Correio de Carajás

Projeto repercute na Austrália e Nova Zelândia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Rios de Encontro, o projeto eco-pedagógico e socioeducativo enraizado na comunidade Cabelo Seco desde 2008, realizou mais um mês de oficinas e rodas culturais em Nova Ipixuna, Parauapebas, Marabá e Cabelo Seco, conectadas com ações simultâneas na Austrália e Nova Zelândia, repercutindo a ação Amazônia Bem Viver, como alternativa para um mundo cada vez mais sustentável.

Nos dias 12 e 13 de Maio, seis jovens arte-educadores do Rios de Encontro  participaram da iniciativa anual que celebra o projeto extrativista do casal de colonos, Maria Silva e Zé Claudio Ribeiro, assassinados em maio de 2011. Os jovens da comunidade do Cabelo Seco colaboraram com o registro da caminhada com movimentos sociais e comunitários de Marabá.

Katriny Alves, 17 anos, coordenadora da biblioteca Folhas da Vida, realizou uma roda de poesia, enquanto Rerivaldo Mendes, 22 anos, e outros jovens do projeto Rabetas Audiovisual, apresentaram vídeos das iniciativas passadas.

Leia mais:

Na mesma semana, Elisa Neves, 21 anos, uma das coordenadoras dos projetos AfroRaiz e Sallus, contribuiu com uma oficina de percussão no Encontro Nacional do MAM (Movimento dos Atingidos pela Mineração), em solidariedade com as comunidades dos rios prejudicados pela industrialização da Amazônia.

Lideranças de projetos sociais e gestores politicos se retratam com Dan Baron no final do curso de Amazônia Bem Viver em Auckland, Nova Zelândia.

Dan Baron, coordenador artístico-pedagógico do projeto Rios de Encontro, explicou em cursos de formação na Universidade de Melbourne, Austrália e de Auckland, na Nova Zelândia, e palestrando para lideranças comunitárias e sociais no Projeto Madave na comunidade Maori de Glenn Ines, o significado destas contribuições.

“Todos foram inspirados pelos jovens que nem sabiam que tinham raízes Afro e Indígenas há 10 anos atrás, e hoje coordenam nossa Universidade Comunitária dos Rios, no Cabelo Seco. Admiraram um projeto que valoriza jovens na condição de artistas, pesquisadores, gestores, produtores e referências sociais, atuando como um coletivo”, declarou, ressaltando que os jovens em Melbourne e Auckland tem a melhor qualidade de vida do mundo. “Mas, sofrem isolamento e depressão, sem projetos de vida ou confiança no futuro”, avalia.

Exemplo

O coordenador demonstrou como jovens arte-educadores do Rios de Encontro usam as artes e o modelo de governança do projeto como respostas transformadoras à política de austeridade e à corrupção endêmica no Brasil, que vive o aumento no número de pessoas abaixo da linha da pobreza, agravado com o avanço de doenças como a tuberculose, sem falar na violência crescente.

“O exemplo desses jovens estimulou a comunidade Maori, na escola Paua, em Glenn Ines, entrar no projeto Amazônia Bem Viver para trocar clips de dança, percussão e poesia, e criar a Aotearoa Bem Viver. Motivou também uma outra escola rica e independente no Norte de Nova Zelândia em trocar placas solares para oficinas do Coletivo AfroRaiz online, através de residências nos dois países tropicais”, destaca.

“Também motivamos o governo da Nova Zelândia, que já abraçou a visão da iniciativa Bem Viver, a olhar para Amazônia com todo seu potencial de tecnologia-ecológica-chave para o mundo, onde grandes ameaças ambientais estão gerando soluções eco-sociais inéditas. Todos reconhecem que uma Amazônia sustentável vai depender sobre intervenções solidárias internacionais”, completou.

Diálogos

Dan Baron também destacou o diálogo que manteve com os professores universitários, gestores culturais e lideranças Maori, considerado um dos povos indígenas mais avançados do mundo. “Eles me inspiraram profundamente”, frisou disse Dan Baron. “Na Austrália, o governo está investindo na educação e cultura públicas. Já na Nova Zelândia, comunidades estão limpando rios e protegendo a cidadania. O governo está garantindo o 1º ano gratuito de educação universitária para formar cidadãos de um mundo robotizado pós-trabalho, e garantindo justiça alimentar e climática para a coletividade”, pontuou.

Para o coordenador do projeto, o grande diferencial desses países é que eles aprenderam com os próprios erros e hoje servem de modelo em sustentabilidade para diversos outras nações no mundo.

“Deslocaram escolas infantis no coração da comunidade para criar zonas turísticas e culturais, cortaram disciplinas como ciências sociais do currículo e fecharem bibliotecas para criar universidades competitivas. Mas em vez de criar prosperidade, aumentou a violência, a desigualdade social e o isolamento juvenil. Se nossas parcerias puderem evitar erros de desenvolvimento economicista, podemos resgatar o tempo perdido e transformar nossas regiões em grandes projetos de culturas comunitárias de extrativismo inteligente e sustentável”, enfatiza. (Divulgação)

Fotos: Universidade de Monash/Madave Community Trust/Arquivo Rios de Encontro

 

Comentários
Helen McCrory, atriz de 'Peaky Blinders' e 'Harry Potter', morre aos 52 anos

Helen McCrory, atriz de 'Peaky Blinders' e 'Harry Potter', morre aos 52 anos

A atriz Helen McCrory, conhecida por papéis na série “Peaky Blinders” e na franquia “Harry Potter”, morreu nesta sexta-feira (16),…
Joelma lança clipe sobre força e libertação feminina: ‘Cheguei ao fundo do poço algumas vezes’

Joelma lança clipe sobre força e libertação feminina: ‘Cheguei ao fundo do poço algumas vezes’

O nome dela é Joelma, mas pode chamar de Fênix. Ou libélula, como a cantora se mostrará a partir desta quinta-feira…
Mick Jagger lança 'Eazy Sleazy' em parceria com Dave Grohl para celebrar fim do lockdown na Inglaterra

Mick Jagger lança 'Eazy Sleazy' em parceria com Dave Grohl para celebrar fim do lockdown na Inglaterra

Mick Jagger lançou, de surpresa, uma música nesta terça-feira (13), “Eazy Sleazy”, que comemora o fim do lockdown na Inglaterra…
Virada Digital 2021 abre inscrições para workshops gratuitos

Virada Digital 2021 abre inscrições para workshops gratuitos

A Virada Digital 2021 abre, na segunda-feira (12), as inscrições para quatro workshops gratuitos sobre comunicação, escrita poética, cinema e…
Ulda Wambergue lança “Amor Líquido” nesta sexta (9)

Ulda Wambergue lança “Amor Líquido” nesta sexta (9)

O amor pode até ser efêmero, mas, isso não quer dizer que ele não exista. É dessa premissa que nasce…
Movimenta Pebas inscreve para curso de cinema com Cavi Borges

Movimenta Pebas inscreve para curso de cinema com Cavi Borges

Estão abertas as inscrições para o curso on-line sobre História do Cinema de Baixíssimo Orçamento. Esta é a primeira atividade…