Correio de Carajás

Post engana ao afirmar que empresas não exigem vacinação e que CEO da Pfizer não se imunizou

COMPROVA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Enganoso
São enganosas as afirmações feitas por um médico brasileiro acerca da não obrigatoriedade de vacinação em funcionários de órgãos e empresas internacionais e de que o diretor-executivo da Pfizer teria sido impedido de entrar em Israel por não estar imunizado. Duas das empresas citadas por ele estão exigindo a imunização e o CEO da farmacêutica não viajou por não ter recebido as duas doses até aquele momento – o que ocorreu posteriormente.
  • Conteúdo verificado: Médico afirma, em sequência de tuítes, que Casa Branca, CDC, FDA, OMS, Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson não obrigam funcionários a se vacinarem. Ele também diz que o CEO da Pfizer teve a entrada negada em Israel por não estar vacinado e que o homem teria dito que “não precisava pois era um sujeito saudável”.

Duas das sete empresas e órgãos internacionais citados pelo médico em postagens no Twitter estão exigindo a vacinação contra covid-19 de funcionários. Outros determinaram que sejam apresentados testes frequentes por quem decidir não se vacinar, o que não é esclarecido pelo autor da postagem ao criticar a adoção de um “passaporte vacinal” em algumas regiões do Brasil.

Dentre as instituições citadas pelo profissional de saúde, a Johnson & Johnson já anunciou e confirmou ao Comprova que até o dia 4 de outubro todos os funcionários serão obrigados a se vacinar, com exceção daqueles com problemas de saúde ou por outros motivos, como religiosos.

Da mesma forma, a Reuters informou que a Moderna Inc exigirá a vacinação para todos os funcionários nos Estados Unidos a partir de outubro. No início de agosto, a empresa ordenou que eles se vacinassem ou se submetessem a testes semanais para detectar a doença.

Leia mais:

São enganosas, ainda, as afirmações relacionadas ao diretor-executivo da Pfizer, que está vacinado com duas doses do imunizante, conforme anunciou em sua conta no Twitter.

Ao ser procurado pelo Comprova, o médico responsável pelo conteúdo verificado afirmou ter tido a intenção de mostrar que a vacinação não é obrigatória por empresas e órgãos envolvidos no combate à pandemia, diferentemente do que querem fazer no Brasil, mas sem citar exemplos nacionais.

Ele reconheceu que a reportagem compartilhada por ele em relação à situação do CEO da Pfizer é antiga, mas sem comentar o fato de sua postagem não ser coerente com o conteúdo jornalístico indicado. Após ser procurado, publicou mais dois tuítes identificando o link como “defasado”, mas mantendo as demais afirmações.

O Comprova identifica como enganoso o conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

Inicialmente, o Comprova verificou o link compartilhado pelo médico e identificou que o conteúdo não era o mesmo afirmado nos tuítes. Em seguida, buscou informações sobre o caso envolvendo o CEO da Pfizer e Israel e se o diretor-executivo estava ou não vacinado.

Foi verificado, também, o posicionamento público de cada órgão e empresa citada pelo autor dos tuítes, além de serem procuradas as instituições via e-mail.

Realizou-se uma pesquisa junto à imprensa norte-americana para entender as bases legais para que as empresas e órgãos governamentais exijam ou não a vacinação dos funcionários.

Por fim, a reportagem entrou em contato com o responsável pelas postagens.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 6 de setembro de 2021.

Verificação

Vacinação de funcionários federais e de empresas nos EUA

A primeira vez que a Casa Branca solicitou comprovação de vacinação para seus funcionários foi no final de julho. No dia 29 daquele mês, o presidente Joe Biden anunciou o fortalecimento dos protocolos de segurança para funcionários federais, o que incluía uma solicitação para que essas pessoas atestassem sua situação vacinal.

Qualquer dessas pessoas que não estivesse totalmente vacinada ficava obrigada a usar máscara no trabalho – independentemente da localização geográfica –, manter distância física de outros funcionários e visitantes, cumprir um requisito de testagem semanal ou duas vezes por semana, além de ficar restrito a viagens oficiais. Na ocasião, o presidente ressaltou que o governo federal dos Estados Unidos empregava 4 milhões de americanos.

