Correio de Carajás

Opinião: A política da polícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Por Francisco Bismarck*

Há alguns meses fui surpreendido com a notícia de que o então Juiz Federal Sérgio Moro iria renunciar sua destacada carreira na magistratura para assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública, então pensei comigo:

Leia mais:

“Até onde a vaidade humana pode nos levar”. Sem querer, me vi julgando-o, a partir da minha própria experiência de mais de 4 triênios como Delegado de Polícia Civil no Estado do Pará.

Talvez por já ter experimentado e observado, inúmeras vezes, o dessabor da ingerência política na atividade policial, a escolha daquele Juiz Federal, igualmente jovem, porém com a experiência conferida pelos seus 22 anos de magistério, me pareceu uma insanidade.

Naquele momento o Juiz Sérgio Moro gozava de grande prestígio popular e da mídia em geral por ter personificado o combate à corrupção de uma forma, quase que indissociável, após ter atuado em inúmeros processos de combate a organizações criminosas, sendo os mais famosos decorrentes da “Operação Lavajato” em suas inúmeras fases.

Há pouco o Brasil acompanhou pelas mídias sociais o ex-juiz, e agora ex-ministro, Sérgio Moro comunicar sua saída abrupta do “poder”, deixando o Ministério da Justiça e Segurança Pública exatos 16 meses após pivotar sua carreira e sua própria vida para assumir a pasta ministerial.

Sob os escombros da bombástica notícia, não pude deixar de atentar para alguns trechos do pronunciamento do Ministro onde, durante 38 minutos, não se furtou em enaltecer a necessidade e importância da independência funcional da polícia judiciária, no caso a Polícia Federal, bem como registrar seu total apoio e respeito as instituições policiais.

Eu que sempre tive algumas reservas acerca do Sérgio Moro – repito, ao julgá-lo aos meus olhos – por achar que ele se deixava envaidecer pela projeção que lhe fora conferida pelo desempenho regular de suas funções, nada mais que isto, agora passei a enxergá-lo com mais empatia.

O que se ouviu naquela ocasião foram mais que as palavras de renúncia de um Ministro de Governo, foi o pronunciamento de um profundo defensor da atividade policial e sua função investigativa de forma independente e autônoma, sem a necessidade de se curvar aos mandos e desmandos de quem quer que seja, ainda que seja do próprio presidente da república.

Por uma questão de justiça e honestidade, devo confessar que senti um certo “orgulho” de vê-lo falar de forma direta e contundente que estava deixando o ministério por não aceitar ingerências políticas no trabalho da polícia. Ingerências no ministério até foram “toleradas”, pelo que deixou antever o ministro, mas na polícia, não seriam.

Enquanto parte dos Delegados da Polícia Federal, tal qual faria, e faz, parte dos Delegados de Polícia dos estados, não pensaria duas vezes em cumprir determinações esdrúxulas apenas para se manter no poder, ou mesmo cobiçar a “cadeira de comando” em substituição aos seus superiores, assistimos um ex-juiz/ministro romper com o “sistema” e desembarcar do “poder” para sair em defesa da nossa tão desejada “independência funcional”.

Das polícias judiciárias lhes foi retirado o direito à greve, à aposentadoria especial e inúmeras prerrogativas funcionais que, somando-se ao que nunca lhes foi dado (independência funcional, autonomia financeira, mandatos eletivos plurianuais, etc) consolida uma política de enfraquecimento das instituições policiais, algo que é muito conveniente para os que estão momentaneamente no poder.

Vi e li atentamente notas de apoio de vários Governadores e Chefes de Polícia ao agora ex-ministro, mas para mim soaram como o barulho da pirotecnia populista, posto que, em seus respectivos gabinetes, o que se vê é a perenização da esterilidade investigativa.

O discurso é bonito e explicar é fácil, difícil mesmo é entender como as instituições policiais brasileiras se sujeitam às inúmeras e inegáveis ingerências políticas, sendo elas responsáveis por funções sociais tão importantes. As respostam são muitas, mas todas passam pela vaidade humana e a necessidade natural de estar, a todo e qualquer custo, no poder. Exemplos não nos faltam e isso (ingerências) ocorre com muito mais frequência do que se pode imaginar, para não dizer que seja a regra.

Encurtando a retórica, pra se fazer a “coisa certa”, há necessidade de resistir ao “sistema”, pois é muito cômodo para quem está no poder, além do foro privilegiado e de saber quem vai julgá-lo, poder escolher também quem vai investigá-lo.

O atual momento histórico me faz lembrar de uma icônica e emblemática foto que vi outro dia, onde era retratado um forte e belo cavalo amarrado à uma cadeira de plástico, adestradamente imóvel, sem se dar conta da força que detém.

*Delegado de Polícia Civil pelo estado do Pará, Graduado e Pós-Graduado em Direito pela Universidade de Fortaleza, Especialista em Sociedade e Gestão de Segurança Pública pela Universidade Federal do Pará, Diretor-Secretário na Associação dos Delegados de Polícia do Pará.

Comentários

Mais

Marabá: PRF apreende quase 5 kg de ouro em barras sem origem comprovada

Marabá: PRF apreende quase 5 kg de ouro em barras sem origem comprovada

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu na manhã desta sexta-feira, dia 16, quase 5 quilos de ouro em barras que…
Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Um carro forte da empresa Prosegur foi alvo de um bando de assaltantes na tarde desta quinta-feira, por volta de…
"Macumbeiro" é preso por abusar de 5 filhos em Goianésia

"Macumbeiro" é preso por abusar de 5 filhos em Goianésia

Francisco Soares da Silva, de 51 anos de idade, o macumbeiro da Vila Janari, é suspeito de cometer crimes de…
PM apreende arsenal de munições dentro de caminhão

PM apreende arsenal de munições dentro de caminhão

Um motorista de caminhão foi preso em flagrante na manhã desta quinta-feira, 15, no município de Altamira, ao transportar ilegalmente…
Foragido da justiça há 8 anos é encontrado “de boas” na Velha Marabá

Foragido da justiça há 8 anos é encontrado “de boas” na Velha Marabá

Na noite de quarta-feira (14) o Núcleo Regional de Inteligência da Polícia Militar capturou Anderson Patrick Barbosa Fonseca, foragido da…
Corpo de vendedor de joias de Parauapebas é encontrado em rio de Marabá

Corpo de vendedor de joias de Parauapebas é encontrado em rio de Marabá

O corpo encontrado na manhã desta quinta-feira (15) às margens do Rio Itacaiunas, em Marabá, é de Edilson Pereira de…