Correio de Carajás

Programa Família Acolhedora será implantado no próximo ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
2 Visualizações

Deve ser implementado em Marabá, a partir de janeiro próximo, o programa Família Acolhedora, cujo projeto de lei que o institui já foi aprovado pela Câmara Municipal de Vereadores. O documento está para ser sancionado na mesa do prefeito Tião Miranda, que encaminhou o projeto à Casa de Leis após articulação da 10ª Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Marabá, representada pela promotora titular Ligia Valente do Couto de Andrade Ferreira.

O Serviço de Acolhimento Familiar no Município de Marabá – também conhecido como guarda subsidiada – foi criado pelo Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária, lançado em 2006, por meio do qual famílias cadastradas recebem em suas residências crianças e adolescentes que tiveram direitos ameaçados, violados ou que sejam vítimas de quaisquer tipos de violência e foram afastados da família de origem. “São crianças que estão em risco porque estão abandonadas pelos pais e familiares ou porque sofreram agressões ou estão em situação de vulnerabilidade, sem alimentação ou cuidado adequado”, explica a promotora.

A partir de agora, é concedido, inclusive, um subsídio financeiro batizado de Bolsa Acolhedora para oferecer ajuda de custo de um salário mínimo mensal – sendo limitado ao máximo de dois salários mínimos por família. “A Promotoria da Infância e Juventude tomou a frente desse projeto que é praticamente ausente em todo o estado e conseguimos, mediante várias reuniões com o município, com as secretarias, sensibilizar sobre a necessidade de mais um programa de acolhimento no município”, explica Ligia Valente.

Leia mais:

O valor da Bolsa Acolhedora deverá ser destinado ao custeio exclusivo de despesas relativas à alimentação, lazer, higiene pessoal, vestuário, medicamentos, material escolar e outras despesas básicas da criança e do adolescente. Destina-se a permitir que a família acolhedora preste toda a assistência à criança e ao adolescente e deve ser utilizado conforme estipulado no Plano de Acompanhamento Familiar.

O Serviço de Acolhimento Familiar fica vinculado à Secretaria Municipal de Assistência Social e será executado por equipe profissional mínima exclusiva para o serviço de acolhimento familiar. “O Ministério Público deverá acompanhar e fiscalizar a efetiva implementação do projeto que é formar equipe técnica específica para trabalhar com essa família acolhedora e, posteriormente, o cadastramento das famílias interessadas em participar do programa. A Seasp vai fazer a parte de escolha e montagem da equipe e, posteriormente, o cadastro”, afirma a promotora, acrescentando que a equipe deverá ser formada por assistente social, psicólogo e pedagogo, além da coordenação.

A duração do acolhimento varia de acordo com a situação apresentada, podendo durar horas ou meses, mas não podendo ser superior a dois anos. Cada família acolhedora poderá acolher apenas um menor por vez, exceto quando se tratar de grupo de irmãos. À Equipe Técnica compete promover o acompanhamento psicossocial e pedagógico dos menores incluídos no programa, bem como o estímulo à manutenção ou reformulação de vínculos afetivos da criança ou adolescente com a família de origem, nos casos em que houver possibilidade.

“A previsão é de que passe a funcionar já em 2018 e vamos começar a trabalhar com a divulgação em Marabá do que seria a família acolhedora. É mais um a modalidade de acolhimento, mas agora familiar e não apena institucional como já temos no município”, acrescenta.

Conforme o projeto de lei encaminhado à Câmara Municipal de Marabá, um dos objetivos do programa é promover o investimento na reintegração à família de origem, nuclear ou extensa, por meio de trabalho psicossocial, ressalvada a hipótese de proibição judicial. Além disso, oferecer atendimento personalizado em ambiente de convivência familiar e comunitária às crianças ou adolescentes afastados temporariamente da família natural por medida de proteção. Também há a intenção de ampliar a oferta de acolhimento existente no município como medida de proteção, sendo mais uma alternativa neste sentido.

Famílias precisam ser avaliadas após cadastro

O menor cadastrado no programa terá prioridade dentre os processos que tramitam junto ao Juizado da Infância e Juventude, primando pela situação provisória do acolhimento e garantida a permanência com os irmãos na mesma família acolhedora, sempre que possível.

Para se cadastrar como família acolhedora, é necessário que os responsáveis tenham mais de 24 anos, residam no município há pelo menos dois anos, disponham de boa saúde física e mental, comprovem idoneidade cível e criminal mediante certidões competentes e não estejam respondendo por processo criminal nem tenham sido condenados por decisão judicial.

