O delegado Vinícius Cardoso das Neves, diretor da 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil em Marabá, confirmou que a agressão cometida contra Daniel Alves Nunes da Silva, de 35 anos, que é travesti, conhecido como “Dani”, será investigada como tentativa de homicídio e se trata de crime de homofobia. Ela continua internada em estado grave no Hospital Municipal de Marabá (HMM), após sofrer um violento ataque a pauladas e facadas. Um homem que estaria bebendo junto com a vítima, minutos antes da agressão, seria o principal suspeito.

FUTURO POSTAGEM
ALICERCE

Vinícius Cardoso disse que tão logo tomou conhecimento sobre a tentativa de homicídio sofrida pela travesti, determinou abertura de inquérito policial pelo delegado plantonista Willian Crispin, que enviou uma equipe de investigadores ao HMM, na terça-feira (1º). Os policiais mantiveram contato com Francidalva Alves Nunes da Silva, irmã de “Dani”, que foi até a delegacia e registrou Boletim de Ocorrência sobre a tentativa de assassinato.

#ANUNCIO

O Boletim relata que a vítima estava bebendo com um desconhecido, mas ao saírem para manter relação sexual, a travesti foi agredida brutalmente, na madrugada do último domingo, dia 29, no bairro Liberdade, em local que, coincidentemente fica perto da casa de Sandro Martins, o “Sandrinho”, militante LGBT, assassinado a facadas no ano passado (conforme noticiado em nossa última edição).

A Articulação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA) ficou de divulgar uma “Carta Aberta” à sociedade marabaense, abordando o problema da tentativa de homicídio sofrido pela travesti Dani. O Movimento LGBT do estado do Pará também ficou de cobrar das autoridades a prisão imediata dos envolvidos.

O presidente do Grupo Atitude LGBT de Marabá, Noé Lima, disse que está acompanhando o andamento das investigações. A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travesti e Transexuais (ABGLBT), por meio da presidente, a paraense Simmy Larrat, também se comprometeu de lançar uma nota de repúdio ao ataque e cobrar a punição dos culpados.

Sobre o assunto, o delegado Vinícius afirmou que a Polícia Civil tem sido bastante sensível a casos como este. “Temos um contato constante com os apoiadores e lideranças do movimento LGBT e todas as situações envolvendo homofobia ou qualquer tipo de discriminação vem sendo reprimido de forma bastante contundente pela Polícia Civil aqui do município”, assegurou.

(Chagas Filho)

O delegado Vinícius Cardoso das Neves, diretor da 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil em Marabá, confirmou que a agressão cometida contra Daniel Alves Nunes da Silva, de 35 anos, que é travesti, conhecido como “Dani”, será investigada como tentativa de homicídio e se trata de crime de homofobia. Ela continua internada em estado grave no Hospital Municipal de Marabá (HMM), após sofrer um violento ataque a pauladas e facadas. Um homem que estaria bebendo junto com a vítima, minutos antes da agressão, seria o principal suspeito.

Vinícius Cardoso disse que tão logo tomou conhecimento sobre a tentativa de homicídio sofrida pela travesti, determinou abertura de inquérito policial pelo delegado plantonista Willian Crispin, que enviou uma equipe de investigadores ao HMM, na terça-feira (1º). Os policiais mantiveram contato com Francidalva Alves Nunes da Silva, irmã de “Dani”, que foi até a delegacia e registrou Boletim de Ocorrência sobre a tentativa de assassinato.

#ANUNCIO

O Boletim relata que a vítima estava bebendo com um desconhecido, mas ao saírem para manter relação sexual, a travesti foi agredida brutalmente, na madrugada do último domingo, dia 29, no bairro Liberdade, em local que, coincidentemente fica perto da casa de Sandro Martins, o “Sandrinho”, militante LGBT, assassinado a facadas no ano passado (conforme noticiado em nossa última edição).

A Articulação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA) ficou de divulgar uma “Carta Aberta” à sociedade marabaense, abordando o problema da tentativa de homicídio sofrido pela travesti Dani. O Movimento LGBT do estado do Pará também ficou de cobrar das autoridades a prisão imediata dos envolvidos.

O presidente do Grupo Atitude LGBT de Marabá, Noé Lima, disse que está acompanhando o andamento das investigações. A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travesti e Transexuais (ABGLBT), por meio da presidente, a paraense Simmy Larrat, também se comprometeu de lançar uma nota de repúdio ao ataque e cobrar a punição dos culpados.

Sobre o assunto, o delegado Vinícius afirmou que a Polícia Civil tem sido bastante sensível a casos como este. “Temos um contato constante com os apoiadores e lideranças do movimento LGBT e todas as situações envolvendo homofobia ou qualquer tipo de discriminação vem sendo reprimido de forma bastante contundente pela Polícia Civil aqui do município”, assegurou.

(Chagas Filho)

ROMANCE FAVORITA
RADIO CORREIO HORIZONTAL
TH SITES HORIZONTAL
FUTURO HORIZONTAL
DEPNEUS