Correio de Carajás

Renato Gaúcho chega ao Fla para “revival”

Renato Gaúcho apresentado pela diretoria do Flamengo — Foto: Alexandre Vidal/Flamengo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Após três passagens pelo clube como jogador, Renato realiza objetivo de ser treinador rubro-negro, o que pra ele é a mesma coisa que a seleção brasileira"

Na época em que Renato Gaúcho era protagonista das colunas sociais no Rio de Janeiro, o que aconteceu neste fim de semana seria definido como “revival”. O treinador colecionou amores ao longo da carreira, mas nunca escondeu que seu coração batia mais forte pelo Flamengo. O reencontro é cercado de expectativa, declarações e começa para valer nesta segunda-feira com expectativas elevadas.

O Renato que era Portaluppi em Porto Alegre volta a ser Gaúcho no Rio de Janeiro e foi apresentado oficialmente nesta segunda-feira como treinador do Flamengo. A programação prevê dois treinamentos no Ninho do Urubu antes de seguir viagem a Buenos Aires, onde estreia diante do Defensa y Justifica, quarta-feira, pelas oitavas de final da Libertadores.

– É um prazer estar aqui nessa oportunidade de treinar um grande. Falei que tinha esse sonho e hoje estou realizando. Todo técnico tem que pensar grande e alto. Na minha opinião, o Flamengo é a mesma coisa do que a seleção brasileira – afirmou Renato.

Leia mais:

Vestindo vermelho e preto novamente depois de 23 anos, Renato exibiu sorriso largo e se declarou para o clube onde teve três passagens como jogador nas décadas de 80 e 90.

Renato entrou em campo com a camisa do Flamengo pela última vez em 6 de maio de 1998, em uma vitória por 1 a 0 sobre a Friburguense, no Eduardo Guinle, quando substituiu Palhinha. Foram 211 jogos, 68 gols e o auge na conquista da Copa União de 1987, quando foi eleito o melhor jogador. Desde o adeus em Nova Friburgo, o atacante ainda faria algumas partidas pelo Bangu no Carioca do ano seguinte antes de se aposentar e iniciar a trajetória como treinador.

 

Campeão no Fluminense e no Grêmio na nova função, passou ainda por Madureira, Vasco, Bahia e Athletico-PR antes de voltar ao Flamengo. Estátua em Porto Alegre, Renato Gaúcho fez do Rio de Janeiro sua casa. Assinou contrato de bermuda e chinelo, depois de uma manhã de futevôlei em Ipanema. Era o início da nova velha história de amor. (globoesporte.com)

Comentários

Mais

Com ouro de Ana Marcela Cunha, Brasil ultrapassa recorde de mulheres medalhistas em uma Olimpíada

Com ouro de Ana Marcela Cunha, Brasil ultrapassa recorde de mulheres medalhistas em uma Olimpíada

Se o Brasil ainda busca ultrapassar o recorde de medalhas da Rio-2016, onde atingiu 19 conquistas no quadro geral, o…
Seleção de vôlei vence Rússia e encara Coreia do Sul na semi

Seleção de vôlei vence Rússia e encara Coreia do Sul na semi

A Seleção Brasileira feminina de vôlei venceu o Comitê Olímpico Russo por 3 sets a 1, de virada, com parciais…
Rebeca Andrade será porta-bandeira do Brasil em cerimônia de encerramento das Olimpíadas

Rebeca Andrade será porta-bandeira do Brasil em cerimônia de encerramento das Olimpíadas

Despedida em grande estilo. Medalhista de ouro e prata nos Jogos de Tóquio, Rebeca Andrade será a porta-bandeira do Brasil na…
Ana Marcela Cunha é campeã olímpica na maratona aquática em Tóquio

Ana Marcela Cunha é campeã olímpica na maratona aquática em Tóquio

A espera acabou. Depois de quatro ciclos olímpicos, Ana Marcela Cunha, de 29 anos, colocou em sua gigantesca galeria de…
No Z4 da Série B, Cruzeiro acerta retorno de Vanderlei Luxemburgo

No Z4 da Série B, Cruzeiro acerta retorno de Vanderlei Luxemburgo

O Cruzeiro anunciou nesta terça-feira (3) o retorno de Vanderlei Luxemburgo. O técnico de 69 anos se apresenta à Toca da…
Brasil avança à final de saltos no hipismo em Tóquio com Yuri Mansur

Brasil avança à final de saltos no hipismo em Tóquio com Yuri Mansur

O cavaleiro Yuri Mansur é o primeiro finalista da delegação brasileira de hipismo na Olimpíada de Tóquio (Japão). O paulistano,…