“Famílias interessadas serão previamente cadastradas pelo município para receberem crianças e adolescentes que se encontrem em situação de risco e vulnerabilidade e que tenham possibilidade de retorno para família de origem ou extensas. É para que as famílias cadastradas possam receber essas crianças e adolescentes e tê-los em casa, dando amor, carinho, cuidados e fazendo participar da vida daquela família para que se sintam num acolhimento familiar, não institucional”, explica a promotora Ligia Valente.

Ela destaca que esse tipo de serviço é importante porque a medida reduz os traumas que o afastamento do lar originário gera na criança. “Muitas vezes elas são retiradas das famílias ou entregues pelas famílias e isso gera um grande trauma. Mantê-las em ambiente familiar reduz isso porque consegue mantê-las em estrutura de família”.

É necessário, ainda, haver disponibilidade dos responsáveis para seguir as ações de formação promovidas pela Equipe Técnica responsável, bem como os procedimentos de avaliação e acompanhamento. A família acolhedora tem responsabilidade familiar pelas crianças e adolescentes acolhidos, sendo obrigatório prestar assistência material, de saúde, educacional e moral.

Os responsáveis precisam também participar de atos de capacitação, formação e conhecimento continuados que serão ofertados pela Seasp; informar à Equipe Técnica sobre as ocorrências e comportamentos das crianças ou adolescentes durante o acolhimento familiar; contribuir na preparação do acolhido para o retorno à família de origem; proteger o menor de qualquer forma de violência física e psicológica, bem como de vícios que as coloquem em situação de risco e vulnerabilidade; e preservar o vínculo e convivência entre irmãos e parentes quando o acolhimento for realizado por famílias diferentes. (Luciana Marschall e Ulisses Pompeu)

 

 

Deve ser implementado em Marabá, a partir de janeiro próximo, o programa Família Acolhedora, cujo projeto de lei que o institui já foi aprovado pela Câmara Municipal de Vereadores. O documento está para ser sancionado na mesa do prefeito Tião Miranda, que encaminhou o projeto à Casa de Leis após articulação da 10ª Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Marabá, representada pela promotora titular Ligia Valente do Couto de Andrade Ferreira.

O Serviço de Acolhimento Familiar no Município de Marabá – também conhecido como guarda subsidiada – foi criado pelo Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária, lançado em 2006, por meio do qual famílias cadastradas recebem em suas residências crianças e adolescentes que tiveram direitos ameaçados, violados ou que sejam vítimas de quaisquer tipos de violência e foram afastados da família de origem. “São crianças que estão em risco porque estão abandonadas pelos pais e familiares ou porque sofreram agressões ou estão em situação de vulnerabilidade, sem alimentação ou cuidado adequado”, explica a promotora.

A partir de agora, é concedido, inclusive, um subsídio financeiro batizado de Bolsa Acolhedora para oferecer ajuda de custo de um salário mínimo mensal – sendo limitado ao máximo de dois salários mínimos por família. “A Promotoria da Infância e Juventude tomou a frente desse projeto que é praticamente ausente em todo o estado e conseguimos, mediante várias reuniões com o município, com as secretarias, sensibilizar sobre a necessidade de mais um programa de acolhimento no município”, explica Ligia Valente.

O valor da Bolsa Acolhedora deverá ser destinado ao custeio exclusivo de despesas relativas à alimentação, lazer, higiene pessoal, vestuário, medicamentos, material escolar e outras despesas básicas da criança e do adolescente. Destina-se a permitir que a família acolhedora preste toda a assistência à criança e ao adolescente e deve ser utilizado conforme estipulado no Plano de Acompanhamento Familiar.

O Serviço de Acolhimento Familiar fica vinculado à Secretaria Municipal de Assistência Social e será executado por equipe profissional mínima exclusiva para o serviço de acolhimento familiar. “O Ministério Público deverá acompanhar e fiscalizar a efetiva implementação do projeto que é formar equipe técnica específica para trabalhar com essa família acolhedora e, posteriormente, o cadastramento das famílias interessadas em participar do programa. A Seasp vai fazer a parte de escolha e montagem da equipe e, posteriormente, o cadastro”, afirma a promotora, acrescentando que a equipe deverá ser formada por assistente social, psicólogo e pedagogo, além da coordenação.

A duração do acolhimento varia de acordo com a situação apresentada, podendo durar horas ou meses, mas não podendo ser superior a dois anos. Cada família acolhedora poderá acolher apenas um menor por vez, exceto quando se tratar de grupo de irmãos. À Equipe Técnica compete promover o acompanhamento psicossocial e pedagógico dos menores incluídos no programa, bem como o estímulo à manutenção ou reformulação de vínculos afetivos da criança ou adolescente com a família de origem, nos casos em que houver possibilidade.

