Correio de Carajás

Paralisação atinge segundo dia e usuários continuam sofrendo nas paradas

Bebedouro que ficava instalado para uso dos funcionários foi arrancado/ Foto: Divulgação funcionário
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Na manhã desta terça-feira (10) os funcionários das empresas TCA e Nasson voltaram a ocupar a porta da garagem para uma nova manifestação. Os rodoviários decidiram cruzar os braços das 5 às 9 horas da manhã, mas pretendiam assumir o serviço após esse horário. Porém, segundo um dos funcionários, que preferiu não ser identificado, a direção da empresa voltou a fechar os portões para impedir a saída dos ônibus e dessa vez tirou até o bebedouro que ficava instalado para uso dos funcionários.

A paralisação teve início na última segunda-feira (9) e os trabalhadores reivindicam o pagamento de três meses de salários atrasados e sete meses de vale alimentação. Segundo o secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviários do Estado do Pará (Sintrasul), Ozéias Brandão, o movimento dos rodoviários continua porque até agora a empresa não se manifestou.

“A gente percebe que não tem nenhuma preocupação em sanar o problema do trabalhador, que são os salários em atraso e os ticket’s alimentação. Persiste o problema e enquanto isso, o trabalhador fará manifestação dessa forma. A gente insiste em pedir desculpas à comunidade, à população de maneira geral, porque sabemos que é necessário o transporte coletivo, mas não podemos deixar o trabalhador a mercê da pouca vontade da empresa em pagar os seus proventos”, explicou.

Leia mais:

Resposta das empresas

Segundo o advogado das empresas, Robert Silva, o horário de pico é a partir das 5h30 da manhã, que caracteriza a primeira jornada de trabalho, quando os veículos devem sair da garagem. O que, segundo ele, tem sido impedido pelos funcionários. Por isso, a empresa vai esperar o Tribunal Regional do Trabalho se manifestar sobre o pedido liminar de proibição da ocupação da porta da garagem pelos funcionários.

“Porque a partir do momento que eles impedem que haja a saída há uma modificação na lei de greve. Então, não existe essa paralisação momentânea. Ou o serviço é respeitado ou então, por segurança e prudência, deve-se aguardar uma decisão do tribunal, que é o órgão competente para dirimir esse dissídio coletivo”, explicou. (Fabiane Barbosa)

Mais

Postagem que associa Doria e Lulinha na compra da Coronavac é falsa

Postagem que associa Doria e Lulinha na compra da Coronavac é falsa

  Falso No site oficial da Nasdaq, bolsa de valores dos Estados Unidos onde está listada a Sinovac, fabricante da…
DMTU faz o lançamento do Movimento Maio Amarelo

DMTU faz o lançamento do Movimento Maio Amarelo

Com o objetivo de colocar em pauta o tema da segurança viária, o Movimento Maio Amarelo nasce com a proposta…
Dia 10 de maio marca a emancipação de oito municípios da região

Dia 10 de maio marca a emancipação de oito municípios da região

Esta segunda-feira, 10 de maio, será um feriado especial para muitas cidades do Pará. Mais precisamente para 15 municípios, que…
DMTU esclarece suposta “casinha” feita por agente de trânsito

DMTU esclarece suposta “casinha” feita por agente de trânsito

Desde o final da noite de quarta-feira (5), o nome do agente de trânsito Etervan Ferreira Sousa está circulando em…
Sespa divulga orientações sanitárias para o Dia das Mães, com base em protocolos sanitários

Sespa divulga orientações sanitárias para o Dia das Mães, com base em protocolos sanitários

Para reduzir os riscos de propagação da Covid-19 durante as celebrações pelo Dia das Mães, a Secretaria de Estado de…
ONU pede investigação imparcial sobre operação no Jacarezinho

ONU pede investigação imparcial sobre operação no Jacarezinho

O Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) para Direitos Humanos, com sede em Genebra, na Suíça, pediu hoje…