Correio de Carajás

Parauapebas: Chuvas elevam risco de deslizamento de encostas

Chuvas elevam nível de alerta de deslizamento em Parauapebas / Foto: Divulgação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Devido às chuvas que castigam Parauapebas desde o último fim de semana, a Defesa Civil do Município redobrou o estado de atenção para o risco de deslizamento de terra nas encostas de morros. A cidade é cercada por eles e há vários bairros oriundos de ocupação nas encostas ou no pé dos morros.

De acordo com o coordenado da Defesa Civil, Jales Santos, as chuvas contínuas, como vem acorrendo, são perigo nessas áreas porque encharcam o solo e pode haver deslizamento. Por conta disso, algumas famílias já foram notificadas a deixar as casas.

No Morro do Macaco, no Bairro Liberdade, só não aconteceu uma tragédia, segundo ele, porque a Defesa Civil agiu a tempo e alertou as famílias do risco de deslizamento. “Quando a terra deslizou, as famílias já tinham saído”, lembra.

Leia mais:

No local, 24 famílias foram notificadas a deixar suas casas. Segundo o coordenador, uma parte saiu, mas há aquelas que resistem e permanecem no local.

Rio Parauapebas está em nível de atenção

As chuvas também elevaram o nível de alerta de alagamento de áreas próximas a canais. Na última segunda-feira, 25, devido à chuva que caiu desde a madrugada e seguiu durante o dia, o Lago da Nova Carajás, que fica na entrada da cidade, transbordou e alagou ruas do Bairro Novo Brasil.

Apesar do nível do Rio Parauapebas ter baixado, Jales diz que a Defesa Civil segue com equipe mobilizada para qualquer emergência. Ele lembra que no início do mês o rio chegou a 11,48 metros, atingindo o nível de alerta e chegando a algumas casas.

Na manhã de hoje, quarta-feira, 27, o nível do rio amanheceu em 7,51 metros acima do nível normal, estando em estado de atenção. “Como segue chovendo, estamos com equipe mobilizada para atender qualquer emergência, seja alagamento, enchente ou deslizamento de terra”, garante o coordenador, observando que para as pessoas que não têm condições de pagar aluguel e não têm para onde ir, existe uma abrigo da prefeitura pronto para abrigá-las, em caso de necessidade de deixar suas casas.  (Tina Santos – com informações de Ronaldo Modesto)

Comentários

Mais

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

As indenizações de cerca de 400 pessoas que alegam não ter sido contempladas com a criação do Parque Estadual da…
Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

No último dia 6 de junho uma decisão publicada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a suspensão de ordens ou…
Reflexões sobre depressão e suicídio

Reflexões sobre depressão e suicídio

Um jovem de 28 anos tirou a própria vida se atirando na direção de uma carreta em movimento. O caso…
Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

No ranking das dez piores ligações rodoviárias do País, boa parte das estradas está situada em regiões agrícolas, dificultando o…
Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

O Laboratório de Inflação e Custo de Vida de Marabá (Lainc), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará…
Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

O desemprego recuou para 13,7% em junho, último mês do trimestre móvel iniciado em abril. O percentual foi atingido depois…