“A previsão é de que passe a funcionar já em 2018 e vamos começar a trabalhar com a divulgação em Marabá do que seria a família acolhedora. É mais um a modalidade de acolhimento, mas agora familiar e não apena institucional como já temos no município”, acrescenta.

Conforme o projeto de lei encaminhado à Câmara Municipal de Marabá, um dos objetivos do programa é promover o investimento na reintegração à família de origem, nuclear ou extensa, por meio de trabalho psicossocial, ressalvada a hipótese de proibição judicial. Além disso, oferecer atendimento personalizado em ambiente de convivência familiar e comunitária às crianças ou adolescentes afastados temporariamente da família natural por medida de proteção. Também há a intenção de ampliar a oferta de acolhimento existente no município como medida de proteção, sendo mais uma alternativa neste sentido.

Famílias precisam ser avaliadas após cadastro

O menor cadastrado no programa terá prioridade dentre os processos que tramitam junto ao Juizado da Infância e Juventude, primando pela situação provisória do acolhimento e garantida a permanência com os irmãos na mesma família acolhedora, sempre que possível.

Para se cadastrar como família acolhedora, é necessário que os responsáveis tenham mais de 24 anos, residam no município há pelo menos dois anos, disponham de boa saúde física e mental, comprovem idoneidade cível e criminal mediante certidões competentes e não estejam respondendo por processo criminal nem tenham sido condenados por decisão judicial.

“Famílias interessadas serão previamente cadastradas pelo município para receberem crianças e adolescentes que se encontrem em situação de risco e vulnerabilidade e que tenham possibilidade de retorno para família de origem ou extensas. É para que as famílias cadastradas possam receber essas crianças e adolescentes e tê-los em casa, dando amor, carinho, cuidados e fazendo participar da vida daquela família para que se sintam num acolhimento familiar, não institucional”, explica a promotora Ligia Valente.

Ela destaca que esse tipo de serviço é importante porque a medida reduz os traumas que o afastamento do lar originário gera na criança. “Muitas vezes elas são retiradas das famílias ou entregues pelas famílias e isso gera um grande trauma. Mantê-las em ambiente familiar reduz isso porque consegue mantê-las em estrutura de família”.

É necessário, ainda, haver disponibilidade dos responsáveis para seguir as ações de formação promovidas pela Equipe Técnica responsável, bem como os procedimentos de avaliação e acompanhamento. A família acolhedora tem responsabilidade familiar pelas crianças e adolescentes acolhidos, sendo obrigatório prestar assistência material, de saúde, educacional e moral.

Os responsáveis precisam também participar de atos de capacitação, formação e conhecimento continuados que serão ofertados pela Seasp; informar à Equipe Técnica sobre as ocorrências e comportamentos das crianças ou adolescentes durante o acolhimento familiar; contribuir na preparação do acolhido para o retorno à família de origem; proteger o menor de qualquer forma de violência física e psicológica, bem como de vícios que as coloquem em situação de risco e vulnerabilidade; e preservar o vínculo e convivência entre irmãos e parentes quando o acolhimento for realizado por famílias diferentes. (Luciana Marschall e Ulisses Pompeu)

 

 

Comentários

Mais

Brasil deve receber mais de 842 mil doses da vacina da Pfizer em junho

Brasil deve receber mais de 842 mil doses da vacina da Pfizer em junho

O Brasil vai receber 842.400 doses da vacina da farmacêutica Pfizer/BioNTech contra a covid-19. A informação foi dada pelos coordenadores…
Fórum discute desafios à garantia de direitos da pessoa idosa

Fórum discute desafios à garantia de direitos da pessoa idosa

Teve início hoje (13) o 1º Fórum Nacional da Pessoa Idosa. O evento, organizado pelo Ministério da Mulher, Família e…
Psicóloga orienta pais a ouvirem e validarem queixas dos filhos

Psicóloga orienta pais a ouvirem e validarem queixas dos filhos

Depois de todo o país se chocar com a morte do menino Henry, de 4 anos, no Rio de Janeiro,…
Sexta edição do FIA Cinefront estreia em plataforma de streaming nesta quinta

Sexta edição do FIA Cinefront estreia em plataforma de streaming nesta quinta

Com exibição em plataforma de streaming própria, a abertura oficial do 6º Festival Internacional Amazônida de Cinema de Fronteira, o…
Filhote de onça preta é resgatado em Novo Progresso

Filhote de onça preta é resgatado em Novo Progresso

Moradores de Novo Progresso, sudoeste do Pará, resgataram um filhote de onça preta. De acordo com testemunhas, o animal estava…
Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea

Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea

Pelo segundo mês consecutivo, o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda registrou, em março, alta da taxa para…