Outra medida anunciada foi uma indicação para que o Departamento de Defesa averiguasse quando seria possível incluir a vacina contra a covid-19 entre as vacinações exigidas para militares. O Departamento de Assuntos de Veteranos já havia exigido a vacinação para toda a equipe da área de saúde, assim como mais de 50 sociedades e organizações de saúde haviam exigido que seus funcionários recebessem a vacina contra a covid-19 a longo prazo.

Um mês depois, no dia 31 de agosto, o coordenador de resposta à covid-19 da Casa Branca Jeffrey Zients afirmou que o governo federal estava pressionando pela vacinação de funcionários de outras instituições e empresas, inclusive por meio da exigência desta, como já vinha sendo feito com funcionários federais desde o final de julho.

Zients informou que mais de 800 faculdades e universidades, e mais de 200 empregadores da área de saúde, pequenas e grandes empresas em todo o país, além de dezenas de governos estaduais e locais, passaram a fazer as mesmas exigências que o governo federal. Ele citou como exemplo o caso da empresa Tyson Food, em Arkansas, que tinha apenas 45% dos funcionários vacinados quando anunciou que todos teriam que estar imunizados até 1º de novembro. Após o anúncio, o percentual subiu para 72%.

Ele também citou um dado do site Even.com, de busca de empregos, que mostrou que o número de ofertas de emprego nos Estados Unidos que exigem a vacina aumentou 90%. No início de agosto, a CNN publicou uma lista de empresas que exigem a vacinação de seus funcionários, o que inclui Google, Facebook, Netflix, Walmart, The Washington Post, Uber, Twitter, entre outros.

“Resumindo: os requisitos de vacinação funcionam. Eles aumentam as taxas de vacinação. E precisamos de mais empresas e outros empregadores, incluindo sistemas de saúde, distritos escolares, faculdades e universidades para intensificar e fazer sua parte para ajudar a acabar com a pandemia mais rapidamente”, disse Zients, durante conferência para a imprensa.

Ainda nos Estados Unidos, segundo publicação da Reuters, Nova York se tornará a primeira grande cidade do país a exigir, a partir de 13 de setembro, prova de vacinação para clientes e funcionários em restaurantes, academias e outros ambientes fechados.

Já o estado de Nova York exigirá que os funcionários estaduais sejam vacinados ou testados semanalmente a partir desta segunda-feira, 6 de setembro. A Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey e a Autoridade de Transporte Metropolitano exigirão que seus funcionários tomem a vacina ou façam o teste semanalmente.

Os trabalhadores da saúde do estado de Nova Jersey e os funcionários que atuam nas prisões devem ser vacinados até esta terça, 7 de setembro, ou fazer testes presenciais duas vezes por semana.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, disse que todos os funcionários do estado receberam ordens para serem vacinados a partir de 2 de agosto ou se submeterem a testes pelo menos uma vez por semana.

Funcionários municipais de Denver e pessoas que trabalham em ambientes de alto risco na cidade serão obrigados a se vacinar, disse o prefeito Michael Hancock, no dia 2 de agosto. As cidades de São Francisco e Nova Orleans ordenaram, em 12 de agosto, que os clientes mostrassem provas da vacinação contra a covid-19 para entrar em restaurantes, academias e outros espaços.

Exigências nas farmacêuticas

Conforme publicou o The New York Times, a Pfizer está exigindo que todos os funcionários e contratados nos Estados Unidos sejam vacinados ou participem de testes regulares semanais de covid-19.

Fierce Pharma, site especializado na cobertura do setor farmacêutico, afirma ter falado com Pfizer e Johnson & Johnson, assim como outras empresas do ramo, sobre quais as políticas de vacinação adotadas entre seus funcionários. A Pfizer confirmou as informações publicadas na imprensa e um porta-voz afirmou que a empresa também está “encorajando fortemente” a vacinação para todos os ex-funcionários no país.

A Pfizer diz que trabalhará com os funcionários em busca de uma solução alternativa se eles tiverem objeções médicas ou religiosas à imunização.

