Correio de Carajás

Professor é apontado como incentivador de motim no presídio

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Uma série de comportamentos inadequados teria motivado a direção do Centro de Triagem Masculino de Marabá (CTMM) a pedir a transferência do professor Thiago Sajes de Alfaia, preso desde março deste ano por suspeita de estupro de vulnerável contra uma aluna dele, de 13 anos de idade. No entanto, o juiz Marcelo Andrei Simão Santos, respondendo pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Marabá, indeferiu o pedido.

Conforme a decisão judicial, a direção da casa penal informou que o professor estaria organizando motins e incentivando a massa carcerária para a indisciplina e desrespeito aos servidores do local. Há informação, inclusive, de um plano de rebelião com data marcada.

O magistrado justificou a decisão informando que o delito ao qual o professor responde é de complexidade elevada e a continuação da audiência de instrução e julgamento está agendada para o próximo dia 16 (quarta), ocasião em que o acusado será interrogado. Conforme o juiz, determinar neste momento a transferência do preso para Região Metropolitana de Belém poderá trazer dificuldades para a instrução do processo.

Leia mais:

Segundo o magistrado, caso ocorresse a transferência, no dia da audiência seria necessário conduzir Alfaia de Belém para Marabá com viatura da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), que possui número reduzido de veículos. Outra opção seria ele ser interrogado por meio de carta precatória, o que atrasaria ainda mais a finalização da instrução processual.

Ao fim, o juiz afirmou concordar com a relevância do pedido de transferência, mas requereu que a administração carcerária “envide esforços necessários para evitar que o detento se comporte de forma temerária, seja mudando de ala, seja reforçando a sua vigilância, ou de outra forma que a autoridade penitenciária entender necessária”.

O Correio de Carajás tentou contato com o advogado do acusado, Eduardo Neves Lima Filho, para ouvir a versão da defesa, mas não conseguiu completar as ligações para o número do escritório em que ele atua, localizado em Belém.

Alfaia atuava como professor de filosofia, sociologia e história em escolas particulares e em um cursinho pré-vestibular de Marabá. A prisão preventiva foi decretada em março pela juíza Renata Guerreiro Milhomem de Souza, titular da 1ª Vara Criminal.

A prisão foi divulgada pelo Jornal Correio e ganhou grande repercussão na cidade por ele ser bastante conhecido. (Luciana Marschall)

Uma série de comportamentos inadequados teria motivado a direção do Centro de Triagem Masculino de Marabá (CTMM) a pedir a transferência do professor Thiago Sajes de Alfaia, preso desde março deste ano por suspeita de estupro de vulnerável contra uma aluna dele, de 13 anos de idade. No entanto, o juiz Marcelo Andrei Simão Santos, respondendo pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Marabá, indeferiu o pedido.

Conforme a decisão judicial, a direção da casa penal informou que o professor estaria organizando motins e incentivando a massa carcerária para a indisciplina e desrespeito aos servidores do local. Há informação, inclusive, de um plano de rebelião com data marcada.

O magistrado justificou a decisão informando que o delito ao qual o professor responde é de complexidade elevada e a continuação da audiência de instrução e julgamento está agendada para o próximo dia 16 (quarta), ocasião em que o acusado será interrogado. Conforme o juiz, determinar neste momento a transferência do preso para Região Metropolitana de Belém poderá trazer dificuldades para a instrução do processo.

Segundo o magistrado, caso ocorresse a transferência, no dia da audiência seria necessário conduzir Alfaia de Belém para Marabá com viatura da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), que possui número reduzido de veículos. Outra opção seria ele ser interrogado por meio de carta precatória, o que atrasaria ainda mais a finalização da instrução processual.

Ao fim, o juiz afirmou concordar com a relevância do pedido de transferência, mas requereu que a administração carcerária “envide esforços necessários para evitar que o detento se comporte de forma temerária, seja mudando de ala, seja reforçando a sua vigilância, ou de outra forma que a autoridade penitenciária entender necessária”.

O Correio de Carajás tentou contato com o advogado do acusado, Eduardo Neves Lima Filho, para ouvir a versão da defesa, mas não conseguiu completar as ligações para o número do escritório em que ele atua, localizado em Belém.

Alfaia atuava como professor de filosofia, sociologia e história em escolas particulares e em um cursinho pré-vestibular de Marabá. A prisão preventiva foi decretada em março pela juíza Renata Guerreiro Milhomem de Souza, titular da 1ª Vara Criminal.

A prisão foi divulgada pelo Jornal Correio e ganhou grande repercussão na cidade por ele ser bastante conhecido. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Um carro forte da empresa Prosegur foi alvo de um bando de assaltantes na tarde desta quinta-feira, por volta de…
DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

Documento assinado por 11 entidades que militam na área da luta pela terra e dos direitos humanos denunciam “despejos e…
Mulher é suspeita na morte de mototaxista

Mulher é suspeita na morte de mototaxista

A morte do mototaxista Josiel Mota da Silva gerou comoção e revolta na cidade de Anapu e resultou na destruição…
Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

A Polícia Civil vem investigando crimes de furtos em veículos que estão sendo praticados com o uso de um mecanismo…
Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Dois fatos podem até não ter ligação, mas a Polícia Civil investiga ambos e tenta fazer uma conexão entre eles.…
Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Leonardo de Jesus Oliveira, de 23 anos, e Raimundo Nonato Peixoto, de 24 anos, foram executados a tiros na noite…