Correio de Carajás

Os desafios do novo “chefe”

Reunião com o delegado-geral contou com presença maciça de policiais em Marabá/ Foto: Evangelista Rocha
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Durante reunião com policiais e com a Imprensa na manhã desta sexta-feira (18), em Marabá, o novo delegado-geral de Polícia Civil no Estado do Pará, Alberto Teixeira, elencou algumas dificuldades que terá pela frente, sobretudo nas regiões sul e sudeste do Pará. Os problemas passam tanto pelas características deste recorte geográfico da Amazônia quanto pelas próprias dificuldades que a instituição enfrenta.

Entre os desafios elencados como prioridade, Alberto Teixeira citou o tráfico de drogas, homicídios, milícias e facções, os mesmos problemas detectados na Zona Metropolitana de Belém. “Aqui tem tudo isso e um plus a mais. Nós temos um problema sério da questão agrária e ainda as quadrilhas que assaltam bancos na modalidade vapor, então temos essa dificuldade maior”, observa o novo delegado-geral, acrescentando que muitas quadrilhas são interestaduais, o que requer ainda mais esforço por parte da Polícia Judiciária.

Uma saída para fazer frente a esses crimes é justamente trabalhar com inteligência e lançando mão das ferramentas tecnológicas que a Polícia Civil dispõe. Mas nesse particular reside o outro grande desafio de Teixeira e seus comandados: falta pessoal para isso.

Leia mais:
Delegado-geral Alberto Teixeira elencou os desafios que terá pela frente e apontou soluções/ Foto: Evangelista Rocha

DÉFICIT

Segundo Alberto Teixeira, o quadro da Polícia Civil hoje no Estado do Pará é de 3.324 policiais, o que já é um número considerado abaixo do ideal, até porque sempre há servidores de férias, ou de licença, o que diminui ainda mais o material humano. Há ainda outra preocupação maior.

O delegado-geral disse que outro grande problema é que existem hoje 406 policiais aptos a se aposentar nos próximos meses, o que reduzirá o efetivo da Civil em mais de 10%. Mas Alberto Teixeira não se limitou a elencar problemas. Há soluções à vista.

A luz no fim do túnel, que inclusive já foi apresentada ao governador Helder Barbalho é chamar o excedente do último concurso público. Segundo Teixeira, Helder já acenou de forma positiva para essa saída encontrada, pois ela representa um aumento de 500 servidores no efetivo da Polícia Civil. O governo aguarda apenas um parecer da Procuradoria Geral do Estado, pois é preciso também evitar algum tipo de crime de responsabilidade fiscal na convocação desses servidores.

(Chagas Filho)

Mais

Vítima de homicídio é encontrada em campo de futebol

Vítima de homicídio é encontrada em campo de futebol

A 15ª Seccional Urbana de Tucuruí ficará encarregada de investigar o assassinato de um homem identificado pelo nome de Josiel…
Operação policial no Jacarezinho deixa pelo menos 25 mortos

Operação policial no Jacarezinho deixa pelo menos 25 mortos

Uma operação da Polícia Civil do RJ contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, deixou 25…
Trotes atrapalham as ações da polícia em Marabá

Trotes atrapalham as ações da polícia em Marabá

Todos os dias a Polícia Militar de Marabá atende diversas ligações falsas, os chamados trotes. Muitas das vezes, a equipe…
PRF apreende 105 toneladas de minério ilegal em caminhão na BR-222

PRF apreende 105 toneladas de minério ilegal em caminhão na BR-222

Um caminhão que transportava 105 toneladas de minério ilegal foi apreendido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no sudeste do Pará.…
Foragido da justiça é linchado por populares da Folha 16 após esfaquear homem

Foragido da justiça é linchado por populares da Folha 16 após esfaquear homem

Por volta das 16 horas desta quarta-feira, 5, um homem foi esfaqueado na Folha 16, no bairro Nova Marabá. A…
Mulher mata o marido com golpes de faca no Bairro Araguaia

Mulher mata o marido com golpes de faca no Bairro Araguaia

Uma discussão de casal terminou em tragédia na noite desta quarta-feira (5), no bairro Araguaia, em Marabá. Após receber um…