Correio de Carajás

Projeto da Unifesspa monitora pesca e pescadores na região

pesquisadores da Embrappa e Unifesspa dialogam com pescador de Itupiranga

PROPIT/PROEX

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Programa de extensão da Unifesspa alcança sucesso em seis anos e, agora, está presente em municípios do Pará, Tocantins e Roraima

O programa de extensão de monitoramento da pesca da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) teve início em 2015, capacitando pescadores e monitorando o quantitativo de pesca por quilo, inicialmente em uma fase experimental, na vila Tauiry e Santo Antonino (Itupiranga) e na APA Araguaia (vilas Santa Cruz e Ilha de Campo – São Geraldo do Araguaia).

Hoje, com seis anos de existência, o projeto faz parte de um trabalho maior em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) que abrange os estados do Pará, Tocantins e Roraima, com recursos do Fundo Amazônia.

No início do projeto, entre anos de 2015 a 2017, o trabalho era realizado com o modelo ‘auto-monitoramento’, onde cada pescador anotava em uma ficha de pesca sua produção pesqueira. “Neste período tivemos o apoio da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis (Proex) e da Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Inovação Tecnológica (Propit), com bolsas para alunos de graduação, que foram capacitados para auxilar no monitoramento”, explica a coordenadora do projeto, Cristiane Vieira da Cunha, doutora em Ciências Ambientais e vinculada ao curso de Educação no Campo e do Núcleo de Educação Ambiental da Unifesspa.

Leia mais:
Pescadores da região foram mapeados pela Unifesspa para avaliar renda e quilos pescados

Embora ainda estivesse no início, nos anos de 2015 a 2017 o projeto conseguiu resultados muito promissores, o que motivou o grupo a buscar parcerias externas, o fortalecimento de parcerias internas e com movimentos sociais. No ano de 2018 a Embrapa se interessou no programa, e entraram os extensionistas que trabalharam na articulação de um acordo de cooperação técnica para a continuidade e ampliação do monitoramento.

“O acordo foi encaminhado e a Embrapa assumiu o programa como coordenação geral e eu fiquei como coordenação local. O monitoramento foi ampliado para os estados do Tocantins, Roraima e Pará. No Pará participaram entre 2019 e 2020 as comunidades: vila Santa Cruz e pescadores da sede de São Geraldo do Araguaia; Vila Apinagés (São João do Araguaia); pescadores do bairro Vavazão e São Félix (Marabá); pescadores do entorno do Pedral do Lourenção (Itupiranga, Nova Ipixuna, Novo Repartimento e Jacundá)”, explica Cristine Cunha.

Acompanhe a evolução do trabalho ao longo dos anos, com a ilustração dos gráficos abaixo, ambos usam os mesmos dados, que levam em conta o cadastro de peixe ao longo dos anos. Foram usados dois modos de ilustração dos dados para facilitar ao leitor a visualização do crescimento.

De 2016 a 2020 foram cadastradas 2950 fichas de pesca, totalizando um montante de 11.316 pescarias registradas. Todas as pescarias foram feitas em três grandes rios, Tocantins, Araguaia, Itacaiúnas, por 15 comunidades diferentes. A ação envolve os municípios de São Geraldo, São João, Marabá, Itupiranga, Novo Repartimento, Jacundá e Nova Ipixuna.

Todos os dados coletados neste trabalho, Propesca/Pará, são tabulados em programa próprio – Sistema de Estatística Pesqueira (SIEPE), que foi construído pela equipe do Laboratório de Computação Cientifica (LCC) da Unifesspa.

Sobre a importância do projeto para a comunidade local, a professora em ciências ambientais explica que as informações tiram da invisibilidade a classe de pescadores, pois não há nenhum registro sobre a produção pesqueira para a região; além disso, o processo de automonitorar a produção fornece meios para melhor compreensão sobre a atividade pelo próprio pescador, sua família e comunidade. “Também contribuímos para a formação de monitores locais e lideranças fortes, bem como na formação de nossos alunos da universidade no sentido de uma pesquisa que integre, que é crítica e se importa com o outro”, destaca.

Para a pesquisadora e extensionistas, Cristine Cunha, com estas informações a classe pode lutar por melhorias no setor e afirmar que a classe é uma importante categoria que contribui efetivamente para a economia local. As informações sobre a produção também ajudam a lutar por direitos coletivos. (Fonte: Unifesspa)

Comentários

Mais

IFPA de Conceição abre seleção para especialização em docência

IFPA de Conceição abre seleção para especialização em docência

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará – Campus Conceição do Araguaia/PA, abrirá nesta segunda-feira (20/09) indo…
Prefeitura de Parauapebas deixa mais de 500 famílias sem ter onde morar

Prefeitura de Parauapebas deixa mais de 500 famílias sem ter onde morar

Um total de 514 famílias ocupam área de loteamento, destinada à implantação da nona fase do projeto habitacional Cidade Jardim,…
Base curricular deve ajudar a recuperar atrasos na aprendizagem

Base curricular deve ajudar a recuperar atrasos na aprendizagem

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) deverá ajudar as escolas de todo o país a recuperar os atrasos na aprendizagem…
Fiscais fazendários da Unidade de Carajás apreendem minério de ferro em Marabá

Fiscais fazendários da Unidade de Carajás apreendem minério de ferro em Marabá

Fiscais da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), da Unidade de Mercadorias em Trânsito de Carajás, no sudeste do Pará,…
Buraco na camada de ozônio ultrapassa o tamanho da Antártida

Buraco na camada de ozônio ultrapassa o tamanho da Antártida

“O buraco da camada de ozônio cresceu consideravelmente na última semana e agora é maior do que 75% dos buracos…
Pará recebe nesta quinta-feira (16) mais 39.245 mil doses de vacina contra a Covid-19

Pará recebe nesta quinta-feira (16) mais 39.245 mil doses de vacina contra a Covid-19

Chegou a Belém, na manhã desta quinta-feira (16), a 82ª remessa de vacinas contra a Covid-19, enviada pelo Ministério da…