Sandro Daniel Mota Pantoja é acusado de ter participado do homicídio de Lucas Sampaio de Oliveira
Ads

Se apresentou hoje, quarta-feira (31), na 20º Seccional de Polícia Civil de Parauapebas, o sargento da Polícia Militar, Sandro Daniel Mota Pantoja. Ele é acusado de ter participado do homicídio de Lucas Sampaio de Oliveira, 18 anos, cujo corpo foi encontrado com ferimentos a tiros, no dia 11 de março deste ano, fato que é negado pelo policial.

Ads

Além dele, já estão presos pelo mesmo crime os soldados Cosme Neto Sousa Medeiros e Arthur Sampaio Pinheiro Martins, também da Polícia Militar. A outra pessoa presa pela morte do jovem é Marcelo Silva Cardoso.

Os três foram presos no último dia 24 (quarta-feira) em operação realizada pela Divisão de Crimes Funcionais da Corregedoria da Polícia Civil (DCrif), em conjunto com policiais civis da Superintendência Regional de Marabá e da Seccional de Parauapebas, além homens da Corregedoria da Polícia Militar.

Durante a operação, Sandro não foi localizado. Ele se apresentou esta manhã, acompanhado da advogada dele, Lorrane Ribeiro Rosa, e depois de ser ouvido foi encaminhado para fazer exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). De lá, seria conduzido para o quartel do 23º Batalhão da Polícia Militar, onde vai ficar custodiado até a audiência de custódia, que deve acontecer amanhã, quinta-feira, 1º.

De acordo com a advogada dele, no dia do crime, o policial estava em uma chácara, na zona rural de Parauapebas, participando de uma caçada com amigos. Inclusive, observou Lorrane Rosa, um dos amigos vai servir de testemunha de que seu cliente estava nesse local no dia do crime.

“Vamos apresentar esse álibi durante a audiência de custódia e esperamos que ele seja liberado, porque não cometeu nenhum crime”, diz advogada.

Lorrane: “Vamos apresentar álibi durante a audiência de custódia”

Ela ressaltou que ainda não teve acesso ao processo, conduzido pela DCrfi e que saiu hoje do segredo de justiça. Lorrane frisou que uma cópia do inquérito estava sendo encaminhada para Parauapebas, de ônibus, para ela poder saber realmente quais acusações pesam contra o cliente. “Ainda não sabemos nada, apenas que há essa prisão preventiva contra ele. Vamos aguardar o processo chegar para sabermos realmente quais as acusações que estão sendo feitas a meu cliente”, enfatiza.

De acordo com a polícia, os três policiais e o civil presos estão indiciados em inquérito como autores do homicídio de Lucas Sampaio de Oliveira, encontrado no Bairro Montes Claros, em Parauapebas. A vítima estava desaparecida havia dois dias.

Com o andamento das investigações, os acusados do crime foram identificados e tiveram os mandados de prisão solicitados e posteriormente decretados pela Justiça. (Tina Santos – com informações de Ronaldo Modesto)

 

Ads