Correio de Carajás

Quase metade dos estudantes não realiza atividades virtuais, aponta MPs

Pesquisa revelou insatisfação com as aulas remotas e mostra que comunidade escolar prefere ensino híbrido. — Foto: Reprodução/RPC
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Quase metade dos estudantes do Pará não participam de atividades virtuais desde que a pandemia da Covid-19 suspendeu as aulas presenciais. O dado foi divulgado pelos Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público do Trabalho (MPT) após escuta pública realizada entre a comunidade escolar.

O resultado da pesquisa foi divulgado nesta quinta-feira (6) após ouvir mais de 21 mil pessoas entre alunos, genitores/responsáveis, professores, técnicos e gestores de instituições de ensino, que se manifestaram sobre a oferta da educação neste período de pandemia do novo coronavírus.

A escuta foi promovida por meio de questionário virtual e encerrou na última sexta-feira (31/7). O resultado vai auxiliar na atuação dos órgãos de execução dos MPs, no acompanhamento das políticas públicas e nas medidas que vão garantir o retorno seguro às aulas presenciais. O resultado completo da pesquisa está disponível aqui.

Leia mais:

Insatisfação com material remoto

A escuta verificou que o nível de satisfação em relação às atividades remotas foi baixo. Ainda assim, a maioria da comunidade escolar prefere o ensino híbrido, quando ocorrer a reabertura das escolas.

rede pública teve maior participação na escuta, com 80,2% de interessados. A rede privada contou com 19,8% das contribuições. Do total de participantes, o maior índice está inserido no ensino fundamental, foram 45,6%. Desse, 87,4% são residentes na área urbana, dado que revela o nível de exclusão dos estudantes da área rural como ribeirinhos, quilombolas e indígenas.

Do total de participantes, 35,6% responderam ter ficado sem atividades substitutivas às aulas regulares e 47,8% não realizaram atividades virtuais.

Quase 37% dos participantes alegam que não foram consultados sobre a realização das atividades substitutivas; enquanto que 24% declararam não saber, revelando a baixa participação da comunidade escolar nas decisões dos gestores.

Mais da metade, 51,1%, dos participantes declararam que a escola utilizou materiais digitais na realização das atividades remotas; mas apenas 39% informaram que a escola não verificou previamente se todos teriam acesso à internet. (Fonte:G1)

Mais

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Em visita a Marabá nesta quarta-feira (12) o governador Helder Barbalho rodou a cidade fazendo inaugurações, assinando ordens de serviço,…
Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Um cruzamento entre a Avenida VS-10 e a Rua Florita, na altura do Bairro Morada Nova, em Parauapebas, tem causado…
Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez micro, pequenas ou médias empresas (73,4%) do país estão fazendo vendas online durante a pandemia do novo coronavírus.…
Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

O Brasil já tem instalada a sua primeira antena rural destinada à quinta geração de internet (5G). A tecnologia funcionará,…
Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

A Defensoria Pública do Pará (DPE) emitiu uma recomendação ao Governo do Estado para que as pessoas privadas de liberdade…
Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Um novo sistema global transparente deveria ser criado para apurar surtos de doenças, habilitando a Organização Mundial da Saúde (OMS)…