Correio de Carajás

Uefa recusa pedido para iluminar arena com arco-íris para partida da Eurocopa

Foto: Allianz Arena/ Divulgação AS+ Projects
Foto: Allianz Arena/ Divulgação AS+ Projects
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Uefa, federação do futebol europeu, negou um pedido para iluminar nas cores do arco-íris a Allianz Arena, em Munique, para a partida entre Alemanha e Hungria pela Eurocopa na próxima quarta-feira, 23.

O pedido foi feito a partir de uma proposta do conselho municipal de Munique, depois que o parlamento húngaro aprovou uma lei anti-LGBTQI na semana passada.

“Racismo, homofobia, machismo e todas as formas de discriminação são uma mancha em nossas sociedades –e representam um dos maiores problemas enfrentados pelo jogo hoje”, disse a Uefa em comunicado nesta terça, 22.

Leia mais:

“Comportamento discriminatório estraga as partidas e, fora do estádio, o discurso na internet sobre o esporte que amamos. Porém, a UEFA, através de seus estatutos, é uma organização neutra política e religiosamente. Dado o contexto político deste requerimento específico –uma mensagem que tem como alvo uma decisão do parlamento nacional húngaro– a Uefa deve negar esse requerimento”, completou.

A organização acrescentou ainda que propôs à Munique que ilumine o estádio em 28 de junho, Dia da Liberação da Rua Christopher, ou entre 3 de julho e 9 de julho, que é a semana do Dia da Rua Christopher em Munique, data que reconhece as revoltas de 1969 de Stonewall e a marcha na cidade de Nova York que aconteceu um ano depois, e agora é considerada a primeira parada do orgulho gay.

Lei anti-LGBTQI

A legislação aprovada na Hungria bane conteúdos que “promovem homossexualidade e mudança de gênero” em escolas. A lei foi amplamente criticada por grupos de defesa dos direitos humanos e partidos de oposição.

No pedido de vários partidos enviado ao conselho municipal de Munique, e repassado a Uefa, a ideia de iluminar a Allianz Arena nas cores do arco-íris era para “dar um sinal visível e importante de solidariedade para a comunidade LGBTI na Hungria, que sofrem sob a legislação governamental homofóbica e transfóbica”. (Roma News com informações da CNN)

Comentários

Mais

Com ouro de Ana Marcela Cunha, Brasil ultrapassa recorde de mulheres medalhistas em uma Olimpíada

Com ouro de Ana Marcela Cunha, Brasil ultrapassa recorde de mulheres medalhistas em uma Olimpíada

Se o Brasil ainda busca ultrapassar o recorde de medalhas da Rio-2016, onde atingiu 19 conquistas no quadro geral, o…
Seleção de vôlei vence Rússia e encara Coreia do Sul na semi

Seleção de vôlei vence Rússia e encara Coreia do Sul na semi

A Seleção Brasileira feminina de vôlei venceu o Comitê Olímpico Russo por 3 sets a 1, de virada, com parciais…
Rebeca Andrade será porta-bandeira do Brasil em cerimônia de encerramento das Olimpíadas

Rebeca Andrade será porta-bandeira do Brasil em cerimônia de encerramento das Olimpíadas

Despedida em grande estilo. Medalhista de ouro e prata nos Jogos de Tóquio, Rebeca Andrade será a porta-bandeira do Brasil na…
Ana Marcela Cunha é campeã olímpica na maratona aquática em Tóquio

Ana Marcela Cunha é campeã olímpica na maratona aquática em Tóquio

A espera acabou. Depois de quatro ciclos olímpicos, Ana Marcela Cunha, de 29 anos, colocou em sua gigantesca galeria de…
No Z4 da Série B, Cruzeiro acerta retorno de Vanderlei Luxemburgo

No Z4 da Série B, Cruzeiro acerta retorno de Vanderlei Luxemburgo

O Cruzeiro anunciou nesta terça-feira (3) o retorno de Vanderlei Luxemburgo. O técnico de 69 anos se apresenta à Toca da…
Brasil avança à final de saltos no hipismo em Tóquio com Yuri Mansur

Brasil avança à final de saltos no hipismo em Tóquio com Yuri Mansur

O cavaleiro Yuri Mansur é o primeiro finalista da delegação brasileira de hipismo na Olimpíada de Tóquio (Japão). O paulistano,…