Correio de Carajás

Prevendo pedágio, Helder vai a SP atrás de parceiros para privatizar PA-150

Foto: Ulisses Pompeu
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O governador do Estado do Pará, Helder Barbalho, vai a São Paulo na próxima semana se reunir com os principais empresários do mundo na área de concessão para apresentar um projeto de parcerias e concessões que englobam a Rodovia PA-150, que liga Marabá e Belém, e a Ferrovia Paraense.

O Portal Correio de Carajás teve acesso à apresentação que demonstra as premissas gerais de ambos os projetos. E relação à rodovia – cujos problemas são antigos e que aparentam ser quase impossíveis de solução – está previsto prazo de concessão de 30 anos, com início em 2021 e divida em quatro fases.

No primeiro ano seriam realizados os trabalhos iniciais. Do segundo ao quinto realizada restauração e a partir do sexto ano a manutenção. A conservação rotineira deverá ocorrer em todos os anos e o investimento total alcança a casa dos R$ 5 bilhões.

Leia mais:

A cobrança de tarifas está prevista desde o primeiro ano, dividida em seis pedágios distribuídos de Marabá a Vila do Conde. Apenas até Belém, para quem sair de Marabá, serão quatro postos de pedágio, com previsão de cobrança chegando a R$ 60,10 para os motoristas.

Sobre o assunto, os vereadores de Marabá se reuniram na manhã desta quinta-feira (23), em Belém, com o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Iran Lima. Conforme ele, não haveria viabilização econômica para privatização da estrada apenas até Moju, por isso o projeto foi estendido até o porto.

Ele destaca a dificuldade que o governo enfrenta para manter a trafegabilidade da rodovia em questão por causa do escoamento de minério, inclusive clandestino. “Vamos trabalhar para essa carga ser legal e para isso queremos regularizar as ‘mini minas’           . São áreas que hoje estão sob poder da Vale, mas acaba os clandestinos tirando. Estamos conversando com a Vale para conseguirmos ceder isso para pequenos mineradores, são quantidades que não têm viabilidade econômico pra Vale e não podemos permitir a clandestinidade, então melhor viabilizarmos as ‘mini minas’ e tornarmos elas legais”, esclareceu.

De acordo com ele, está marcada para junho uma reunião com o responsável por este setor da mineradora, que virá do Canadá.  “Queremos de todos os minérios que não são de interesse pra eles, ficam só com o pé em cima, não conseguem controlar e há a clandestinidade que é prejudicial para a economia do estado”, concluiu.

Sobre os pedágios, ele afirmou na reunião compreender que em um primeiro momento a questão pode ser vista de forma ruim pela população, mas diz acreditar que no futuro vai haver resultado positivo. “Teremos que ainda discutir a questão dos pedágios, mas nessas áreas, se for muito alto, será R$ 6 a cada 100 Km rodados, então é melhor tu rodar 100 km e pagar R$ 6 numa estrada boa, com segurança, a trafegar gratuitamente numa estrada ruim, perigosa”.

Prevê que com a melhoria da rodovia a viagem de Marabá a Belém terá duração de seis a sete horas e que afirma que o modelo a ser adotado deverá ser uma Parceria Público-Privada (PPP). “É um investimento de R$ 5 bilhões que o estado jamais vai ter condições de fazer com a receita que temos hoje e a discussão é abrir, com algum tipo de manutenção, já pra cobrir, o pedágio Moju, Alça Viária e Porto. Começar fazendo dinheiro pra ir fazendo as obras e o estado ainda vai entrar com uma parte “.

O objetivo inicial era toda a concessão, mas o governo acredita que não conseguirá atrair investidores nestas condições. “Assim não necessitaria recurso do estado, mas estamos achando que não conseguiremos interessados na concessão porque o investimento é alto”.

FERROVIA

Em relação à ferrovia, o modelo ainda não está decidido, mas o secretário informou aos vereadores que a Vale também deverá entrar com aporte financeiro e atrair outras parcerias para viabilizar a obra, utilizando entre 30 e 40% da estrada para escoar de parte de sua produção. O restante será destinado à comercialização de outros produtos do estado.

É prevista, ainda, interligação coma ferrovia da própria Vale para uso comercial e desta para a Norte-Sul. “Dessa forma o produto poderá ir para o Sul do país e, além disso, poderemos trazer produtos de lá também com preços muito mais acessíveis para a população. Esta é outra discussão e neste formato a gente garante um entreposto em Marabá como principal entreposto comercial do Estado do Pará e não precisaremos levar a Norte-Sul até o Porto de Barcarena”, diz.

No caso da Estrada de Ferro, a modelagem básica da concessão é de licitação internacional para concessão vertical, sendo previsto direito de passagem, e implantação por etapas. O prazo é de cinco mais trinta anos, prorrogável por outros de 30 anos. A ferrovia deverá ligar Barcarena a Morada Nova, em Marabá, e dali para Santana do Araguaia, totalizando 1.312 Km. (Luciana Marschall – com informações de Ulisses Pompeu)

Comentários

Mais

Conta de luz continuará em agosto com taxa extra mais elevada, informa Aneel

Conta de luz continuará em agosto com taxa extra mais elevada, informa Aneel

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta sexta-feira (30) que a conta de luz continuará em agosto com…
Inteligência artificial pode desafogar sistema de saúde na pandemia

Inteligência artificial pode desafogar sistema de saúde na pandemia

Estudo feito em parceria por pesquisadores da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Fundação Getulio Vargas…
Autorização de viagem para menores de 16 anos poderá ser feita online

Autorização de viagem para menores de 16 anos poderá ser feita online

A partir de segunda-feira (2), os pais poderão emitir pela internet uma autorização para que seus filhos menores de 16…
Marabá: Venezuelanos são tirados da rua e já têm casa

Marabá: Venezuelanos são tirados da rua e já têm casa

A nova leva de venezuelanos que chegou nas últimas semanas a Marabá chamou atenção e teve grande visibilidade pela quantidade…
Passageira se recusa a usar máscara e é retirada de voo por policiais federais

Passageira se recusa a usar máscara e é retirada de voo por policiais federais

Uma passageira se recusou a usar máscara de proteção à Covid-19 e provocou atraso de uma aeronave, que saiu de…
Paciente é internado em Belém com suspeita de variante delta

Paciente é internado em Belém com suspeita de variante delta

Duas pessoas com Covid-19, que chegaram dos Estados Unidos a Belém, realizaram exames para identificar se houve a possível contaminação…