A Johnson & Johnson também está exigindo que todos os funcionários e contratados nos Estados Unidos sejam totalmente vacinados até o dia 4 de outubro.

Procurada pelo Comprova, a empresa informou por e-mail ser falso que os funcionários não estão sendo obrigados a se vacinar, confirmando que a partir de 4 de outubro todos eles deverão ser totalmente vacinados, acrescentando que serão analisados os casos de pessoas com problemas de saúde ou outros motivos para não serem imunizadas.

Reuters informou, em 20 de agosto, que a Moderna Inc anunciou que exigirá a vacinação para todos os funcionários nos Estados Unidos a partir de outubro. No início do mês, a empresa já havia ordenado que os funcionários se vacinassem ou se submetessem a testes semanais para detectar a doença.

O que a OMS diz sobre a obrigatoriedade

Procurada pelo Comprova, a OMS informou por e-mail que a vacinação para covid-19 é fortemente encorajada, mas atualmente não é obrigatória para os funcionários. Em um documento publicado no dia 13 de abril de 2021, a OMS faz uma série de considerações éticas e advertências sobre a adoção de obrigatoriedade de vacinação.

A organização destaca que o documento não endossa ou se opõe à vacinação obrigatória, mas identifica considerações éticas importantes e advertências que devem ser avaliadas antes que governos e/ou formuladores de políticas institucionais adotem essas medidas.

Uma das questões éticas levantadas no documento é que políticas que interferem na autonomia das pessoas devem buscar um “equilíbrio entre o bem-estar comunitário e as liberdades individuais”.

A OMS destaca que não é incomum que governos e outras instituições adotem essas políticas e que elas podem ser eticamente justificadas, uma vez que podem ser cruciais para proteger a saúde e o bem-estar públicos. Contudo, as razões para essas exigências precisam estar bem explicadas, incluindo as exceções – como contraindicações médicas à aplicação do imunizante.

Para o órgão, a vacinação obrigatória deve ser considerada apenas se for necessária à obtenção de uma meta de saúde pública importante, identificada por uma autoridade legítima da área sanitária. Outras estratégias devem vir antes disso, como políticas de educação pública, por exemplo.

“As vacinas são eficazes para proteger as pessoas da covid-19. Governos e/ou formuladores de políticas institucionais devem usar argumentos para encorajar a vacinação voluntária contra covid-19 antes de contemplar a vacinação obrigatória. Devem ser feitos esforços para demonstrar o benefício e a segurança das vacinas para a maior aceitação possível da vacinação. Medidas regulatórias mais rígidas devem ser consideradas apenas se esses meios não forem bem-sucedidos”, afirma a OMS.

Se esses objetivos de saúde pública não conseguem ser alcançados sem uma exigência para que as pessoas se vacinem, as preocupações daqueles que são capazes, mas não desejam ser vacinados, devem ser tratadas, se possível, de maneira proativa. Contudo, caso essas medidas não funcionem e a recusa à vacina resultar em riscos significativos à saúde pública, com baixas taxas de vacinação sem uma exigência, a obrigatoriedade pode ser uma medida “necessária”, diz a OMS.

A organização ainda recomenda que dados sobre as vacinas devem estar disponíveis, para que a população saiba que a vacina é eficaz, além de ser um meio para atingir uma meta importante de saúde pública. O acesso ao imunizante também precisa ser “confiável, razoável e gratuito” para aqueles a quem a vacinação for exigida.

Também afirma que é preciso considerar o efeito que a obrigatoriedade da vacina terá sobre a confiança do público na comunidade científica e na vacinação em geral. É recomendado que haja transparência no processo de tomada de decisão em torno da obrigatoriedade do imunizante.

CEO da Pfizer foi imunizado

O autor do tuíte afirma que Albert Bourla, diretor-executivo da Pfizer, teve a entrada negada em Israel por não estar vacinado e que teria afirmado não precisar do imunizante “pois era um sujeito saudável”. Em um segundo post, o médico compartilha o link de uma reportagem do veículo Times of Israel com a intenção de provar o ponto dele, mas o texto não condiz com o dito na postagem.

