Correio de Carajás

Os lanterninhas precisam se espertar!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Gavião e Itupiranga são, respectivamente, lanterna e vice lanterna do Parazão 2021. Os dois times são os únicos que ainda não pontuaram na competição e, caso o certame terminasse hoje, estariam devidamente rebaixados. Pois, conforme o regulamento do campeonato, são automaticamente rebaixados os dois piores colocados da fase de grupo.

Gavião está com arco e flecha quebrados

O Gavião marcou apenas 2 gols e já tomou 9 em apenas 3 partidas: ou seja, de meia em meia hora a bola passa pela meta fatal da zaga indígena. É a pior defesa da competição, até o momento. No ataque a situação é complexa também: o ataque precisa de um jogo e meio pra poder fazer um golzinho.

Leia mais:

Itupiranga não faz mal a ninguém

Por outro lado, o time do Itupiranga, que também está entre as piores defesas do Parazão, tem no ataque um de seus problemas. O time só balançou as redes uma vez e foi ainda na estreia, aos 35 minutos do primeiro tempo, quando perdeu de 3×1 para o Paragominas. De lá para cá, já foram mais de 250 minutos sem dar ao torcedor o gostinho de gritar “gol”.

na hora de fechar a casinha

Os números exibidos até o momento deixam claro para os dois times (principalmente para o Gavião) que está na hora de fechar a casinha. É preciso parar de tomar gol todo jogo. Do contrário, a tendência é a queda…infelizmente.

Grupo da (vida) morte

Muito tem se falado por aí que o Grupo C do Parazão é o grupo da morte, por ter quatro times bons, que estão no mesmo patamar (Águia, Castanhal, Independente e Paragominas). Mas olhando a coisa sob outro prisma, o grupo é bom. Explico: primeiro porque todos vão pontuar bem, então mesmo quem ficar em último dificilmente será rebaixado; segundo porque quem ficar em terceiro possivelmente pegará uma das duas vagas destinadas aos dois melhores terceiros, nas quartas de final. Além disso, o grupo não tem nem Remo, nem Paysandu, que certamente terminarão como primeiros de seus grupos deixando apenas uma vaga direta para os outros brigarem.

Gabigol, o que é que eu faço contigo?

Eu sou o maior fã do Gabigol que eu mesmo conheço, mas – poxa vida! – dessa vez foi demais. O cara é ídolo de crianças que torcem para vários times, ganha milhões com o tal “direito de imagem” e me aparece em um cassino, que já é ilegal em tempos normais, imagina agora, em plena pandemia. Diz que foi jantar… bom.

Saideira

Luto por Gilmar Fubá.

Comentários

Mais

Águia faz pacto eterno com empate e só iguala com Remo apático

Águia faz pacto eterno com empate e só iguala com Remo apático

O Águia de Marabá teve mais uma tarde infeliz neste domingo, 18 de abril, no confronto contra aquele que seria…
Marabá é representada em live solidária organizada por Cafu

Marabá é representada em live solidária organizada por Cafu

Um dos desportistas brasileiros mais conhecidos no mundo e herói da conquista do pentacampeonato Mundial de futebol como capitão da…
A zoação não tem fim

A zoação não tem fim

Desde o último domingo, flamenguistas vinham tirando sarro dos palmeirenses, primeiro por causa do título conquistado pelo Rubro-negro sobre o…
Equipe do Águia pronta para enfrentar o Remo no domingo

Equipe do Águia pronta para enfrentar o Remo no domingo

Neste domingo (18), às 16 horas, o Águia de Marabá enfrenta o Remo pela quinta rodada da fase de grupos…
Gavião empata no Zinho Oliveira e o Itupiranga no Souza

Gavião empata no Zinho Oliveira e o Itupiranga no Souza

Em jogo emocionante na tarde de ontem (16), no Estádio Zinho Oliveira, em Marabá, o time do Gavião Kyikatêjê viu…
Técnico da Seleção de vôlei é internado com covid-19

Técnico da Seleção de vôlei é internado com covid-19

O técnico da seleção brasileira masculina de vôlei, Renan Dal Zotto, foi internado nesta sexta-feira. O craque da geração de…