Correio de Carajás

Sete helicópteros são empregados em operação contra garimpos

Fotos: Divulgação PF
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Polícia Federal desencadeou nesta manhã, terça-feira (21), uma megaoperação – intitulada Muiraquitã – visando desarticular um esquema criminoso de garimpo e comercialização ilegal de ouro extraído do interior da Terra Indígena Kayapó, na região dos municípios de Ourilândia do Norte e Tucumã, no sudeste do Pará.

Com sete helicópteros e mais de 70 homens a ação contou com apoio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Fundação Nacional do Índio (Funai) e Secretaria de Segurança Pública do Estado do Pará.

De acordo com a assessoria de comunicação da PF, durante as investigações, foram identificados diversos pontos de logística e garimpos ilegais, além de duas pistas de pouso e decolagem de pequenos aviões utilizados para o transporte de ouro extraído ilegalmente da terra indígena.

Leia mais:
Fotos: Divulgação PF

As ações, destacou a instituição, visaram realizar prisões em flagrante dos envolvidos, facilitar a ação do órgão ambiental na constatação dos danos extremos à natureza, desativar as pistas de pouso que não são homologadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e estancar a extração e comercialização ilegal de ouro na região.

ENVOLVIMENTO DE INDÍGENAS

Segundo a Polícia Federal, as informações iniciais apontaram para o envolvimento de indígenas de algumas aldeias que, supostamente, compactuavam e lucravam com a atividade garimpeira clandestina. Há suspeita de envolvimento, ainda, de comerciantes de ouro da região, que atuam como receptadores do minério repassando-o para outros estados ou para outros países.

“A atividade mineradora clandestina ocasiona diversos danos ao meio ambiente e aos indígenas, sendo os mais recorrentes: desvio do curso de rios, desmonte hidráulico (no caso de garimpagem mecânica), aterramento de rios e contaminação do solo, ar e águas através de metais pesados, principalmente o mercúrio, extinção de vegetação e animais e contaminação dos silvícolas”, diz a nota da Polícia Federal.

Os peritos estão avaliando a extensão dos danos causados e os dados serão revertidos em laudo pericial. A operação recebeu o nome de “Muiraquitã” em referência aos objetos utilizados por povos indígenas como amuletos, símbolos de poder ou, ainda, como material para compra e troca de artefatos valiosos. (Luciana Marschall – com informações de Ascom/PF)

Mais

Câmeras da PM em Marabá identificam foragidos e veículos roubados

Câmeras da PM em Marabá identificam foragidos e veículos roubados

A segurança pública de Marabá conta, a partir de agora, com um sistema mais moderno de comunicação. Quem ligar para…
Vítima de homicídio é encontrada em campo de futebol

Vítima de homicídio é encontrada em campo de futebol

A 15ª Seccional Urbana de Tucuruí ficará encarregada de investigar o assassinato de um homem identificado pelo nome de Josiel…
Operação policial no Jacarezinho deixa pelo menos 25 mortos

Operação policial no Jacarezinho deixa pelo menos 25 mortos

Uma operação da Polícia Civil do RJ contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, deixou 25…
Trotes atrapalham as ações da polícia em Marabá

Trotes atrapalham as ações da polícia em Marabá

Todos os dias a Polícia Militar de Marabá atende diversas ligações falsas, os chamados trotes. Muitas das vezes, a equipe…
PRF apreende 105 toneladas de minério ilegal em caminhão na BR-222

PRF apreende 105 toneladas de minério ilegal em caminhão na BR-222

Um caminhão que transportava 105 toneladas de minério ilegal foi apreendido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no sudeste do Pará.…
Foragido da justiça é linchado por populares da Folha 16 após esfaquear homem

Foragido da justiça é linchado por populares da Folha 16 após esfaquear homem

Por volta das 16 horas desta quarta-feira, 5, um homem foi esfaqueado na Folha 16, no bairro Nova Marabá. A…