O médico ainda questiona, no mesmo post, o que diriam os funcionários da empresa para o mundo caso fossem obrigados a injetar em si “o produto que conhecem a fundo, sabem que é experimental e estão bem informados de todos os seus efeitos colaterais…” Os imunizantes não são substâncias experimentais e os benefícios superam os riscos da vacinação, conforme já explicou o Comprova.

Segundo a reportagem compartilhada por ele – publicada há mais de seis meses, em 5 de março –, a visita do diretor da farmacêutica a Israel foi adiada porque ele e outros membros da delegação ainda não estavam totalmente imunizados contra a covid.

O texto explica que Bourla havia recebido a primeira dose, mas aguardava a segunda, enquanto outros membros receberam duas doses, mas não haviam completado a espera mínima de sete dias para garantir maior proteção contra o vírus.

A mesma reportagem relembra que Bourla afirmou anteriormente que não cortaria a fila para receber a vacina, apesar de ter o cargo mais importante da empresa que fabrica o medicamento. A afirmação foi feita em entrevista ao canal CNBC.

Em agosto, a Reuters publicou checagem informando que Albert Bourla recebeu a segunda dose da vacina em 10 de março de 2021, o que foi registrado por ele no Twitter.

Captura realizada pelo Comprova em 02/09/2021

De acordo com a Reuters, até a publicação da checagem, usuários de redes sociais ainda se referiam à informação desatualizada de que ele teve que cancelar a viagem por não estar totalmente vacinado como se o conteúdo fosse atual.

Obrigatoriedade

Empresas e governos de diversos países estão exigindo que seus funcionários se vacinem, como forma de reduzir a disseminação do coronavírus e da contaminação de seus empregados.

Não há uma lei específica sobre a exigência ou não de o trabalhador se imunizar, mas, segundo advogados entrevistados pela Reuters, a imposição é uma forma de a empresa cumprir seu papel de reduzir os riscos no local de trabalho.

E, como informado acima, desde que o governo dos Estados Unidos anunciou não haver impedimentos legais para tal medida, várias empresas passaram a colocá-la em prática.

Um dos casos de exigência de vacina mais conhecidos no país ocorreu em 1905, quando a Suprema Corte permitiu que órgãos de saúde do estado de Massachusetts pudessem exigir a vacinação contra a varíola de toda a população local se considerassem isso “necessário para a saúde ou segurança pública”. Um pastor que se negou a receber a proteção foi condenado criminalmente e multado.

O tribunal entendeu que “o princípio de liberdade individual não é absoluto em face do bem comum e que a liberdade real para todos depende da restrição de exercícios individuais de liberdade que prejudicam os outros”.

E, ainda sobre os Estados Unidos, desde os anos 1980, os 50 estados exigem vacinas de crianças em idade escolar – há exceções, como motivos médicos e religiosos.

Médico fez novos posts após ser procurado pelo Comprova

Francisco Eduardo Cardoso Alves é especialista em Infectologia pelo Instituto Emílio Ribas e diretor-presidente da Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social (ANMP). Defensor do “tratamento precoce” com medicamentos que não possuem eficácia comprovada contra a covid-19, foi ouvido pela CPI da Pandemia, onde defendeu a prática, em junho deste ano.

Procurado pelo Comprova, afirmou que a intenção do post foi “mostrar que as principais empresas/atores envolvidos nas ‘decisões científicas’ sobre a covid-19 no Ocidente não obrigam coercitivamente a vacinação dos seus funcionários, como alguns políticos e empresas, absurdamente, estão tentando fazer aqui (Brasil)”. Ele não citou exemplos sobre os quais está se referindo.

Acrescentou acreditar que o uso de outras medidas, como testagem frequente, distanciamento e uso de máscaras, são cabíveis e “deveriam servir de exemplo aos gestores de alguns municípios brasileiros”.

Defendeu, ainda, que, se o objetivo fosse a saúde da população, os gestores estariam incentivando, e não forçando, a vacina no Brasil, associada às demais medidas, “e não proibindo pessoas de terem empregos ou irem a restaurantes por não terem vacinas, mas permitindo transporte público sem essa exigência, dentre outras contradições”.

