Correio de Carajás

Rock and Roll encerra a programação do Ocupa CDC em Parauapebas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Ao som de muito Rock and Roll, o Movimento Ocupa CDC encerrou ontem, dia 068, programação cultural de seis dias. O ‘Rock Caramujo’ foi a noite cultural do último dia. Com a apresentação de seis bandas de rock da cidade e a passagem da banda de Hard Core de Santos (SP) chamada Surra.

Na edição anterior da Cultura Livre nós te contamos como foram os três primeiros dias do Movimento Ocupa CDC e hoje vamos apresentar um panorama dos outros três dias da ocupação pacífica do Centro de Desenvolvimento Cultural de Parauapebas.

Na sexta, 04/08, tivemos a continuidade das oficinas durante o dia, entre elas, teatro, dança, percussão, cinema e expressão corporal. O Ocupa em seu desenho e configuração foi totalmente colaborativo, tendo os jovens que participaram ativamente de todos os dias o papel de organizar e encaminhar as atividades diárias.

Leia mais:

Café da manhã, almoço e jantar eram organizados pelos próprios participantes. Todos em busca de uma discussão que almeje trazer o reconhecimento da cultura no município e que políticas públicas sejam de fato implantadas, de forma mais democrática possível.

Cada noite cultural possuía um líder e organizador dos grupos que se apresentavam. Sexta foi dia de muito teatro, com apresentação da peça “Socorro quer casar”, dirigida pelo arte educador e produtor teatral Doddy Amancio da ATP (Associação de Teatro de Parauapebas).

Em seguida, tivemos uma sessão de cinema proposta pelo Coletivo Labirinto Cinema Clube de Parauapebas juntamente com a turma da Casa Lab liderada pelo produtor de cinema Ivan Oliveira. Com a exibição do Doc. “Observar e Absorver”, Ivan apontou à Cultura Livre a importância da atividade cineclubista como processo de formação e reflexão junto aos jovens.

O Cine Clube da cidade vem construindo história no contexto do cinema na Amazônia e Região Norte, tendo já realizado cinco edições do consagrado ‘Curta Carajás’ Festival de Cinema. Em breve, teremos mais uma edição do festival, garante Ivan.

Encerrada a sessão, as artes cênicas voltavam à tona novamente no Ocupa, com a apresentação da esquete de pantomima. “Encontros e Desencontros” conta a história de um casal que teve um caso no Carnaval e depois de quinze anos se encontrara novamente. A história é toda contada com o uso de artifícios, objetos, sonoplastia e sem uso do diálogo verbal, ou seja, apenas no gestual.

“Espeto e Graveto” deu sequência às apresentações, trabalhando a arte clown, o circo na sua essência. Dois palhaços em interações direta com o público presente. A madrugada cultural foi levada ao ritmo de um grande karaokê aberto a todos, com espaço dedicado a revelação dos novos talentos.

Já no sábado, 058, o Ocupa CDC era espaço de uso para a turma da cultura de rua de Parauapebas. Com a realização de um Campeonato de Skate (Skate Rock) no período da tarde, apresentação de Bike Flatland, Freestep e Batalha de MC’s. Quem encerrou a noite cultural foi o Rap Diamante e as letras de protesto de Wesley Guddie do grupo Bressing.

Paralelo às atividades do dia acontecia em cima do palco a oficina de grafite de Thiago Tigo, grafiteiro, artista visual e arte educador. Tigo fez uma intervenção artística de mais de sete horas com a participação de muitos jovens presentes. Thiago faz parte do coletivo RALE de grafite na cidade e sobre isso eu te falo também nos próximos encontros.

O domingo chegava e o Rock veio para energizar a todos, depois de uma maratona cultural de seis dias virando dia e noite no espaço do CDC. Pela manhã aconteceu uma Ciranda Infantil liderada pela Cia Kriô de Teatro com pinturas, brincadeiras, teatro, leitura, literatura, danças e rodas de ciranda.

Ao chegar à noite, era hora do ‘Rock Caramujo’. As bandas que subiram ao palco foram as Dioxana, Banda Sem Nome, Rise Above, FSM, DPA e a banda Surra, de São Paulo, direto da baixada santista, que fez muita gente vibrar com o melhor do Hard Core. Um papo com a galera do Surra eu te conto também em um próximo encontro, ainda esta semana.

As rodas de conversas fomentavam as discussões e debates no período diurno da programação. “Cultura e Cultura Política no Sec XXI’ foi uma das rodas mais marcantes dos seis dias, com ampla participação. Ao final do Ocupa, um documento foi redigido com todas as propostas e encaminhamentos obtidos ao longo da semana cultural.

O objetivo é levá-lo a uma sessão da Câmara Municipal e posteriormente ao Executivo da cidade, a fim de que os órgãos públicos tomem conhecimento da dimensão do movimento, dos desdobramentos oriundos dele e do posicionamento popular para não destruição do espaço.

Te vejo no próximo encontro!

Ao som de muito Rock and Roll, o Movimento Ocupa CDC encerrou ontem, dia 068, programação cultural de seis dias. O ‘Rock Caramujo’ foi a noite cultural do último dia. Com a apresentação de seis bandas de rock da cidade e a passagem da banda de Hard Core de Santos (SP) chamada Surra.

Na edição anterior da Cultura Livre nós te contamos como foram os três primeiros dias do Movimento Ocupa CDC e hoje vamos apresentar um panorama dos outros três dias da ocupação pacífica do Centro de Desenvolvimento Cultural de Parauapebas.

