Correio de Carajás

Repórter Correio

Bloqueio na BR

A entrada e saída de Marabá pela BR-222, no Bairro São Félix, esteve prejudicada na manhã desta sexta-feira (22), por alguns minutos, devido a um bloqueio promovido por manifestantes. O grupo usou pneus velhos e fogo para conseguir bloquear a passagem dos veículos e acesso à ponte rodoferroviária. Somente com a chegada de uma guarnição da Polícia Militar é que houve diálogo e o bloqueio foi desfeito em alguns minutos. Motoristas e passageiros de ônibus e vans se mostraram revoltados com mais uma manifestação deste tipo.

Motivo

Leia mais:

O CORREIO apurou que a motivação para o protesto seria o sumiço de um morador do São Félix na véspera, após um surto quando estava no balneário Geladinho. O homem teria se embrenhado na mata e sumido. Os amigos e familiares consideram que as autoridades “fizeram pouco caso” do pedido de ajuda para procurá-lo e a única saída encontrada para chamar a atenção foi a manifestação na rodovia. Nenhum documento formal de registro do sumiço do homem foi encontrado.

Importação de remédios

Diretores e secretários do Ministério da Saúde têm se reunido com representantes de empresas farmacêuticas para avaliar a possibilidade de flexibilização das regras de importação de medicamentos por meio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O objetivo é se preparar para uma eventual falta de medicamentos e insumos nos hospitais do país, sobretudo no Sistema Único de Saúde (SUS).

Lista extensa

O ministério recebeu as demandas municipais e tem monitorado uma relação medicamentos relatados por gestores municipais como de difícil compra. No momento, 86 medicamentos estão nessa lista. Para 11 substâncias relacionadas a esses medicamentos, o ministério pediu alíquota zero de taxa de importação. São elas: amicacina sulfato, aminofilina, cloridrato de dopamina, diprona, fludrocortisona, leuprorrelina, neostigmina, oxitocina, rivastigmina, sulfato de magnésio e bolsas para soro fisiológico.

Falta de medicamentos

Dentre outras causas para a escassez de medicamentos, explicou o ministério, estão as medidas de isolamento na China, devido a um surto de covid-19 naquele país. Nesse caso, criou-se um problema de fornecimento de contraste iodado. Outra avaliação é que a partir de 2020, com a pandemia, houve um “desarranjo na cadeia mundial”, que impactou todo o mercado farmacêutico. E cada país, diante desse cenário, utiliza os poderes que tem para resolver o seu problema e cria situações até então imprevisíveis para os demais. A carência de medicamentos e insumos em clínicas e hospitais preocupa médicos e administradores de hospital desde o mês passado.

Prevenção

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) instituiu um grupo de trabalho (GT) para tratar de prevenção e combate à violência política nas eleições de 2022. Uma portaria publicada pela Corte diz que o grupo vai elaborar diretrizes para disciplinar ações voltadas ao tema durante o processo eleitoral deste ano. Denúncias sobre agressão a parlamentares e também a jornalistas em diversas localidades do país serão a motivação das ações. De acordo com a assessoria do TSE, até o momento, chegaram ao tribunal 13 ofícios com esse tipo denúncia.

Promotoria

O Ministério Público do Pará (MPPA) está apurando o caso da criança de 3 anos, que morreu afogada em um resort, em Salinópolis, nordeste do Pará. Um procedimento administrativo foi instaurado pela 2ª Promotoria de Justiça do município para verificar se uma série de medidas foram tomadas em relação a este tipo de acidentes. O menino se afogou por volta das 21h do dia 17 de julho, quando estava “desacompanhado dos pais […] no parque aquático, cujo funcionamento havia encerrado às 18h30”, informou o estabelecimento onde a família estava hospedada.

Populoso

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), principal provedor de informações geográficas e estatísticas do Brasil, chamou a atenção para os estados mais populosos do Brasil. O estudo foi apresentado na manhã desta sexta-feira (22). O Pará ficou em 9° lugar entre as unidades da federação mais populosas no ano de 2021, no Brasil, segundo o IBGE, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Anual (PNADC/A).

Cresceu

Segundo a pesquisa, a população do Pará cresceu nos últimos anos, indo de aproximadamente 7,9 milhões de pessoas em 2012, para 8,7 milhões em 2021. Desse total, a faixa de idade mais populosa, atualmente, é de 30 a 39 anos com pouco mais de 1,3 milhões de pessoas, ficando atrás das faixas etárias de 5 a 13 anos (cerca de 1,3 milhões); 40 a 49 anos (cerca de 1,1 milhões) e 60 anos ou mais (aproximadamente 868 mil). A pesquisa apontou que o número de homens paraenses cresceu, indo de aproximadamente 4,2 milhões em 2020, para 4,4 milhões em 2021. Já o número de mulheres permaneceu estável, com cerca de 4,3 milhões.

Comentários