Sobre a afirmação relacionada ao diretor-executivo da Pfizer, declarou que, após o contato do Comprova, fez a verificação da reportagem e constatou que o conteúdo é antigo. “Portanto, irei retificá-la no que concerne ao CEO já ter se vacinado. Mas parece que agora duas doses não servirão mais em Israel, a ver…”

Em seguida, o médico adicionou dois tuítes ao fio, afirmando precisar fazer uma correção e esclarecendo que a reportagem compartilhada está defasada. “Consta no perfil, do CEO da Pfizer que ele tomou as duas doses em março de 21. De fato ele não entrou em Israel pois não tinha as duas doses ainda”, postou.

O autor manteve, contudo, a afirmação de que as empresas e órgãos listados não exigem vacina obrigatória, mas esclarecendo que a J&J passará a fazer a exigência a partir de 4 de outubro. Explicou também que, embora não exijam, as demais adotam medidas como testagem frequente, uso de máscaras e distanciamento.

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Projeto Comprova checa conteúdos de redes sociais sobre políticas públicas do governo federal, eleições e a pandemia que alcancem uma grande viralização. No caso do conteúdo aqui verificado, foram 7,7 mil interações no Twitter, entre comentários, curtidas e compartilhamentos.

Conteúdos enganosos e desmotivadores sobre vacinas são perigosos porque diminuem a confiança da população nos imunizantes e enfraquecem os esforços de imunização, que são a principal estratégia para controlar a pandemia e salvar vidas, aliados ao distanciamento social, higienização constante das mãos e uso de máscaras.

Apenas em agosto, o Comprova já informou que médico americano engana ao dizer que vacinas “enlouquecem” sistema imunológico e agravam covid-19; que site antivacina inventou dado sobre efeito colateral em crianças imunizadas com Pfizer; que, ao contrário do que diz médico, vacinas são eficazes contra variante delta; e que médica engana ao dizer que vacinas contra covid são experimentais.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Desde 2020 o Correio de Carajás integra o Projeto Comprova, que reúne jornalistas de 33 diferentes veículos de comunicação brasileiros para descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas sobre políticas públicas e a pandemia de covid-19 compartilhadas nas redes sociais ou por aplicativos de mensagens.

Comentários

Mais

Embrapa lança o primeiro curso on-line sobre o cultivo do açaí em terra firme

Embrapa lança o primeiro curso on-line sobre o cultivo do açaí em terra firme

A Embrapa Amazônia Oriental disponibiliza a partir de quarta-feira (29) na  vitrine virtual e-Campo, o primeiro curso sobre o cultivo do…
Movimento ocupa escola à espera de auxílio da Prefeitura de Parauapebas

Movimento ocupa escola à espera de auxílio da Prefeitura de Parauapebas

Após uma reintegração de posse, realizada na última quinta-feira (23) em área próxima a nona fase de implantação do projeto…
Equatorial Pará realiza a troca de 100 geladeiras em Marabá

Equatorial Pará realiza a troca de 100 geladeiras em Marabá

A partir desta terça-feira (28), os moradores de Marabá, vão poder se cadastrar para concorrer a geladeiras novas e mais…
Pará recebe mais 190.710 mil doses de Pfizer nesta terça-feira (28)

Pará recebe mais 190.710 mil doses de Pfizer nesta terça-feira (28)

O Pará recebeu na madrugada desta terça (28) a 91ª remessa de vacinas contra a Covid-19 enviada pelo Ministério da…
Assembleia: Encerrada com sucesso a 3ª edição do Forma Alepa

Assembleia: Encerrada com sucesso a 3ª edição do Forma Alepa

Com o compromisso de promover o conhecimento e a capacitação de prefeitos, vereadores e servidores públicos, a Escola do Legislativo,…
AfroMundi prega esperança em tempos de pandemia

AfroMundi prega esperança em tempos de pandemia

“Em uma Amazônia que já está tossindo rios voadores de cinzas e gases de carbono, a esperança e a utopia…