Na sexta, 04/08, tivemos a continuidade das oficinas durante o dia, entre elas, teatro, dança, percussão, cinema e expressão corporal. O Ocupa em seu desenho e configuração foi totalmente colaborativo, tendo os jovens que participaram ativamente de todos os dias o papel de organizar e encaminhar as atividades diárias.

Café da manhã, almoço e jantar eram organizados pelos próprios participantes. Todos em busca de uma discussão que almeje trazer o reconhecimento da cultura no município e que políticas públicas sejam de fato implantadas, de forma mais democrática possível.

Cada noite cultural possuía um líder e organizador dos grupos que se apresentavam. Sexta foi dia de muito teatro, com apresentação da peça “Socorro quer casar”, dirigida pelo arte educador e produtor teatral Doddy Amancio da ATP (Associação de Teatro de Parauapebas).

Em seguida, tivemos uma sessão de cinema proposta pelo Coletivo Labirinto Cinema Clube de Parauapebas juntamente com a turma da Casa Lab liderada pelo produtor de cinema Ivan Oliveira. Com a exibição do Doc. “Observar e Absorver”, Ivan apontou à Cultura Livre a importância da atividade cineclubista como processo de formação e reflexão junto aos jovens.

O Cine Clube da cidade vem construindo história no contexto do cinema na Amazônia e Região Norte, tendo já realizado cinco edições do consagrado ‘Curta Carajás’ Festival de Cinema. Em breve, teremos mais uma edição do festival, garante Ivan.

Encerrada a sessão, as artes cênicas voltavam à tona novamente no Ocupa, com a apresentação da esquete de pantomima. “Encontros e Desencontros” conta a história de um casal que teve um caso no Carnaval e depois de quinze anos se encontrara novamente. A história é toda contada com o uso de artifícios, objetos, sonoplastia e sem uso do diálogo verbal, ou seja, apenas no gestual.

“Espeto e Graveto” deu sequência às apresentações, trabalhando a arte clown, o circo na sua essência. Dois palhaços em interações direta com o público presente. A madrugada cultural foi levada ao ritmo de um grande karaokê aberto a todos, com espaço dedicado a revelação dos novos talentos.

Já no sábado, 058, o Ocupa CDC era espaço de uso para a turma da cultura de rua de Parauapebas. Com a realização de um Campeonato de Skate (Skate Rock) no período da tarde, apresentação de Bike Flatland, Freestep e Batalha de MC’s. Quem encerrou a noite cultural foi o Rap Diamante e as letras de protesto de Wesley Guddie do grupo Bressing.

Paralelo às atividades do dia acontecia em cima do palco a oficina de grafite de Thiago Tigo, grafiteiro, artista visual e arte educador. Tigo fez uma intervenção artística de mais de sete horas com a participação de muitos jovens presentes. Thiago faz parte do coletivo RALE de grafite na cidade e sobre isso eu te falo também nos próximos encontros.

O domingo chegava e o Rock veio para energizar a todos, depois de uma maratona cultural de seis dias virando dia e noite no espaço do CDC. Pela manhã aconteceu uma Ciranda Infantil liderada pela Cia Kriô de Teatro com pinturas, brincadeiras, teatro, leitura, literatura, danças e rodas de ciranda.

Ao chegar à noite, era hora do ‘Rock Caramujo’. As bandas que subiram ao palco foram as Dioxana, Banda Sem Nome, Rise Above, FSM, DPA e a banda Surra, de São Paulo, direto da baixada santista, que fez muita gente vibrar com o melhor do Hard Core. Um papo com a galera do Surra eu te conto também em um próximo encontro, ainda esta semana.

As rodas de conversas fomentavam as discussões e debates no período diurno da programação. “Cultura e Cultura Política no Sec XXI’ foi uma das rodas mais marcantes dos seis dias, com ampla participação. Ao final do Ocupa, um documento foi redigido com todas as propostas e encaminhamentos obtidos ao longo da semana cultural.

O objetivo é levá-lo a uma sessão da Câmara Municipal e posteriormente ao Executivo da cidade, a fim de que os órgãos públicos tomem conhecimento da dimensão do movimento, dos desdobramentos oriundos dele e do posicionamento popular para não destruição do espaço.

Te vejo no próximo encontro!

Comentários

Mais

Crônica de ninar para um Levi recém-chegado

Crônica de ninar para um Levi recém-chegado

Levi, o primogênito de Jéssika (com K mesmo) e Felipe Lincoln acaba de chegar ao mundo. A um mundo muito…

Síndrome do Desgaste Profissional

O termo, Síndrome do Desgaste Profissional ou Síndrome de Burnout, foi criado pelo psiquiatra inglês Herbert Freundenberg no ano 1974,…
CRÔNICA OURIÇO CHEIO

CRÔNICA OURIÇO CHEIO

Quando a vida no seu curso quase que natural me convocou à definição de que rumo profissional seguir, fiz falar…
Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Contas em Portugal O ex-secretário da Sefa, Nilo Noronha,que atuou no governo de Simão Jatene, lavrou uma procuração ao advogado…
Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Fonte e crime O sigilo da fonte na atividade jornalística sempre foi e será – menos nas ditaduras de esquerda…
Bilhões para quem?

Bilhões para quem?

Bilhões para quem? Os municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás não cansam de quebrar seus próprios recordes em matéria…