Marabá pedindo o término das obras.

No entanto, a retomada foi acontecer apenas em outubro de 2016 e tinha como limite oito meses para que o espaço fosse finalizado. Já se passaram 12 meses e a obra ainda não está pronta. Agora, a nova previsão é de que dentro de três meses seja inaugurada. 

De acordo com a coordenadora, é preciso que a estrutura fique pronta até mesmo para que a universidade possa adicionar novas graduações em sua grade, já que há solicitação da comunidade para implantação dos cursos de música e fisioterapia. “Mas os cursos dependem muito da organização da estrutura. Então, nós precisamos de concurso para professor, mais espaço”.

Além disso, ela acrescentou que o cenário atual do país não tem sido nem um pouco favorável aos projetos desenvolvidos dentro do ambiente acadêmico. “Se bem que o cenário atual não é muito favorável à pesquisa, ao ensino. A gente vem lutando muito, por conta da falta de recursos para a educação, tanto em nível estadual e federal. Mas a gente tem batalhado bastante para conseguir o mínimo para funcionamento dos cursos”, declarou. Para ela, é preciso que os órgãos de fomento à educação, como a Fapespa (Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas), lancem editais para a subscrição de novos projetos.

Ela acredita também que, até o fim deste ano, deve ser lançado concurso para a contratação de novos técnicos da instituição, isso para que em 2018, a Uepa apresente um novo cenário, com mais espaço e profissionais.

Divulgação

Embora o campus da Universidade Estadual do Pará esteja bem localizada no município, próxima à sede do Incra na Cidade Nova, Danielle Monteiro destaca que poucos conhecem a instituição. Atualmente, existem oito graduações no campus: medicina, biomedicina, engenharia florestal, ambiental, produção, tecnologia de alimentos, ciências naturais e letras/libras.

Atualmente, a UEPA tem 912 alunos. Para tornar a instituição mais visível, a administração, com a colaboração de estudantes e professores, conta com uma web rádio e também com projetos de divulgação na cidade. 

SÍNTESE – O Bloco 4, também conhecido como Bloco de Saúde, da universidade começou a ser construído em 2012 e vários prazos foram dados para a sua conclusão, porém nenhum deles se cumpriu. O valor da obra está orçado em R$6.353.620,35.

(Nathália Viegas com informações de Josseli Carvalho)

 

Entre paradas e atrasos, o Bloco 4 do Campus da Universidade Estadual do Pará (UEPA), em Marabá, parece que finalmente ficará pronto. Segundo a coordenadora da instituição no município, Danielle Rodrigues Monteiro, em cerca de três meses a nova estrutura deve ser inaugurada. O prédio tem capacidade para receber 250 alunos, 18 salas e 12 laboratórios da universidade.

Ela contou à reportagem que faltam ainda alguns ajustes que precisam ser feitos no espaço, como a instalação do sistema de vigilância, revisão da parte elétrica, urbanização, reconstrução de muros e estacionamento. Garantiu, porém, que as salas de aula e laboratórios já estão devidamente equipados. Danielle ainda disse que, uma vez inaugurada, a estrutura vai abrigar também a administração da universidade.

“Esse bloco vai contribuir muito para as nossas atividades aqui no campus, porque nós vamos praticamente dobrar o nosso espaço físico. É um bloco que tem dois pavimentos mais o térreo”, declarou, informando que hoje existem alunos utilizando salas alugadas em uma faculdade particular do município para cursar as graduações. Eles são integrantes de oito turmas dos cursos de medicina, biomedicina e engenharia florestal.

O Bloco 4 começou a ser construído em 2012 e vários prazos foram colocados para a sua conclusão. Quando anunciado, o novo prédio foi visto como um grande avanço. Ocorre que os prazos não se cumpriram e o desânimo tomou conta da comunidade acadêmica. Em junho passado diversos alunos saíram em protesto pelas ruas de Marabá pedindo o término das obras.

No entanto, a retomada foi acontecer apenas em outubro de 2016 e tinha como limite oito meses para que o espaço fosse finalizado. Já se passaram 12 meses e a obra ainda não está pronta. Agora, a nova previsão é de que dentro de três meses seja inaugurada. 

De acordo com a coordenadora, é preciso que a estrutura fique pronta até mesmo para que a universidade possa adicionar novas graduações em sua grade, já que há solicitação da comunidade para implantação dos cursos de música e fisioterapia. “Mas os cursos dependem muito da organização da estrutura. Então, nós precisamos de concurso para professor, mais espaço”.

Além disso, ela acrescentou que o cenário atual do país não tem sido nem um pouco favorável aos projetos desenvolvidos dentro do ambiente acadêmico. “Se bem que o cenário atual não é muito favorável à pesquisa, ao ensino. A gente vem lutando muito, por conta da falta de recursos para a educação, tanto em nível estadual e federal. Mas a gente tem batalhado bastante para conseguir o mínimo para funcionamento dos cursos”, declarou. Para ela, é preciso que os órgãos de fomento à educação, como a Fapespa (Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas), lancem editais para a subscrição de novos projetos.

Ela acredita também que, até o fim deste ano, deve ser lançado concurso para a contratação de novos técnicos da instituição, isso para que em 2018, a Uepa apresente um novo cenário, com mais espaço e profissionais.

Divulgação

Embora o campus da Universidade Estadual do Pará esteja bem localizada no município, próxima à sede do Incra na Cidade Nova, Danielle Monteiro destaca que poucos conhecem a instituição. Atualmente, existem oito graduações no campus: medicina, biomedicina, engenharia florestal, ambiental, produção, tecnologia de alimentos, ciências naturais e letras/libras.

Atualmente, a UEPA tem 912 alunos. Para tornar a instituição mais visível, a administração, com a colaboração de estudantes e professores, conta com uma web rádio e também com projetos de divulgação na cidade. 

SÍNTESE – O Bloco 4, também conhecido como Bloco de Saúde, da universidade começou a ser construído em 2012 e vários prazos foram dados para a sua conclusão, porém nenhum deles se cumpriu. O valor da obra está orçado em R$6.353.620,35.

(Nathália Viegas com informações de Josseli Carvalho)

 

Comentários

Mais

MPs recomendam proteção de indígenas contra covid-19 no sudeste do PA

MPs recomendam proteção de indígenas contra covid-19 no sudeste do PA

Em recomendações conjuntas, o Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) requisitaram uma série…
A arte pra “rir, chorar e refletir” de Mandie Gil

A arte pra “rir, chorar e refletir” de Mandie Gil

Artes, maquiagens, receitas, discussões político-sociais, tutoriais, dicas, gatos…. tem um pouco de muito no perfil de Amanda Gil Cardoso de…
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

O salário mínimo em 2022 será de R$ 1.147 e não terá aumento acima da inflação, anunciou o Ministério da…
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

A Petrobras anunciou hoje (15) aumentos de R$ 0,10 (3,7%) no preço do diesel e de R$ 0,05 (1,9%) no…
Linha Verde lança campanha “Abril Laranja”

Linha Verde lança campanha “Abril Laranja”

O programa Linha Verde aderiu à campanha “Abril Laranja”, que possui como objetivo conscientizar a população e prevenir o crime…
Sespa reforça necessidade de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19

Sespa reforça necessidade de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19

Para que a proteção à Covid-19 proporcionada pelas vacinas funcione como o previsto é necessário tomar as duas doses, tanto…